segunda-feira, 31 de março de 2014

Jornal do Brasil publica matéria sobre greve na UENF

Uenf: professores em greve vão se reunir com Comissão de Educação da Alerj


Os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), em Campos, decidiram manter a greve que já dura 18 dias. Nesta quarta-feira (2/4) os grevistas vão se reunir com a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O movimento teve a adesão de mais de 150 servidores da instituição, que revindicam a reposição de 86,7% das perdas salariais referentes ao período entre os anos de 1999 e 2013, além do pagamento de 65% pelo regime de Dedicação Exclusiva (DE). 

A Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia propôs na semana passada um reajuste de 35% para os professores, que seria pago em duas parcelas, a primeira ainda este ano e outra em 2015, mas a oferta foi rejeitada pelos grevistas. Servidores Fenorte também aderiram à greve, revindicando reposição salarial de 63,3%, pelas perdas inflacionárias dos últimos oito anos, reajuste dos auxílios creche e alimentação.

De acordo com o presidente da Associação de Docentes da Uenf (Aduenf), Luis Passoni, as revindicações dos servidores são as mesmas há mais de três anos, mas o governo do Estado não se posicionou até o momento. Passoni disse que a proposta de 35% do governo para a categoria foi apresentada apenas verbalmente, mas fica muito aquém do solicitado pelos docentes. "Para os professores da Uerj o governo destinou 65% referentes à Dedicação Exclusiva, enquanto que os profissionais da Uenf não recebem nenhum benefício. Então, tomamos como base o que já é pago para a outra universidade estadual", explicou Passoni.

A abertura do Restaurante Universitário, mais conhecido como bandejão, é outro ponto da reivindicação. Segundo Passoni, as obras de construção do restaurante começaram em 2008 e recebeu um investimento de cerca de R$ 10 milhões. Com a falência da empreiteira responsável em 2011, as obras seguiram a passos lentos, tiveram várias interrupções e só foram concluídas em 2013. No entanto, o mobiliário e os artefatos de cozinha não foram incluídos nesse orçamento. O governo do Estado liberou recentemente mais R$ 700 mil para equipar e decorar o restaurante. "O governo apenas anunciou a liberação dessa verba, mas ainda teremos o período para licitação e todo o trâmite burocrático. Ou seja, não há previsão de abertura", ressaltou Passoni.

O presidente da Aduenf lembrou ainda que a alimentação que será servida no restaurante é outra questão ainda indefinida. Ele contou que a reitoria da Uenf pode entregar esse serviço à iniciativa privada, mas nenhum comunicado foi emitido. Charge de Diogo Almeida publicada no jornal da Aduenf no ano passado, que remete ao abandono da universidade



Com cerca de 5 mil estudantes, a Uenf alcançou a 12ª colocação no Índice Geral de Cursos (IGC) do Ministério da Educação, que serve para avaliar universidades nacionais. Assim, foi considerada uma das melhores universidades do país. No ano passado, servidores da Uenf denunciaram um suposto esquema de usos indevidos de verbas públicas por funcionários da instituição e reclamaram do sucateamento da universidade, destacando a construção do bandejão e os baixos salários.

Comando de Greve da ADUENF divulga atividades da semana

COMUNICADO NÚMERO 3 DO COMANDO DE GREVE DA ADUENF

Nosso movimento continua forte. Com a participação de todos nossas chances são muito maiores. 

Vejam o que temos para esta semana e participem, ainda há 3 vagas para a van que vai ao Rio na quarta feira. Sairemos de Campos às 05:00h da manhã e do Rio, na volta, às 18:00h.

02/04, quarta feira, Ida de delegação ao Rio de Janeiro, visita à ALERJ.

03/04, quinta-feira, Panfletagem musical na Pelinca, esquina dos bancos, às 17:30h.

04/04, sexta-feira, Ato Cívico para avaliação e reafirmação da greve, Sede Cultural da ADUENF, 15:00h.


Participe e apoie a luta em defesa da UENF!


