quinta-feira, 31 de março de 2016

O Diário: Animais pesquisados pela Uenf podem ser sacrificados

Dívida avaliada em R$ 71 mil com empresas responsáveis pelo fornecimento de ração












Uma dívida avaliada em R$ 71 mil com empresas responsáveis pelo fornecimento de ração pode provocar o sacrifício de animais na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), em Campos. Segundo a médica veterinária Adriana Jardim Almeida, professora do Laboratório de Clínica e Cirurgia Animal, o repasse da verba não é feito pelo Governo do Estado desde outubro de 2015. “Até então, a empresa vinha arcando com os custos. No entanto, para este mês de abril, ela já avisou que não fará mais a entrega. Temos ração suficiente para segurar um mês. Depois disso, não sabemos o que vai acontecer. Cogitamos assumir a compra, mas também não seria possível, afinal, estamos sem pagamento. Para agravar ainda mais a situação, o fornecimento de água também está ameaçado. Tudo leva a uma condição extrema, nesse caso, o sacrifício dos animais”, lamentou.

Em seu setor, Adriana lida com 95 animais. Ela afirmou que caso uma solução não seja adotada, a universidade perderá anos de experimentos e investimento.

De acordo com o reitor da Uenf, Luís Passoni, desde 2015 a universidade vem recebendo várias notificações destes fornecedores, até que se chegasse à dívida acumulada. “Na tentativa de buscar respostas, a reitoria esteve com deputados, na capital, na última quarta-feira (30). De lá pra cá, me mostro otimista. Tem gente trabalhando para equalizar essa a situação. A expectativa é de que alguma verba seja repassada nos próximos dias”, disse, mesmo não tendo previsão de data e valor.

FONTE: http://www.diarionf.com/noticia-2462/animais-pesquisados-pela-uenf-podem-ser-sacrificados

Novo vídeo da série "A Uenf em risco e suas pesquisas em perigo". Depoimento da professora Virginia Silva Carvalho sobre o banco de germoplasmas

A ADUENF começou hoje a produção de uma série de vídeos onde professores da Uenf falam de suas pesquisas e do risco de perda que o material acumulado ao longo de anos de trabalho está sob grave risco neste momento.

O segundo vídeo desta série traz o depoimento da Professora Virginia Silva Carvalho, do Setor de Propagação de Plantas e Cultura de Tecidos Vegetais do Laboratório de Fitotecnia do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA).

Um dos exemplos que são citados pela Professora Virginia Carvalho se refere ao risco irreparável que seria causado pela perda, por falta de abastecimento de água e eletricidade, de um rico material genético acumulado de mais de 30 variedades de batata doce que foram coletados nos últimos 10 anos nas região Norte e Noroeste Fluminense.



Confira abaixo o depoimento da Professora Virginia Silva Carvalho.


ADUENF inicia série de depoimentos sobre os impactos da crise financeira nas pesquisas realizadas na UENF

A partir de hoje a Associação de Docentes da UENF inicia uma série com vídeos mostrando a situação crítica que está sendo imposta sobre pesquisas em curso na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) por causa da falta da liberação de recursos financeiros por parte do governo do Rio de Janeiro.



A série é iniciada com um depoimento da Professora Karoll Andrea Alfonso Torres Cordido, pesquisadora da área de Avicultura do Laboratório de Zootecnia do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias  (CCTA) da Uenf explica os problemas causados nas pesquisas de emus australianos que ela coordena.


