terça-feira, 22 de agosto de 2017

Comando de Greve da ADUENF lança nota sobre continuidade da greve



Porque devemos continuar em greve

O recente pagamento de parte dos salários devidos tem trazido, para alguns, a percepção de que já não há mais razão para a greve. Nada mais equivocado.

Além de o décimo-terceiro salário ainda não ter sido quitado e permanecer a falta de previsibilidade quanto ao pagamento dos salários futuros, há ainda uma grande ameaça a ser combatida: a precarização do funcionamento da universidade e a deterioração das condições de trabalho.

A “resistência passiva” adotada desde outubro de 2015 mostrou-se um método não apenas ineficaz, mas que também tem contribuído para o agravamento da situação. A insistência na permanência das atividades normais “a qualquer custo” tem significado condições de trabalho cada vez mais deterioradas para docentes e servidores técnicos enquanto as dívidas com prestadores de serviços se acumulam diante da falta de repasses de custeio pelo governo Pezão.

Nossos laboratórios têm funcionado sem os insumos necessários e sem a manutenção regular de suas instalações, colocando em risco pesquisas de longo prazo e de grande relevância social. A falta de vigilância adequada no campus também tem ameaçado o patrimônio da Universidade e a segurança pessoal da comunidade acadêmica.Além disso, com os sucessivos cortes de recursos por parte da FAPERJ, CNPq e CAPES, bem como a falta de liberação do pagamento dos projetos aprovados por essas agências, as soluções paliativas encontradas pelos docentes têm chegado ao seu limite.

Os riscos e prejuízos não param por aí. Assim como a própria Universidade, servidores técnicos e professores têm se endividado devido aos atrasos salariais, arcando com pesados encargos financeiros que ampliam os lucros dos bancos e lhes ameaçam a dignidade. Outra grave consequência é a evasão de estudantes devido ao clima de incerteza e aos atrasos no pagamento de bolsas.

Nesse contexto de precarização de nossa instituição e de suas atividades e de falta de perspectiva sobre a regularização dos salários futuros, é fundamental que os docentes da UENF se posicionem pela manutenção da greve. O silêncio e a passividade podem trazer consequências irreversíveis para a preservação do papel da UENF como instituição de excelência e de grande importância para o desenvolvimento do norte fluminense.

A história nos ensina: direitos não são concedidos. São frutos das lutas e da participação ativa e vigilante dos trabalhadores. E, em um momento em que esses direitos estão sob ataque de um governo insensível à situação da Universidade e de seus servidores, a greve é o instrumento necessário. 

PELA UNIVERSIDADE PÚBLICA E GRATUITA! NENHUM DIREITO A MENOS!

Campos dos Goytacazes, 22 de Agosto de 2017.

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

ADUENF participará de mesa redonda na programação de aniversário da UENF



Como parte das atividades oficiais do aniversário da  Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF),  ocorrerá amanhã (18/08) uma mesa redonda que reunirá os sindicatos e associações representativos da comunidade universitária para discutir a situação atual e perspectivas para a universidade"  a partir das 09 da manhã.

A ADUENF estará presente neste debate com o objetivo de contribuir para o debate que se faz urgente em torno da defesa da UENF enquanto universidade pública e gratuita.

A urgência deste debate ficou evidente nas mesas que já foram realizadas na programação oficial de aniversário promovida pela reitoria da UENF.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL) envia correspondência para saudar os 24 anos da UENF


O deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL) enviou uma correspondência destinada à comunidade universitária da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) por conta da passagem do 24o. aniversário de fundação da universidade (ver reprodução abaixo).

A correspondência do deputado Eliomar Coelho  é importante não apenas porque ressalta para a importância da Uenf na consolidação do ensino superior público e gratuito no estado do Rio de Janeiro,, mas também aponta de forma correta as tarefas que estão colocadas para impedir a sua destruição.

É importante notar que o deputado Eliomar Coelho tem sido um aliado efetivo da Uenf dentro da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

ADUENF envio ofício ao reitor da UENF requisitando informações sobre condições para funcionamento

O Comando de Greve da  ADUENF enviou na tarde de ontem (14/08) ofício ao reitor da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) requisitando informações sobre a existência (ou não) de condições mínimas para o funcionamento regular das atividades acadêmicas dentro dos dois campi da instituição (Campos dos Goytacazes e Macaé) e em suas unidades avançadas espalhadas por diversos municípios do Norte e Noroeste Fluminense.

É importante notar que o governo do Rio de Janeiro não repassa as verbas de custeio da Uenf desde Outubro de 2015, o que já acarretou a criação de uma dívida de mais de R$ 20 milhões com concessionárias de serviços públicos, empresas prestadoras de serviços de segurança e limpeza, e com os fornecedores de insumos básicos.

A inexistência das verbas de custeio  e o atraso no pagamento dos salários dos servidores e das bolsas acadêmicas dos estudantes têm causado sérios problemas para o desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão que são desenvolvidas na Uenf.

sábado, 12 de agosto de 2017

ADUENF lança edição especial de seu jornal para celebrar os 24 anos da UENF

A Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense está celebrando os 24 anos de existência da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) com uma edição especial do seu jornal. Essa edição traz artigos sobre os desafios atuais em torno da defesa do caráter público e gratuito da Uenf e uma série de imagens de mobilizações realizadas desde 1999, período em que foram garantidas uma série de importantes conquistas, entre elas o processo de autonomia universitária.

Abaixo postamos a versão digital desta edição especial.


Nesse aniversário da Uenf mais do que nunca é expressarmos nossa clara insurgência contra o projeto de destruição que está sendo executado pelo governo do Rio de Janeiro contra esta importante ferramenta de disseminação de oportunidades sociais e desenvolvimento econômico para o Norte e Noroeste Fluminense.

Entidades representativas convocam assembleia comunitária para discutir caminhos da luta em defesa da UENF



sexta-feira, 11 de agosto de 2017

UENF e FAETEC participam do "Dia nacional de lutas em defesa da educação pública"

Nesta 6a .feira (11/08) está ocorrendo em todo o Brasil o "Dia Nacional de Lutas em Defesa da Educação Pública". Essa é uma ação urgente em face dos ataques que estão sendo realizados nas três esferas de governo contra o direito da população brasileira, especialmente os seus segmentos mais pobres, de ter escolas públicas, gratuitas e de qualidade.


Em Campos dos Goytacazes, as diferentes categorias que estão em luta contra o projeto de destruição do ensino público que está sendo executado pelo governador Luiz Fernando Pezão estão realizando atividades para apoiar este dia nacional de luta.

No caso dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) que estão em greve desde o dia 03 de Agosto, a Associação de Docentes realizou um encontro na parte da manhã para marcar este dia e preparar a continuidade da luta em defesa da Uenf que está sendo atacada de forma frontal pelo governo do Rio de Janeiro.


Já na parte da tarde quem está realizando atividades de protesto nas ruas de Campos dos Goytacazes são os estudantes e servidores das escolas ligadas à Faetec onde também está ocorrendo um processo de greve contra o atraso no pagamento de salários e de falta de verbas de custeio para as atividades essenciais.


A unificação das ações que estão ocorrendo dentro das diferentes categorias será essencial para derrotar o projeto de desmanche da educação público.