quinta-feira, 25 de outubro de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA ALERJ

        Nesta quarta feira, dia 31 de outubro, acontecerá a audiência pública da Comissão de Educação da ALERJ, com o objetivo de discutir a proposta orçamentária, das  universidades estaduais, para 2013. Para tal, a diretoria da ADUENF enviou uma carta aos deputados com o intuito de solicitar uma ementa de 26 milhões, que permita a previsão orçamentária necessária para pagamento da DE em 2013.

Nessa direção, foi protocolada, a carta em anexo, nos gabinetes dos deputados que se manifestaram em apoiar a nossa emenda. A carta foi protocolada na sexta feira passada, dia 26/10, ocasião que também foi aproveitada para poder intercambiar ideias com alguns dos parlamentares ao com seus assessores.

A diretoria da ADUENF convida a todos os interessados a participar da audiência pública!!!!. Vamos vencer mais esta batalha, para garantir a correta remuneração da Dedicação Exclusiva!!!!.

Os interessados, por favor, entrem em contato com secretária da ADUENF, para o planejamento da viagem.

Carta enviada aos deputados 



 
Estudo do Impacto Orçamentário


   



CARTA RESPOSTA AO SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SERGIO RUY BARBOSA GUERRA MARTINS



Copia da carta resposta protocolada na SEPLAG no dia 26 de outubro. Gostaríamos de informar que a mesma foi enviada pelo e-mail o dia 24 de Outubro.


CARTA RESPOSTA AO SECRETÁRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROF. LUIS EDMUNDO COSTA LEITE


Copia da carta resposta protocolada na SECT no dia 26 de outubro. Gostaríamos de informar que a mesma foi enviada pelo e-mail o dia 24 de Outubro.




terça-feira, 23 de outubro de 2012

INFORME DA DIRETORIA DA ADUENF


Caros uenfianos

            A diretoria da ADUENF vem a público para manifestar o seu compromisso com a luta pela correta remuneração do Regime de Dedicação Exclusiva. Independentemente do nível de satisfação com o resultado da assembléia, a luta continua. Acreditamos que nenhum dos que estamos ativamente participando do movimento desde o inicio saímos contentes. Alguns mais incomodados que outros, porém todos preocupados, não com o resultado e sim com o futuro do movimento.

            Podemos pensar em vários cenários possíveis; com a DE, sem a DE, com nova greve, sem nova greve, etc. O cenário que não é possível é o da divisão do movimento!!!.  Discutimos durante quase duas horas, argumentamos, defendemos pontos de vista diferentes, entretanto gostaríamos de lembrar que o objetivo era o mesmo; COMO CONSEGUIR VALORIZAR A CARREIRA DOS DOCENTES DA UENF ATRAVÉS DO PAGAMENTO DA DEDICAÇÃO EXCLUSIVA. Se o objetivo é o mesmo e a luta continua não podemos nos dar ao luxo de dividir o movimento. O caminho foi escolhido, e a diretoria faz um chamado para que  trabalhemos unidos para garantir os 65 % pela Dedicação Exclusiva.

            Caros uenfianos, mantenhamo-nos fortes neste momento, pois o resultado final depende disso. Usemos o nosso prestígio para, através do diálogo, trazer os estudantes para o nosso movimento. Alguns estudantes acreditam que a suspensão da greve permitirá poder ter aulas com tranqüilidade, entretanto gostaria de lembrar que várias disciplinas fatalmente não serão oferecidas, pois os professores de apoio podem não querer dar aulas em janeiro. Somente os que realmente temos compromisso com o ensino dos nossos estudantes trabalharemos no período de verão; outros aguardarão as bolsas do próximo semestre.