terça-feira, 29 de março de 2016

Ururau: Docentes da Uenf entram em greve a partir de segunda-feira

  Ururau
Decisão foi aprovada em assembleia realizada nesta terça-feira













Os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) estarão em greve por tempo indeterminado a partir de segunda-feira (04/04). A mobilização foi aprovada em assembleia realizada na tarde desta terça-feira (29/03), na sede da Associação dos Docentes Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf), assim como outras reivindicações da categoria. 
“Diante o agravamento da crise financeira, corte de verba, parcelamento dos salários e iminência da Uenf, que já recebeu aviso do porte de água para segunda-feira, fechar as portas, a greve foi inevitável”, disse Marcos Pedlowski, que é professor doutor do Laboratório de Estudos do Espaço Antropópico (LEEA) da Uenf. 
Além da aprovação de greve, também foram votadas e aprovadas pautas sobre o retorno do pagamento dos salários para o 5º dia útil de cada mês, a rejeição do corte na verba da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e do Projeto de Lei 257/2016, que tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e discorre sobre a proposta de Reforma Fiscal do governo federal. 
“O projeto irá limitar o gasto público federal e estadual por meio de, entre outras ações, congelamento salarial, suspensão de benefícios e, criação de um plano de demissões voluntárias no serviço público”, disse professor.
Para Pedlowski o anúncio de parcelamento do pagamento dos salários dos servidores do governo do estado para os dias 14 e 28 de abril, se confirmado, poderá gerar uma greve geral. “Além da Educação, a Cedae e o Degase já anunciaram greve. Se for confirmado o parcelamento dos salários em abril, a greve geral é inevitável”, disse. 
Na Uenf, que já chegou a anunciar a possibilidade de fechar as portas caso a crise financeira da instituição se agrave ainda mais, os estudantes já estão em greve deste o mês de Janeiro. Na assembleia desta terça também foi aprovada a continuidade da “Atividade Unificada”, que terá nesta quarta-feira (30/03), às 16h, na Villa Maria, o evento cultural com música, debates, exposições e poesias denominado de “Canto de Resistência”, com participação do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais (Sintuperj). 















A CRISE FINACEIRA DA UENF

Universidade Estadual do Norte Fluminense, que conta hoje com cerca de 5 mil alunos (entre graduação e pós-graduação) e 300 professores, vive uma grave crise financeira, acumulando desde outubro do ano passado uma dívida estimada em R$ 11 milhões. Com cortes de telefone, combustível e ainda com ameaças de interrupção nos fornecimentos de água e luz, a universidade pode fechar suas portas como foi anunciado pelo reitor da universidade, Luís Passoni no dia (21/03).

Nesta segunda-feira (28/03) a reitoria recebeu a visita do deputado estadual Papinha (PP) que se comprometeu a interceder, junto ao Governo do Estado, quanto à liberação de recursos para a universidade. A verba de aproximadamente R$ 800 mil referente ao Programa de Apoio à Pós-Graduação (Proap – Capes) está emperrada porque o governo do estado não deu a sua contrapartida, no valor de R$ 1.200. 
Demonstrando preocupação com a possível suspensão das atividades na universidade, Papinha quis saber exatamente o que poderia ser feito, de imediato, para pelo menos manter as atividades básicas no campus universitário. “Não podemos deixar um órgão tão importante como a Uenf nessas condições. O que eu puder fazer, farei para ajudar”, disse o deputado, informando que hoje teria uma audiência com o governador em exercício, Francisco Dornelles, na qual pretendia abordar a questão da Uenf.
O reitor explicou que a Uenf está sem telefone há mais de um mês (não podendo fazer nem receber ligações) e sem combustível. Ele informou que todas as viagens de trabalho estão sendo feitas com recursos próprios dos servidores. Passoni observou ainda que todos os dias chegam notificações de empresas ameaçando suspender os serviços, como é o caso da White Martins, que fornece gases para a Uenf.

Um dos gases é o nitrogênio líquido, indispensável para a manutenção de alguns equipamentos. Se suspenderem o fornecimento de nitrogênio, serão danificados três equipamentos de R$ 1 milhão de dólares cada um”, disse Passoni.

Com relação ao fornecimento de água e luz, o reitor lembrou que o a Secretaria de Fazenda negociou diretamente com a Ampla, o que tem garantido a continuidade dos serviços. Na última quarta, representantes da empresa Águas do Paraíba conversaram com o reitor, e o corte no fornecimento de água, que seria feito ontem, não ocorreu.
“O problema é que estamos contando só com a boa vontade das empresas e a situação está chegando no limite. Se algum desses serviços for suspenso, a Uenf não tem como continuar funcionando. O governo precisa liberar pelo menos alguma parte destes pagamentos”, disse.

 Fonte Redação/Ascom

Em resposta aos ataques do governo estadual, professores da Uenf decidem entrar em greve a partir de 4/4


Reunidos em assembleia na tarde desta terça-feira (29/03) os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) fizeram um balanço da situação crítica em que se encontra a instituição que se vê ameaçada de ter cortados os serviços de água e eletricidade.

Além disso,  a diretoria da Aduenf apresentou sua uma análise acerca dos últimos acontecimentos relativos ao parcelamento do pagamento dos salários dos servidores estaduais e da ameaça de precarização do serviço público a partir da aprovação do Projeto de Lei Federal 257/2016.