COMANDO DE GREVE DA ADUENF

domingo, 30 de março de 2014

Clarissa Garotinho critica Sérgio Cabral e apoia greve na UENF

Deputada Clarissa critica o descaso de Cabral com servidores

 Mauro Pimentel / Divulgação - ALERJ

Deputada Clarissa Garotinho criticou duramente Sérgio Cabral pelas promessas não cumpridas aos professores da Uenf

Paulo Renato Pinto Porto

A deputada estadual Clarissa Garotinho (PR) criticou o descaso do governador Sérgio Cabral (PMDB) para com os professores e técnicos do corpo administrativo da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). Os profissionais da instituição estão em greve. "Como um dos membros da Comissão da Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) tenho acompanhado a luta dos professores por melhores salários. Há quase três anos que o governador vem enrolando os profissionais da Uenf. No final do ano passado, o governo prometeu e o presidente da Alerj (deputado Paulo Mello) anunciou que enviaria a mensagem para ser discutida e votada em fevereiro. Num ano eleitoral como esse, se essa matéria não for votada agora ficará prejudicada e somente voltará a ser apreciada no ano que vem", ressaltou. 

Clarissa declarou também estar preocupada com a migração de professores para outras universidades e teme pela queda dos índices da Uenf no ranking das melhores instituições de ensino superior do País. "A Uenf está entre as melhores universidades do Brasil, duas vezes premiada pelo CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), que conta em seus quadros com professores altamente qualificados, mestres e doutores, mas que hoje vive uma situação bastante preocupante. Tanto é verdade que hoje quando abre um concurso não consegue preencher as vagas de professor porque os profissionais são afugentados para outras universidades", analisou ainda. "Ao pensarmos no fortalecimento da Uenf é preciso pensar na valorização do corpo docente e o corpo técnico para que eles sejam valorizados, com a reposição de suas perdas salariais, e tenham melhores condições de trabalho", acrescentou Clarissa.

Quanto à Fundação Estadual do Norte Fluminense (Fenorte), cujos profissionais também acabam de entrar em greve, a deputada se manifestou contra a sua extinção e defende que o órgão tenha seu papel estrategicamente redesenhado. "Sou contra a extinção da Fenorte como alguns querem, mas favorável à flexibilização da legislação para que aqueles profissionais mais dedicados à pesquisa possam atuar junto à universidade, que necessita desses quadros".
 

sábado, 29 de março de 2014

Presidente da Comissão da Educação da ALERJ se manifesta em defesa da greve na UENF e na FENORTE

O deputado Comte Bittencourt (PPS), presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro fez no dia 27.03.2014 um pronunciamento de apoio à greves que ocorrem na UENF e na FENORTE. Abaixo segue o vídeo com a totalidade deste pronunciamento!
 
Unidos somo muito mais fortes!

sexta-feira, 28 de março de 2014

Greve na UENF foi noticiada hoje no Jornal O GLOBO

Greve de professores evidencia crise na Uenf, em Campos

Docentes usam laranja em referência à recente paralisação dos garis. Instituição é a melhor universidade do Estado do Rio, segundo MEC

O GLOBO



Em assembleia da greve, professores se vestem de laranja, em homenagem aos garis da Comlurb Reprodução


RIO - Cerca de 120 professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), que estão em greve desde o último dia 13 de março, decidiram manter a paralisação. Os servidores da instituição, em Campos, também aderiram ao movimento. Com algo em torno de 5 mil estudantes, a Uenf é a universidade com a melhor pontuação no Índice Geral de Cursos (IGC), usado pelo Ministério da Educação para avaliar faculdades do Brasil. A instituição é a 12ª melhor do país.

Dentre as reivindicações dos docentes, estão a reposição de 86,7% das perdas salariais, relativas ao período entre 1999 e 2013, e o pagamento de 65% pelo regime de Dedicação Exclusiva (DE). Na semana passada, a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia apresentou proposta de reajuste de 35% para todos os professores. O aumento seria pago em duas parcelas, uma neste ano e outra em 2015. No entanto, a oferta foi rejeitada pelos grevistas. Os professores também pressionam pela abertura do restaurante universitário. Essa demanda já foi parcialmente atendida pelo governo estadual, que repassou R$ 700 mil para compra de materiais e equipamentos.

No site da Associação de Docentes da Uenf (Aduenf), a categoria afirma que esta é a maior paralisação desde o ano 2000. De acordo com os professores, a pauta de reivindicações já é de conhecimento do governo estadual há pelo menos três anos.

Dias depois da greve dos professores, os servidores e técnicos-administrativos da Fenorte também aderiram à paralisação. Eles reivindicam reposição salarial de 63,3%, que seriam devido a perdas inflacionárias dos últimos oito anos. A pauta também inclui redefinição do estatuto e reajuste do Auxílio-creche e Auxílio-alimentação.