               Aguardamos um final de semana para que todos colocassem as suas “feras” para fora. A luta continua e esta semana o campo de batalha é a ALERJ, pois temos que encaminhar as emendas ao orçamento e nos reunir com o presidente da ALERJ, deputado Paulo Melo. Vamos solicitar os 26 milhões para o pagamento da DE e vamos requerer o compromisso do presidente da ALERJ para que, desta vez, o compromisso seja cumprido e a verba não seja contingenciada. Para tal vamos falar com os membros da Comissão de Orçamento e de Educação para garantir os recursos orçamentários necessários para o pagamento da DE.

            A outra tarefa da semana será a elaboração da carta resposta aos secretários de Ciência e Tecnologia, Luis Edmundo Costa, e o de Planejamento e Gestão, Sr. Sergio Ruy. Na carta vamos informar o resultado da reunião, as expectativas do movimento, além de esclarecer que entramos em greve em conseqüência a falta de atenção que alguns órgãos do governo deram às nossas reivindicações.  Em relação as expectativas, vamos deixar claro que não podemos esperar outra coisa que não seja a elaboração de um projeto de lei com o incremento de 65 % aos nossos salários base.


            LUTEMOS PELO PROJETO DE LEI DA DEDICAÇÃO EXCLUSIVA!!
                                             GESTÃO UNIÃO, FORÇA E RESPEITO 2011-2013

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Professores da UENF mantêm greve que começou em agosto


Os docentes decidiram manter a greve na assembleia desta quinta (11).
Eles reivindicam a negociação do pagamento de dedicação exclusiva.



Professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) decidiram, em assembleia realizada na tarde desta quinta-feira (11/10), manter a greve iniciada em agosto. Nova assembleia será realizada depois da reunião da próxima quarta-feira (17/10), com o secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo Costa.

A notícia sobre o encontro com o secretário foi dada pelo presidente da Associação dos Docentes (Aduenf), Raul Ernesto Lopez Palacio, que resumiu o entendimento que prevaleceu na assembleia.

"A categoria entendeu que é necessário um documento do governo manifestando suas reais intenções em relação à negociação do pagamento da dedicação exclusiva dos professores", disse.

A expectativa da Reitoria, segundo o chefe de Gabinete Manuel Vazquez Vidal Junior, é que a negociação avance e que o retorno à normalidade aconteça o mais brevemente possível.

A greve dos professores da UENF começou no dia 10 de agosto, assim que foi concluído do primeiro semestre.


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

EM ASSEMBLÉIA LOTADA, PROFESSORES DECIDEM FORTALECER MOVIMENTO DE GREVE À ESPERA DE POSICIONAMENTO DO GOVERNO CABRAL


Nesta 5a. feira, vésperas de feriado, os professores da UENF se reuniram em uma assembléia altamente representativa para discutir os resultados do andamento do processo de negociação em curso em relação à remuneração do regime de Dedicação Exclusiva.

O presidente da ADUENF, Prof. Raul Palacio, deu um informe acerca da reunião realizada com o secretário estadual de Planejamento e Gestão, Sérgio Ruy Guerra, na última 6a. feira (05/10) e de outras medidas tomadas pelo Comando de Greve desde então, inclusive o envia da carta ao governador Sérgio solicitando um posicionamento do governo em relação à remuneração da D.E.  

O professor Raul Palacio também informou que já agendou uma reunião com o secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo Costa Leite, onde será renovado o pedido de uma manifestação formal acerca do andamento do processo de negociação.

Após este informe uma série de professores fizeram uso da palavra e a tônica dos pronunciamentos é de que não há como encerrar o atual movimento de greve sem que haja uma manifestação formal e qualificada por parte do governo Sérgio Cabral em relação ao principal item da pauta de reivindicações dos professores, que é justamente a questão da remuneração do regime de Dedicação Exclusiva.

Em face das posições oferecidas, a assembléia decidiu de forma unânime pela manutenção do movimento de greve  de forma a fortalecer a posição da ADUENF no processo de negociação em curso.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

COMANDO DE GREVE DA ADUENF ENVIA CARTA AO GOVERNADOR SÉRGIO CABRAL

Nesta 3a. feira (09 de outubro) o Comando de Greve da ADUENF enviou uma carta ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, solicitando a intervenção dele na formulação de uma proposta que possa encerrar a greve iniciada pelos professores da UENF no dia 10 de agosto.