Após a fase de debates, a assembleia aprovou a proposta da diretoria da Aduenf de iniciar uma greve por tempo indeterminado a partir do dia 04 de Abril para exigir do governo do Rio de Janeiro o atendimento da seguinte pauta de reivindicações:

1. Retorno do pagamento dos salários ao modelo que era aplicado até o ano de 2015.
2. Rejeição do PLP 257/2016.
3. Defesa do orçamento da Faperj de 2% da receita líquida do estado.
4. Quitação de todas as dívidas da Uenf.
5. Reposição das perdas salariais acumuladas a partir de 1999.

A primeira atividade de greve será a participação da manifestação cultural unificada que ocorrerá nesta 4a. feira a partir das 16:00 horas na Casa de Cultura Villa Maria.


segunda-feira, 28 de março de 2016

Diretoria da ADUENF convoca assembléia para discutir próximos passos do movimento


C  O  N  V  O  C  A  Ç  à O
DIA: 29/03/2016 – TERÇA-FEIRA
HORA: 15:00
     LOCAL: SEDE  DA ADUENF

ASSEMBLÉIA GERAL ADUENF
PAUTA
v  INFORMES GERAIS
 i)    PANORAMA ATUAL DA SITUAÇÃO DO SERVIDOR PUBLICO
ii)   REABERTURA DO EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÕES PARA REPRESENTANTE DE CENTRO
 iii)    CONVOCAÇÃO PARA A ATIVIDADE UNIFICADA

v CONTINUIDADE DO MOVIMENTO

ATIVIDADE UNIFICADA
O evento será realizado na Villa Maria as 16: 00 h DIA 30/03/2016


ADUENF divulga atividades da semana



 

29/03- Assembléia de Docentes  na Sede da ADUENF as 15:00 hs 

30/03- Canto da Resistência na Vila Maria as 16: 00 hs ( ADUENF+SINTUPERJ+DCE)


Além do I Fórum Discente de Sociologia Política -UENF , nos dias 29 e 30/03


Contamos com a presença de TODOS em TODAS AS ATIVIDADES.


ADUENF-GESTÃO POR DIAS MELHORES

terça-feira, 22 de março de 2016

Sob risco de ficar sem água e eletricidade, comunidade universitária vai às ruas denunciar o abandono da Uenf

A situação crítica que foi informada no dia de ontem pela reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) teve uma resposta firme no final da tarde desta 3a .feira (22/03) quando centenas de estudantes e servidores liderados pela Associação de Pós-Graduandos, DCE/UENF e do SINTUPERJ/UENF foram às ruas denunciar a crise criada pelo governo do Rio de Janeiro na melhor universidade do estado segundo o Índice Geral de Cursos de graduação do Ministério da Educação  (MEC).

A ameaça que paira sobre a Uenf de ter seus serviços de água e eletricidade cortados já na volta do feriado da Semana Santa serviu como um combustível adicional para mobilizar os estudantes que estão com o pagamento de suas bolsas atrasado desde janeiro. Entretanto, a defesa da existência e funcionamento correto da universidade esteve no centro das falas que ocorreram para denunciar o descaso do governo Pezão.

A  diretoria da Aduenf entende que a nossa universidade não pode ser tão desrespeitada e  entende que ir às ruas denunciar esta situação inaceitável foi uma decisão acertada, pois a população precisa ser informada do que está ocorrendo.

Abaixo imagens da manifestação.





segunda-feira, 21 de março de 2016

O DIA: Muspe participa de audiência nesta terça-feira na Alerj


Representantes do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe) se reúnem nesta terça-feira com o líder do governo na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), deputado Edson Albertassi (PMDB). De acordo com a integrante da coordenação geral do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), Marta Moraes, o encontro é fruto da pressão do ato público que aconteceu em frente ao Palácio Tiradentes.
O objetivo é apresentar argumentos para o parlamentar de que não é mais possível a Casa aceitar qualquer mudança na reforma previdenciária do funcionalismo municipal, mesmo que o projeto seja reapresentado de outra forma. As categorias que compõem o Muspe promoveram semana passada uma greve de três dias. O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Rio (SindJustiça) divulgou nota informando que a partir de desta segunda-feira vai recolher todos os pontos de greve para fins de abono.
De acordo com a direção-geral do sindicato, o momento é de avaliar as falhas e os acertos do movimento grevista. Segundo a nota, há comarcas em que os servidores possuem grau de consciência suficiente para sustentarem a luta sem precisar que o sindicato esteja presente o tempo todo. Mas há comarcas em que é necessário intensificar o trabalho. Serão promovidas caravanas com grupo formado por diretores do sindicato para conversar com os servidores da classe.
Profissionais da Educação, da Fundação Centro de Educação à Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj) e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), incluindo técnicos-administrativo e docentes, permanecem em greve esta semana. As categorias estão de braços cruzados por tempo indeterminado.
Na terça, profissionais da rede estadual fazem assembleia às 14h para discutir os rumos da greve. Será no Club Municipal, na Rua Haddock 359, na Tijuca, Zona Norte do Rio.
FONTE: http://blogs.odia.ig.com.br/coluna-do-servidor/2016/03/20/muspe-participa-de-audiencia-nesta-terca-feira-na-alerj/