Em todos os atos, os docentes se vestem com um pano laranja, o que segundo eles, em homenagem aos garis da Comlurb, que conquistaram grande parte de suas demandas após uma greve deflagrada no Carnaval.


FONTE:
http://oglobo.globo.com/educacao/greve-de-professores-evidencia-crise-na-uenf-em-campos-12014029#ixzz2xHZ7gxzf

quinta-feira, 27 de março de 2014

Em assembléia, professores decidem de forma unânime pela manutenção da greve e aprovam medidas para ampliar a unidade dentro do campus da UENF

Os professores acabam de encerrar uma assembleia na tarde desta quinta-feira (27/03) onde decidiram de forma unânime pela manutenção da greve iniciada em 13/03. Além disso, os professores aprovaram uma série de medidas para aumentar a articulação com estudantes e servidores, incluindo ainda o pessoal da FENORTE que se encontra em greve.  No caso específico da FENORTE, os professores aprovaram também por unanimidade uma moção de solidariedade aos servidores que estão sob ameaça de corte de ponto por estarem lutando por uma reposição salarial que não ocorre para este grupo desde 2006.
 
Um ponto pacífico nas diferentes falas que ocorreram durante a assembleia é que a atual greve está sendo a mais forte desde aquela que ocorreu em 2000 para assegurar a autonomia universitária da UENF. Além disso, o Comando de Greve ressaltou a boa receptividade que a população está dando aos professores nos diferentes eventos de panfletagem, tanto em Campos dos Goytacazes como na cidade do Rio de Janeiro.
 
Outro aspecto que foi ressaltado é a boa interlocução com as comissão de Educação e Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ) que são presididas, respectivamente, pelos deputados Comte Bittencourt (PPS) e Jânio Mendes (PDT). Além disso, as repetidas visitas à ALERJ já tornaram mais do que conhecidas as duas pautas básicas dos professores que são a reposição de 86,7% das perdas salariais e a remuneração de 65% do regime de Dedicação Exclusiva que é cumprida por todos os docentes da UENF.
 
Agora caberá ao governo do Rio de Janeiro sair da posição de intransigência em que se encontra e abrir imediatamente um mecanismo de negociação com o Comando de Greve da ADUENF.
 


 
 

Professores em greve promovem panfletagem musical e recebem amplo apoio da população

No dia de ontem (26/03) enquanto uma delegação visita secretarias de estado e a ALERJ, um grupo de professores em greve levou a pauta da UENF para as ruas de Campos dos Goytacazes de forma inovadora e que ganhou amplo apoio dos transeuntes que passavam pela Avenida Pelinca.

Na palavra de um dos participantes desta panfletagem musical, a pauta dos professores foi parar literalmente na boca do povo.

As imagens abaixo mostram que com um pauta clara e usando toda a sua criatividade professores/pesquisadores, os docentes da UENF estão deixando cada vez mais claro para a população porque foram obrigados a lançar mão do instrumento da greve para serem ouvidos pelo governo do Rio de Janeiro.

E a pauta desta greve é conhecido do governo Cabral há mais de 3 anos: reposição de perdas salariais (86,7%) e remuneração do regime de Dedicação Exclusiva (65%).






quarta-feira, 26 de março de 2014

Comunidade da UENF realiza atividades de greve no Rio de Janeiro e comando de greve se reúne com representante da SECT

Nesta 4a. feira (26/03) uma delegação composta por professores, servidores e estudantes da UENF e servidores da FENORTE realizaram uma série de atividades na cidade do Rio de Janeiro, envolvendo panfletagens na SEPLAG e na SECT, e visita a todos os gabinetes de deputados estaduais na ALERJ. A delegação também participou de uma audiência pública onde estavam sendo discutidos os resultados do Plano Estadual de Educação.

Essas visita possibilitou a realização de uma série de encontros diretos com deputados e assessorias parlamentares na qual a maioria dos parlamentares expressou seu apoio ao atendimento das demandas da comunidade da UENF.

Um encontro especialmente importante ocorreu quando dois membros do Comando de Greve da ADUENF foram recebidos pelo professor aposentado da UENF, Nilton Rocha Leal, que hoje presta assessoria na SECT. Nesta reunião foi apresentada a posição de rejeição à proposta informalmente divulgada pelo secretário Gustavo Tutuca de oferecer apenas 35% de reposição em duas parcelas. Nessa mesma situação foi informada a posição da ADUENF que é de 86,7% de reposição de perdas salariais e 65% como remuneração pelo regime de Dedicação Exclusiva que é cumprida por todos os professores da UENF.