Agora o que se espera é que haja uma resposta positiva que possa dar início a um efetivo processo de negociação que permita o encerramento da atual greve e torne desnecessário o uso deste tipo de instrumento por um bom tempo.

Veja a abaixo a correspondência que foi enviada a Sérgio Cabral. Agora a palavra está com o governador. Esperemos que ele escolha agir de forma pronta e positiva, pelo bem da UENF e da população da região Norte Fluminense.





COMUNICADO DO COMANDO DE GREVE SOBRE REUNIÃO COM O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DO RIO DE JANEIRO, SÉRGIO RUY


Como já tínhamos informado, na sexta feira 05 de outubro, um grupo de professores e técnicos da UENF esteve numa reunião na SEPLAG, com o secretário de Planejamento e Gestão, Sr. Sérgio Ruy. Quase todos os segmentos da UENF estiveram representados: o Reitor com os seus assessores, os representantes do SINTUPERJ, o presidente da ADUENF e a professora Priscila. O secretário de Ciência e Tecnologia, prof. Luís Edmundo, também participou da reunião. Antes mesmo da reunião, motivo pelo qual saímos às 04 da manhã de Campos, mantivemos uma conversa preliminar com o secretário de Ciência e Tecnologia, Luís Edmundo Costa Leite. 

Na conversa com o secretário de Ciência e Tecnologia, apresentamos o firme propósito da ADUENF em encontrar um caminho simples e rápido para poder negociar com o governo Sérgio Cabral, pois agora era o nosso momento de receber os 65% pelo regime de Dedicação Exclusiva. Fazendo uma retrospectiva dos fatos, deixamos claro que a greve na UENF só está acontecendo porque, em algum momento da negociação pela DE, fomos excluídos da discussão. Entretanto, afirmamos que o caminho da negociação desde sempre foi aquele que a diretoria tinha escolhido para resolver os problemas da UENF. O secretário Luiz Edmundo manifestou preocupação pelos estudantes e deixamos claro que a diretoria tinha sempre cuidado com muito carinho dos estudantes, até pelo fato do presidente ser pai de uma aluna, e que a greve também atendia aos estudantes, pois quando o salário na UENF se tornasse atrativo conseguiríamos resolver o problema do curso da Computação, que atualmente conta com apenas quatro professores, para citar apenas um exemplo. Algumas outras colocações foram feitas pelo secretário, contudo, deixamos claro que estávamos investidos com o espírito da negociação e não da tensão. 

A segunda reunião foi bem mais forte, ainda que os representantes da ADUENF tenham sido tratados respeitosamente. O secretário Sérgio Rui nos recebeu na sua sala, com três dos assessores e toda a logística que ele sempre utiliza nas reuniões. A ADUENF, ao fazer uso da palavra, realizou, novamente, uma retrospectiva do que tinha acontecido desde maio de 2011 até aquele momento, fechando com a demanda de 65 % como justo pagamento pela Dedicação Exclusiva. Na fundamentação fizemos uso da situação extremamente pouco atrativa dos nossos salários, o pior vencimento inicial do Brasil, do ganho das federais e do valor ganho pela UERJ além da situação de desenvolvimento da Região. 

O secretário Sérgio Ruy apresentou os dados de investimento do governo Cabral para com as Universidades Estaduais. Todos os dados apresentados estavam referidos ao governo Cabral; desde 2006 até 2012. Na avaliação do secretário, tinha acontecido, no período, um incremento de 67 % no gasto em pessoal, acima da inflação, existindo categorias na UENF que apresentaram ganho mais de 100%. No relativo a custeio, os valores apresentados mostram um incremento de mais de 100% no período. Em resumo, na opinião do Sr. Sérgio Ruy está tudo bem e não existe corrosão do salário. 