sexta-feira, 18 de março de 2016

Com UENF ameaçada de fechamento, ADUENF vai à praça se manifestar





Após a reitora da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) informar do risco real de fechamento da instituição por falta de suporte financeiro, professores e membros de outros segmentos da comunidade universitária estarão na Praça São Salvador a partir das 16:00 horas para dialogar com a população sobre a grave crise que está sendo imposta pelo governo do Rio de Janeiro.

Esse é um momento especialmente delicado na vida politica nacional, e às preocupações com a manutenção do regime democrático se soma essa aviltante situação a que a Uenf está sendo submetida.

Por esses motivos é que a Aduenf estará presente nessa atividade extremamente importante, já que a Uenf cumpre um papel estratégico no Norte Fluminense e não merece ser tratada da forma que está sendo.

quarta-feira, 16 de março de 2016

Comunidade científica comparece em peso na ALERJ para defender o futuro da ciência no Rio Janeiro

A comunidade científica fluminense se faz presente em peso nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para participar de audiência que discutirá tentativa de precarização da Faperj a partir do projeto de emenda constitucional proposto por governo do Rio de Janeiro que visa reduzir pela metade o orçamento de uma das principais agências de fomento à pesquisa do Brasil.

Lamentavelmente, os seguranças da Alerj estão dificultando acesso de pesquisadores ao interior do Palácio Tiradentes. Entretanto, professores e estudantes estão neste momento demandando a garantia de acesso à audiência pública.

Defender a Faperj é uma obrigação de toda a comunidade científica do Rio de Janeiro!




Em assembleia movimentada, professores da UENF adotam pauta de mobilização contra o governo estadual


Em uma assembleia movimentada e representativa, os professores da Uenf decidiram adotar uma série de passos de cunho organizativo para reforçar a luta contra o processo de sucateamento e ataques a direitos trabalhistas que vem sendo imposto pelo governo do Rio de Janeiro a todo o funcionalismo estadual.

Entre as decisões aprovadas está a definição de uma pauta de reivindicações que tem como ponto central a rejeição do "Pacote de Maldades" preparado pelo governador Luiz Fernando Pezão que, entre outras coisas, implicará em perdas salariais reais e congelamento de salários. Outro ponto se refere à demanda de que os salários sejam pagos nas datas praticadas até dezembro de 2015, já que o atual contexto marcado por atrasos mensais causa graves perdas financeiras aos servidores públicos.




A assembleia também decidiu pela aprovação de um fundo de greve de apoio aos estudantes que, por causa do atraso no pagamento de bolsas acadêmicas, se encontram em dificuldades financeiras e passando por graves dificuldades.

A assembleia aprovou ainda uma série de atividades que serão organizadas em conjunto com estudantes e servidores técnico-administrativos que já se encontram em greve para as próximas semanas, começando com uma atividade musical amanhã no campus Leonel Brizola.

Ainda nesta quarta-feira (16/03), os professores irão participar de uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro que tratará da proposta de redução de 50% do orçamento da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).



quarta-feira, 2 de março de 2016

Ato de protesto dos servidores estaduais movimenta centro do Rio de Janeiro

A região central da cidade do Rio de Janeiro está sendo palco de uma forte mobilização dos servidores estaduais que se mobilizam contra o pacote de maldades do governo estadual.  Nesta mobilização estão presentes os professores da rede estadual, do sistema Faetec e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) que estão iniciando movimentos de greve para defender seus direitos e a qualidade dos serviços públicos do Rio de Janeiro.

Estudantes, servidores e professores da Uenf estão presentes nesta importante manifestação. A diretoria da ADUENF apoia esta mobilização por entender a sua importância não apenas para impedir os ataques governamentais aos direitos dos servidores, mas por causa da necessidade de que seja reestabelecida prontamente a capacidade de execução financeira das universidades estaduais que se encontram neste momento em condição altamente precária de funcionamento.

A hora de defender os nossos direitos e impedir o completo sucateamento das universidades estaduais é essa!

Abaixo imagens da manifestação que está se concentrando neste momento na frente da sede da Assembleia Legislativa.