A partir desta visita ficou claro que há um forte apoio às demandas da UENF dentro da ALERJ e que cabe agora ao governo do Rio de Janeiro enviar sua proposta para resolver as questões que causaram o atual movimento grevista.





Deputado Marcelo Freixo grava mensagem de apoio à greve na UENF

O deputado Marcelo Freixo (PSOL), membro da Comissão de Educação da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, é um aliado constante na luta pela defesa das universidades estaduais do Rio de Janeiro. No dia de hoje (26/03), após visita de uma delegação composta por professores, servidores e estudantes, Marcelo Freixo gravou uma mensagem de apoio à greve que ocorre neste momento na Universidade Estadual do Norte Fluminense.

Abaixo segue a mensagem de Marcelo Freixo à greve geral que une hoje professores, estudantes e servidores da UENF na luta por melhores condições de funcionamento, salários dignos e assistência estudantil.





terça-feira, 25 de março de 2014

Abraço ao bandejão une todas as categorias em greve na UENF

O ato convocado pelo DCE para inaugurar simbolicamente o restaurante universitário da UENF uniu todos os segmentos que compõem a comunidade universitária. Animados por uma banda de música formada por professores, os presentes no ato formaram a primeira fila de muitas que ainda virão, tão logo seja garantida a abertura do bandejão.

Há que se lembrar que graças ao movimento de greve iniciado pelos estudantes, e que tem a abertura do bandejão como um dos seus pontos de pauta, o governo do Rio de Janeiro já liberou R$ 700 mil que deverão permitir a compra do restante dos equipamentos que ainda não foram adquiridos.

Após este ato unitário, agora os três segmentos que estão em greve na UENF vão se preparar para participar nesta quarta-feira (26/03) de uma audiência pública na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, onde a situação da universidade deverá ser discutida.

Abaixo algumas imagens deste ato de unidade que estudantes, servidores e professores da UENF!






ADUENF lança novo outdoor para cobrar soluções para a greve na UENF

A ADUENF acaba de lançar uma nova quantidade de outdoors que estão distribuídos pelos principais pontos de circulação na cidade de Campos dos Goytacazes demandando soluções por parte do governo do Rio de Janeiro para a grave crise salarial que coloca hoje seus professores e servidores em greve.

Abaixo um desses outdoors que foi colocado na movimentada Avenida 28 de Março, uma das principais vias de ligação entre as partes norte e sul da cidade de Campos.



Jornal Terceira Via: Uenf: professores, servidores da Fenorte e técnicos continuam parados

Não há uma previsão para o término da greve

Após nove dias, continua a greve dos servidores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

O ato teve início em uma assembleia no último dia 12, que contou com a presença de mais de 120 professores, que aprovaram, por unanimidade, o início da paralisação por tempo indeterminado na Universidade. No ano passado, os professores ficaram quase três meses em paralisação.

A categoria exige 86,7% de reposição de perdas salariais e o pagamento de 65% para remuneração do regime de Dedicação Exclusiva.

Servidores da Fenorte também aderiram à greve dias depois. Eles reivindicam reposição salarial de 63,3% pelas perdas inflacionárias dos últimos oito anos, redefinição do estatuto, revitalização da Fenorte, reajuste do Auxílio-creche e Auxílio-alimentação.

Os técnicos administrativos da Uenf também aderiram a paralisação. A categoria rejeitou a orientação da diretoria geral do Sintuperj que não queria a deflagração do movimento.

A pauta aprovada pelos servidores técnicos inclui a correção da chamada “distorção” para determinados níveis da carreira técnica e a reposição de perdas salariais de 86,7%, tal como já demandam os professores.  

FONTE: http://www.jornalterceiravia.com.br/noticias/campos_dos_goytacazes/44561/uenf:_professores,_servidores_da_fenorte_e_tecnicos_continuam_parados

segunda-feira, 24 de março de 2014

Deputados estaduais visitam campus Leonel Brizola para declarar apoio aos grevistas da UENF e da FENORTE

A manhã desta 2a. feira (24/03) no campus da UENF em Campos dos Goytacazes foi marcada pela visita dos deputados estaduais Jânio Mendes e Clarissa Garotinho que, atendendo convite feito pela ADUENF, vieram ver de perto a situação da greve e declarar seu apoio ao movimento.