Finalmente, o secretário de Planejamento e Gestão fez um percorrido pelas demandas dos técnicos e foi eliminando uma após a outra, inclusive o retorno dos R$ 10 milhões. O único problema ao qual o secretário se manifestou sensível foi em relação ao pagamento pela D.E. Segundo o secretário, o governo sempre tem atendido muito bem à UENF e que desta vez não seria diferente. O pagamento pela DE foi detectado como a espinha dorsal do movimento dos professores, além da causa do futuro diferencial entre os salários dos professores das Universidades Estaduais. Assim, o secretário acrescentou que o governo Cabral estava interessado em negociar este ponto, porém não tinha como se comprometer com a solução, pois a mesma dependia da situação econômica do estado, e que para negociar, os professores, teríamos que encerrar a greve.

Na defesa das nossas demandas apontamos que o ano 2006 poderia ser considerado um ponto fora da curva, já que se referia à implementação do PCV, pois o mesmo representava a recuperação de parte da perda salarial acumulada nos governos anteriores. Assim, ao eliminar o ano de 2006, o valor relativo ao crescimento dos gastos com pessoal na UENF diminuía para 12 %, e 15 % no relativo ao incremento em custeio. Também lembramos ao secretário Sérgio Ruy que, no caso de pessoal, tínhamos um crescimento vegetativo. Na defesa da DE entregamos os cálculos do impacto à folha de pagamento, acrescentando que o valor, 23 milhões, era pouco representativo ao ser comparado com o orçamento do estado do Rio de Janeiro. 

Em relação à possível abertura de um canal de negociações, explicamos a greve só aconteceu pela falta um canal de negociações verdadeiro, com reais possibilidades de solucionar os nossos problemas, entre a ADUENF e o governo do estado. Concordamos em levar a posição do secretário Sérgio ao comando de greve e à uma assembleia. Como era esperado, ao final o secretário lembrou que o governo de estado, até o presente momento, não tinha tomado nenhuma atitude mais forte contra o movimento, comportamento que poderia mudar caso não fosse atendido o pedido. Como resposta, lembramos que o momento é de negociar e não de tensionar as relações. 

Caros Uenfianos, o que fazer? O Comando de Greve e a diretoria da ADUENF sempre foram a favor do caminho da negociação. Caso contrário não teríamos realizado 72 viagens ao Rio de Janeiro e outros lugares, na tentativa de abrir um canal de negociação. Poderíamos simplesmente pagar e ver o que acontece. Em caso de nada acontecer, como já foi sugerido, voltamos à greve. Entrar e sair de greve já foi feito em outras ocasiões. No entanto, pagamos até hoje a indignação dos estudantes ao se sentirem usados pelo movimento na greve anterior. 

Sacrificar nossas férias, o tempo com as nossas famílias, as sonhadas férias em janeiro, e porque não as nossas vidas na BR 101, não têm problema, sempre e quando não sejam em vão. Mas o fato é que necessitamos de alguma prova material para mostrar e utilizar na continuidade do movimento. Necessitamos ao menos de uma carta de compromisso que nos garanta algum resultado e que nos permita poder iniciar e terminar o próximo semestre sem a sombra de uma nova greve. Por outro lado, e não menos importante, temos que mostrar decoro para com aqueles que marcham junto ao movimento e aos nossos aliados da ALERJ, pois ao final das contas lá será onde tudo se resolve. 

Caros membros da comunidade UENFIANA, na tentativa de iniciar um processo de negociação com qualidade e que permita solucionar os nossos problemas, mandamos nesta 3ª. Feira (09 de outubro) uma carta ao governado do Estado do Rio de Janeiro, Sr Sergio Cabral. Nesta correspondência deixamos claro o nosso interesse em negociar, em acabar, o mais rapidamente possível, com o movimento de greve; reconhecemos a importância da reunião do dia 05, e solicitamos a manifestação do governo em relação à principal demanda da categoria, o pagamento pela DE. Cópias desta carta foram enviadas para a SEPLAG, a SECT, a Casa Civil, para o Deputado Paulo Melo o Comte Bittencourt e a deputada Janira Rocha. Um dos membros do comando de greve foi para o Rio de Janeiro apenas para protocolar o documento nessas diferentes instâncias do executivo e do legislativo. 