O deputado Jânio Mendes (PDT), que preside a Comissão de Ciência e Tecnologia, e a deputada Clarissa Garotinho, que compõe a Comissão de Educação, se manifestaram a dezenas de servidores da UENF e da FENORTE sobre seu apoio e compromisso com soluções efetivas para as demandas existentes.

Após se encontrar com os grevistas, o deputado Jânio Mendes ainda manteve um encontro na sede da ADUENF com membros dos comandos dos servidores e dos docentes da UENF, onde pode ouvir de forma mais elaborada os graves problemas que hoje afetam o funcionamento básico da instituição.


Ambos os deputados afirmaram que estarão na audiência pública que ocorrerá na ALERJ na próxima 4a. feira (26/03) para oferecer um relato do que ouviram hoje no campus Leonel Brizola. Essa é uma razão a mais para engrossar a delegação que sairá de Campos dos Goytacazes para participar desta importante audiência.


Abaixo algumas imagens desse momento de unificação dos servidores e professores da UENF com seus colegas da FENORTE por melhores condições de trabalho e salários dignos.

Avançar a unidade é nossa obrigação!







sábado, 22 de março de 2014

COMANDO DIVULGA ATIVIDADES DA GREVE NA UENF

UENF EM GREVE!



Participe das Atividades da Semana 24 a 28 de março


. “Abrace o Bandejão” – Atividades Culturais Distribuição de cachorro-quente – Debates sobre a situação da UENF – Bandejão da UENF - terça-feira – 16 hs.

. Ida a ALERJ (Rio de janeiro) para participar de reunião com a Comissão de Educação – Saída da UENF - quarta-feira 05 hs.

. Assembleia Geral dos Professores – Sede Cultural da ADUENF - quinta-feira às 15 hs.


Comando de Greve

sexta-feira, 21 de março de 2014

COMANDO DE GREVE CONVOCA PANFLETAGEM NA AVENIDA PELINCA


O Comando de Greve informa a todos que estará realizando hoje (21/03) uma panfletagem na Avenida Pelinca a partir das 16 horas! O ponto de encontro será a esquina  onde ficam localizadas agências do Banco do Brasil e do Banco Itaú

Participe e apoie a luta dos professores da UENF!

COMANDO DE GREVE

quinta-feira, 20 de março de 2014

Comando de Greve emite comunicado suspendendo atividades não-essenciais


O Comando de Greve da ADUENF, em reunião no dia de hoje, 20 de março de 2014, decidiu que a partir da presente data não serão mais autorizadas defesas de projetos de dissertação, nem reuniões ordinárias de Laboratórios e Conselhos de Centro. 

Essa decisão foi motivada pelo fato de que se trata de atividades acadêmicas não essenciais e que o calendário acadêmico está suspenso até o final da greve.  

  
COMANDO DE GREVE


Comunicado do Comando de Greve da ADUENF


ATENÇÃO COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA


Ontem, 4ª feira, fatos importantes ocorreram para o nosso movimento. Pela manhã, o Presidente da ADUENF, Prof. Luis Passoni, juntamente com a Profa. Telma Pereira (Representante do CCTA no Conselho da ADUENF), estiveram reunidos na Reitoria com os subsecretários da SECTI (Alexandre Vieira e Gabriel Carvalho), que vieram transmitir a proposta do Governo para a concessão de um reajuste salarial para os docentes da UENF. Nesta reunião, foi informado que a proposta do Governo é um reajuste de 35% parcelado em duas vezes, uma em 2014 e outra em 2015, sem nenhuma garantia de haver retroatividade. Um fato novo que ocorreu nesta reunião, e que julgamos auspicioso, é que o encaminhamento dessa proposta não implica em flexibilização da DE. Os secretários mencionaram, inclusive, que a proposta de flexibilização da DE nunca partiu do Governo.

Na parte da tarde, um grupo de professores da UENF se dirigiu à Escola Técnica João Barcellos Martins (FAETEC), na tentativa de serem recebidos pelo Secretário de Ciência Tecnologia e Inovação, Gustavo Tutuca, que ali estava para inaugurar uma obra. Devido a um forte aparato de proteção, esses professores não puderam encontrar o Secretário, permanecendo do lado de fora da Escola numa manifestação pacífica. Ao retornarem à UENF, entretanto, tiveram a notícia de que o Sr. Gustavo Tutuca estava no campus da UENF, em visita ao Restaurante Universitário. O Presidente da ADUENF, juntamente com mais dois professores, encaminhou-se até lá, onde pôde encontrar-se com o secretário e seus assessores. Nesta rápida conversa, o Sr. Tutuca reiterou a proposta informada de manhã, enfatizando, no entanto, que, para haver o envio do projeto de lei à ALERJ, há necessidade da saída imediata da greve. Diante disso, o Presidente da ADUENF manifestou sua preocupação, lembrando que esta situação já ocorreu em 2012, não tendo nenhum resultado naquela ocasião.

Paralelamente a esses acontecimentos ocorridos na cidade de Campos, uma comissão de docentes da UENF esteve visitando a ALERJ durante todo o dia de ontem. Lá, foram muito bem recebidos e presenciaram inúmeras manifestações de apoio e solidariedade por parte dos parlamentares ao nosso movimento grevista, que inclusive externaram isto em seus discursos na Tribuna. 

À tarde, a Deputada Janira Rocha informou ao Prof. Passoni ter conseguido agendar um encontro deste com o Presidente da ALERJ, Deputado Paulo Mello, para o dia de hoje, 20 de março de 2014 às 14 hs, na cidade do Rio de Janeiro, para onde o Prof. Passoni se dirigiu pela manhã.

Além disso, foi confirmada a realização de uma Audiência Pública da Comissão Permanente de Educação da ALERJ na próxima quarta-feira, dia 26 de março, na sala 316 do Palácio Tiradentes, na qual será abordado o tema: “Análise do Plano Estadual de Educação: Metas cumpridas e não cumpridas”. Para esta Audiência será agendado um ônibus que partirá de Campos para o Rio com o maior número de professores e alunos que for possível.

Foi também solicitada por um membro da Comissão de Ciência e Tecnologia da ALERJ uma visita a UENF amanhã, sexta-feira, 21 de março, a ser confirmada.

Comando de Greve

quarta-feira, 19 de março de 2014

UENF e FENORTE em greve vão para as ruas para exigir negociação do governo do Rio de Janeiro

A manhã desta quarta-feira (19/03) assistiu a um momento de unidade entre professores e estudantes da UENF e servidores da FENORTE que se encontram em greve. Ao saber da visita do secretário de Ciência e Tecnologia, Gustavo Tutuca, à Escola Técnica Barcelos Martins, membros dessas duas categorias se organizaram e foram para a avenida para apresentar suas demandas e exigir negociação.

A situação chegou a ficar tensa quando seguranças terceirizados que prestam serviços na Barcelos Martins impediram de forma truculenta a entrada dos manifestantes nas dependências daquela unidade da FAETEC, o que fez com os manifestantes fossem para a frente do prédio onde se manifestaram e ganharam apoio dos estudantes.

A força dessa manifestação acabou obrigando o secretário Gustavo Tutuca a abandonar a Escola Técnica Barcelos Martins e a se dirigir para o campus da UENF, onde acabou se encontrando com membros do Comando de Greve da ADUENF.

Agora trata-se de reforçar a unidade das categorias em greve para forçar a concessão de demandas que são justas e demandam o fim da enrolação por parte do governo do Rio de Janeiro!


Delegação de estudantes e professores se reúne com deputados que vestem o boné da greve

Uma delegação composta por estudantes e professores da UENF esteve hoje (19/03) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro para explicar os motivos da greve que os dois segmentos realizam neste momento.
 
A partir dos contatos realizados algumas cenas memoráveis ocorreram com diversos deputados indo discursar em plenário usando o boné laranja que o Comando de Greve da ADUENF confeccionou para os professores usarem nas manifestações. Além disso, o deputado Roberto Henriques que presidia a sessão desta tarde colocou o boné na mesa diretora da ALERJ.
 
Essa visita assegurou a realização de uma reunião do Comando de Greve da ADUENF com o presidente da ALERJ para amanhã (20/03).
 
Abaixo imagens que explicitam claramente a força que a greve ocorrendo na UENF está alcançando! Unidos nós vamos conquistar as demandas que pautam estudantes e professores neste movimento que já se apresenta como marcante na história da UENF!




Delegação de estudantes e professores será recebida hoje pelo presidente da ALERJ

 
Uma delegação composta por estudantes e professores da UENF está hoje na cidade do Rio de Janeiro, e já conseguiu garantir um primeiro momento de negociação na greve que as duas categorias estão realizando neste momento. Em função de contatos realizados por esta delegação foi agendada uma reunião com o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Paulo Melo, para as 14:00 horas desta 4a. feira (19/03).
 