Por esse motivo é que a reunião de quinta adquire uma especial importância. Sabemos que muitos pretendem viajar no feriado, mas, foi dada a palavra ao secretário Sérgio Ruy que esta semana teríamos reunião, e entendemos importante manter os nossos compromissos. A resposta à nossa carta ao governador Sérgio Cabral pode não chegar até quinta, porém fica o compromisso de que assim que a mesma chegar convocaremos uma nova assembleia para discutir a melhor estratégia para continuar o processo de negociação com o governo. 

Campos dos Goytacazes, 10 de Outubro de 2010.

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

PROFESSORES E SERVIDORES DA UENF FAZEM MANIFESTAÇÃO NA PELINCA E POPULAÇÃO MOSTRA INDIGNAÇÃO COM O DESCASO DO GOVERNO ESTADUAL

Nesta 4a. feira ocorreu mais uma atividade de rua onde os grevistas da UENF procuravam explicar à população de Campos dos Goytacazes, os motivos da greve que está ocorrendo neste momento na instituição criada por Darcy Ribeiro e Leonel Brizola a partir de uma demanda da população da cidade.

Como em outras vezes, a recepção da população foi extremamente positiva. No entanto, desta vez diversos populares se aproximaram para mostrar sua indignação com o governador Sérgio Cabral e apresentar uma solidariedade completa com o movimento dos servidores da UENF.

Este tipo de contato é que mostra o grande apoio que a UENF desfruta entre a população de Campos dos Goytacazes. Como já os grevistas já tiveram recepções semelhantes em manifestações realizadas em outras cidades, o desgaste político do governador Sérgio Cabral fica evidente.  Talvez se houvesse um mínimo de sensibilidade para com as universidades estaduais, e a UENF em especial, este tipo de ônus não estaria sendo colocado nas costas do governo estadual.

Mas, acima de tudo, o que este tipo de encontro com a população demonstra é o completo acerto da decisão de pressionar o governo do Rio de Janeiro de forma direta e ativa através da greve.





terça-feira, 2 de outubro de 2012

COMANDO DE GREVE DA ADUENF DIVULGA COMUNICADO SOBRE O PROCESSO DE VOTAÇÃO DA DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UERJ NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO DE JANEIRO


No dia 26/09, demos mais um passo na construção do caminho que certamente nos levará à obtenção da justa remuneração pelo regime de Dedicação Exclusiva; 65 %. Primeiramente gostaríamos de nos desculpar pela mudança de data da ida à Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ), pois certamente alguns que já tinham manifestado a sua vontade de ir, não conseguiram reagendar a suas obrigações para nos acompanhar na viagem, mas certamente não faltarão outras oportunidades.


Saímos para o Rio que na reunião do Colégio de Líderes permaneceria a rejeição pelo Executivo estadual das emendas que visavam ampliar o alcance do regime de Dedicação Exclusiva, bem como estender os ganhos da remuneração da D.E. para os professores da UENF. Tínhamos também a informação de que os deputados honrariam os seus compromissos e exerceriam uma forte pressão e argumentação a favor das emendas que beneficiariam os professores da UERJ e da UENF. Entretanto o poder executivo, representado na reunião do Colégio de Líderes pelos secretários de Planejamento e Gestão e da Casa Civil, não foi sensível ou solidário aos justos reclamos que as universidades, na voz dos deputados, estavam fazendo

Sabíamos também que apenas quatro ementas, que não causavam impacto orçamentário deveriam ser aprovadas. Entretanto, o justo reclamo à licença remunerada, com DE, pelos 48 meses do doutorado também não seria aprovada, nem a eliminação da ingerência do magnífico da UERJ no processo de seleção dos professores que seriam agraciados com o regime de D.E

Ao chegar à Alerj fomos recebidos pelo deputado Roberto Henriques (PSD), que lamentou o resultado da reunião do Colégio de Líderes, manifestou o seu voto favorável a luta da UENF e se prontificou a continuar ajudando ao processo. A Deputada Janira Rocha (PSOL) avaliou que agora era o momento da UENF, fato que os deputados Comte Bitencourt (PPS), presidente da Comissão de educação, Paulo Ramos (PDT), Robson Leite (PT) e Marcelo Freixo (PSOL) também manifestaram no interior do plenário

Na plenária, com as galerias cheias de professores e técnicos da UERJ, além da representação da UENF, foi aprovado o projeto de Lei de DE da UERJ, com as quatro modificações acertadas no colégio de líderes. Na continuação foram votadas, em separado, as emendas que os deputados mantiveram; Pagamento em uma vez, pagamento em duas vezes, incorporação da data base, eliminação do parágrafo 5 do artigo 3 que permitia a ingerência do Reitor o 22 % de reposição de perdas salariais, e a incorporação da UENF no projeto de Lei de DE da UERJ.

Como resultado do público presente, o líder do governo, cedeu ao pedido dos deputados no relativo à ementa supressiva, deixando o projeto de lei mais democrático e menos tendencioso à colocação de critérios exclusivistas para poder optar pelo regime de DE na UERJ. A platéia também influenciou no compromisso do líder no governo na abertura de negociação para a incorporação de 22 % ao salário atual dos servidores da UERJ. As outras emenda foram rejeitadas com votação 11 a 34, com exceção da nossa que perdeu de 18 a 26 o qual demonstra a sensibilidade dos Deputados com o nosso pleito.

Durante a votação da emenda “boi de piranha”, que incorporava a UENF no projeto de Lei da UERJ, vários deputados fizeram uso da palavra para solicitar a resolução da DE da UENF o mais rápido possível, segundo acordo feito em reunião da ADUENF com o presidente da casa, Deputado Paulo Melo (PMDB).


Longe de ser considerada uma derrota, a emenda “boi de piranha”, cumpriu o efeito desejado. Após a votação contatamos a Deputada Janira Rocha que, por vez contatou o Deputado Paulo Ramos, para marcar uma reunião nesta semana. Não sabemos se foi por efeito do compromisso do presidente da ALERJ, mas o Secretário de Planejamento, Sergio Rui, marcou uma reunião, por intermédio da Reitoria, para o dia 05 de Outubro, sexta próxima, para tratar a pauta de reivindicações da UENF. Para deixar nossos pleitos claros para a SEPLAG, já reenviamos a nossa pauta corrigida, com a incorporação dos 65 % ao nosso salário base, como pagamento pela Dedicação Exclusiva

Após um mês e meio de greve, estamos onde queríamos estar, discutindo com o secretário de Planejamento após a definição, pelo próprio poder executivo, de quanto deve ser pago pela Dedicação exclusiva dos professores.  Entendemos que o pagamento de 65 % para a UERJ significa a remuneração a ser paga para qualquer categoria que labore sub esse regime de trabalho

Agora mais do que nunca depende da gente! Por isso, estamos exortando, mais uma vez, à incorporação massiva das tarefas apontadas pelo comando de greve! O resultado final dependerá, como sempre dependeu, do trabalho que tenhamos a capacidade de fazer e da força que consigamos exercer!  Vamos participar da assembleia desta 3ª. feira de forma ativa, fazer uma bela panfletagem na quarta, e enviar de e-mails na quinta. Dessa forma, poderemos discutir com o secretário Sergio Ruy, como vamos a chegar aos 600 professores descritos na implementação da UENF, como vai respeitar o nosso orçamento, como o investimento na UENF tornasse de capital importância para o estado e para o desenvolvimento da região. TUDO ISSO POR CONSIDERARMOS QUE OS 65% JÁ SÃO NOSSOS POR DIREITO.

COMANDO DE GREVE