Esta reunião poderá inaugurar um processo de negociação em torno das pautas formuladas pelo movimento estudantil e pelo docente. Isso mostra que a unidade é o único caminho para arrancar conquistas que estão há muito tempo sendo negadas pelo governo do Rio de Janeiro!
 
Maiores informações sobre o que acontecer na reunião será postadas aqui mesmo até o final da tarde.
 
 
COMANDO DE GREVE DA ADUENF

Comando de Greve convoca "flash mob" para recepcionar secretário Gustavo Tutuca na Escola Técnica Barcelos Martins

 
 
Segundo a imprensa local, o Secretário Estadual de Ciência e Tecnologia, Gustavo Tutuca, estará na Escola Técnica Barcelos Martins às 13:00h do dia de hoje (19/03).

Vamos recebê-lo com a devida deferência. A concentração para a recepção ao secretário Gustavo Tutuca começará às 12:45h na Sede Cultural da ADUENF, e após haverá uma passeata até a Escola Técnica Barcelos Martins às 13:00h.
 
UENF na rua, Cabral e Tutuca, a culpa é de vocês!

Comando de Greve da ADUENF

terça-feira, 18 de março de 2014

ADUENF lança colete laranja para simbolizar a greve dos professores

O Comando de Greve da ADUENF começou a distribuir hoje coletes na cor laranja para disseminar o movimento que está ocorrendo na Universidade Estadual do Norte Fluminense em função do descaso e da intransigência do governo Sérgio Cabral no tocante às demandas por reposição de perdas salariais e pagamento do regime de Dedicação Exclusiva.

Abaixo vai imagem do presidente da ADUENF, Prof. Luís Passoni, mostrando um dos coletes que serão usados pelos professores em todas as manifestações públicas que ocorrerão ao longo do movimento de greve.


Há que se lembrar que a cor laranja foi adotada pelo movimento de greve dos professores em homenagem à vitoriosa greve realizada pelos garis da cidade do Rio de Janeiro. É que na luta dos trabalhadores todos estamos unidos, independente da categoria que compomos.

UENF na rua, Cabral a culpa é tua!

sexta-feira, 14 de março de 2014

Docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro enviam moção de solidariedade à greve da UENF



Moção de apoio à greve dos docentes da UENF

            A diretoria da Associação dos Docentes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro- ADUR-RJ- vem por meio desta declarar total apoio e compromisso com a greve instalada pelos docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense- UENF, na última quarta-feira, dia 12 de março.

            Aprovada por unanimidade em assembleia, a greve é fruto do descaso demonstrado pelo governo do estado. Ela retoma a pauta de reivindicação defendida há 3 anos pelo movimento, mas que permanece ignorada. No final de 2012, a categoria suspendeu a última greve quando o governador Sérgio Cabral se comprometeu a solucionar a defasagem salarial que atinge os professores da UENF. Diante da inércia do governo, a ADUENF passou o ano de 2013 buscando os canais oficiais de negociação e, apesar das novas promessas e do reconhecimento por membros do governo da justeza da pauta, nenhuma atitude foi tomada. O governo do estado reproduz o que indica ser o modus operandi da política institucional brasileira: desdém pelas reivindicações dos trabalhadores e profundo descaso pelos profissionais da educação pública- professores e técnicos do ensino fundamental, médio e superior nos níveis federal e estadual. As recentes greves do funcionalismo público da Educação deixam clara tal realidade.

            A universidade, que em 2013 ocupou lugar de melhor universidade do Rio de Janeiro e a décima-segunda do Brasil segundo o Índice Geral de Cursos (IGC), vê sua excelência ameaçada pelo projeto de desmantelamento da educação pública. Este projeto incluiu a flexibilização da dedicação exclusiva e o progressivo empobrecimento da condição dos professores, que sofrem com seus salários congelados.

            A Diretoria da ADUR demonstra publicamente seu total apoio à luta  perseverante dos professores da UENF.






Presidente da ADUENF é entrevistado na Rádio Continental para explicar as razões da greve dos professores da UENF


O presidente da ADUENF, Prof. Luís Passoni, participou hoje de uma entrevista no Programa "Panorama Continental" que é comandado diariamente pelo radialista Cláudio Nogueira da Rádio Continental 1270 AM em Campos dos Goytacazes.

Em resposta a uma série de questões que visavam esclarecer porquê os professores decidiram por unanimidade iniciar o processo de greve, Cláudio Nogueira solicitou e foi atendido no sentido de que o Comando de Greve compareça todas as 5as. feiras para prestar informações sobre o andamento do movimento.

Como bem pontuou Cláudio Nogueira, a questão crucial dessa greve é garantir o pagamento de salários compatíveis com o que está sendo pago pelas universidades públicas, de modo que não sejam oferecidas aulas, mas aulas de alta qualidade. Em resposta a esta questão, o Prof. Passoni deixou claro que os professores não queriam iniciar a greve, mas foram forçados a fazer isto pela absoluta falta de respostas por parte do governo de Sérgio Cabral.

Em suma, o causador dessa greve é governo do Rio de Janeiro que tratou com completo descaso a demanda dos professores da UENF. 

O DIÁRIO: Greve na Uenf com 100% de adesão


Divulgação Aduenf
Clique na foto para ampliá-la
Mobilização. Professores buscam apoio popular nas ruas
Logo no primeiro dia de greve, a adesão dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) foi de 100%. A informação é do presidente da Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf), Luís Passoni. Na tarde desta quinta-feira, um grupo de mais de 20 professores da instituição realizou panfletagem no Centro de Campos explicando à população que a paralisação por tempo indeterminado se deu devido ao descaso do Governo do Estado.

Segundo Passoni, as pessoas pararam para ouvir os discursos dos professores e apoiaram a luta dos docentes por melhores salários. "As pessoas compartilharam a nossa indignação ao saberem que o Rio de Janeiro é o estado que paga os piores salários a seus servidores", comentou.

Passoni lembrou que o Governo do Estado prometeu no ano passado encaminhar à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) uma proposta de reajuste salarial da categoria. "Só que até hoje não apresentou a proposta. Então vamos ficar de braços cruzados até que o estado se pronuncie", comentou.

Ainda segundo Passoni, o piso salarial dos docentes de Dedicação Exclusiva (DE) da Uenf é de R$ 6,7 mil, enquanto nas instituições federais é de R$ 8,6 mil. "O salário dos professores de DE da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) é 15% maior que o nosso. Esperávamos reajuste em janeiro para que houvesse a equiparação, mas isso não aconteceu. Na verdade, quem ganhou reajuste foram eles e hoje esta diferença é ainda maior", criticou.

FONTE: http://www.odiariodecampos.com.br/greve-na-uenf-com-100-porcento-de-adesao-9691.html

quinta-feira, 13 de março de 2014

Professores vão ao centro de Campos divulgar a greve e são recebidos calorosamente pela população

Um grupo de mais de 20 professores da UENF este na tarde desta 5a. feira (13/03) discursando e entregando panfletos para explicar a greve que começou no dia de hoje. 

Em muitos momentos os populares pararam para deixar claro o apoio à luta dos professores em defesa de seus salários. Além disso, compartilharam a sua indignação com o governo Cabral, ao saber que o Rio de Janeiro é o estado que hoje paga os piores salários aos seus servidores e que menos investe na saúde.

O interesse foi tanto que a quantidade inicial de panfletos se esgotou em poucos minutos, obrigando a reprodução de uma quantidade maior para entregar a todos os que se interessavam em saber os motivos da greve.

Este tipo de apoio genuíno motivou ainda mais os professores que estavam presentes na atividade. Abaixo algumas imagens desta exitosa atividade que marca o início das manifestações públicas dos professores nesta greve que só irá terminar quando as questões que a causaram foram resolvidas.




Professor da UFF envia charge de apoio à greve dos professores da UENF


O doutor em Ciência Política, Márcio José Melo Malta, professor adjunto de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (UFF/Campos) e pesquisador do Laboratório de Estudos em Política Internacional (Lepin/Uff), é também um cartunista de mão cheia, sendo conhecido pelo pseudônimo artístico de Nico.

Tendo tomado conhecimento do início da greve por tempo indeterminado dos professores da UENF, o Prof. Malta acaba de enviar um trabalho para expressar seu amplo apoio ao movimento.


É esse tipo de solidariedade criativa que vamos precisamos para avançar na luta para dobrar a intransigência do governo do Rio de Janeiro.

Ao professor Márcio Malta, o nosso sincero agradecimento!