sexta-feira, 28 de abril de 2017

UENF presente no ato da greve geral em Campos dos Goytacazes



O campus Leonel Brizola da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) amanheceu paralisado nesta sexta-feira (28/04) fruto da adesão da comunidade universitária ao movimento de greve geral que parou o Brasil.

Para coroar esse dia de luta, a comunidade da Uenf esteve bem representada no ato público que foi realizado no centro da cidade Campos dos Goytacazes. Ali estiveram dezenas de servidores técnico-administrativos, professores e estudantes  que foram ali protestar contra as reformas anti-populares do governo Temer e para também denunciar o descaso do governo do Rio de Janeiro contra a Uenf.

Abaixo o vídeo do pronunciamento da professora Luciane Soares, presidente da Aduenf, sobre o sucesso da greve geral e de sua importância para a defesa da Uenf.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Presidente da ADUENF convoca professores da UENF para que participem da greve geral



Com base em decisão de assembleia, a diretoria da ADUENF está atuando para garantir que todas as atividades docentes sejam suspensas por conta da greve geral do dia 28/04 contra as reformas anti-populares do governo de Michel Temer.

Abaixo postamos pronunciamento da presidente da ADUENF, Profa. Luciane Soares, que conclama a todos os associados que se engajem nas atividades que ocorrerão na cidade de Campos dos Goytacazes no dia da greve geral.


segunda-feira, 24 de abril de 2017

Diretoria da ADUENF divulga resultados de assembleia e convoca seus associados para a mobilização



A diretoria da ADUENF vem a público apresentar as decisões da assembleia realizada no dia 20/04, as quais apontam para o aprofundamento do processo de mobilização contra os ataques que estão sendo desferidos contra os trabalhadores tanto no plano estadual como no federal:


1- Adesão à greve geral do dia 28 de Abril- Na cidade de Campos dos Goytacazes o ato público acontecerá em frente à agência da Caixa Econômica Federal no Boulevard Francisco de Paula Carneiro.

2- Organização de ida à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e à Secretaria de Fazenda.

3- Apoio à Mostra de ciências que a UENF realizará na cidade do Rio de Janeiro no mês de Maio.

4-      Participação da ADUENF nas aulas públicas que estão sendo realizadas pela ASDUERJ na cidade do Rio de Janeiro.

A diretoria da ADUENF conclama a que todos os seus associados se engajem nas atividades aprovadas em assembleia em vista das graves ameaças que pairam sobre a UENF e a direitos trabalhistas que foram conquistados em função de nossas lutas ao longo dos anos.

Campos dos Goytacazes, 24 de Abril de 2017.

DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Luta

ADUENF convoca participação na greve geral do dia 28/04


Com base em decisão de assembleia dos seus associados, a ADUENF está convocando toda a população para participação na greve geral dia 28/04 contra as reformas anti-popúlares do governo Michel Temer que ameaçam direitos sociais e trabalhistas.




Lutar por nossos direitos é a única garantia de que eles não serão subtraídos!

DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Luta

terça-feira, 18 de abril de 2017

Programa de rádio "Todos pela UENF" divulga luta em defesa da Universidade do Terceiro Milênio



video

A partir de uma parceria com a Rádio Continental de Campos dos Goytacazes (1270 AM), a ADUENF está transmitindo diariamente um programa de rádio intitulado "Todos pela Uenf".  

A edição desta terça-feira (18/04) traz o depoimento do Prof. Alessandro Coutinho Ramos, 1o. vice-presidente da ADUENF, e um chamado de apoio do ator campista Tonico Pereira. Quem desejar ouvir este programa, basta clicar no link que segue abaixo:

https://soundcloud.com/user-624556339/programa-todos-pela-uenf


Quem desejar contribuir com depoimentos para o "Todos pela Uenf" basta entrar em contato com a secretaria da ADUENF.  A contribuição de todos é bem vinda!

DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Luta


Diretoria da ADUENF apoia divulgação da greve geral do dia 28/04

video



À todas as entidades e movimentos da CSP-Conlutas e demais entidades parceiras

Companheiras(os);

O filtro da CSP-Conlutas para a Greve Geral de 28 de abril está no ar. Se você ainda não colocou, está na hora de colocar. É fácil!
  
Acesse e insira sua foto de perfil do facebook:




Logo aprovado para CSP Conlutas.JPG

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Diretoria da ADUENF convoca assembleia para analisar próximos passos da luta




DIA: 20/04/2017, QUINTA-FEIRA
HORA: 16:00H
LOCAL: AUDITÓRIO DO P5




- PAUTAS:
  1.  Informes 
  2.  Assembléia Conjunta
  3.  Ida Reunião do ANDES em Brasília - dia 19/04/2017
  4. Visita do Secretário Pedro Fernandes
  5. Mostra do dia 05 de maio na Candelária
- PARA VOTAÇÃO: 

  1.  Ato na Secretaria de Fazenda
  2. Adesão a Greve do dia 28/04/2017 

sábado, 15 de abril de 2017

Decisões da assembleia conjunta apontam para aumento da mobilização em defesa da Uenf




A assembleia conjunta realizada no último dia 11 de Abril pela ADUENF e pelo SINTUPERJ-UENF resolveu adotar uma série de propostas para aumentar o nível de mobilização dentro da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) para responder ao processo de precarização que foi criado pelo governo do Rio de Janeiro.

Estas propostas terão agora que ser submetidas às assembleias de cada categoria para que possam ser aplicadas em sua integralidade.  Apesar disso, a própria realização desta assembleia conjunta já se constituiu num importante elemento de aglutinação para responder aos ataques que estão sendo desferidos contra a Uenf e as demais universidades estaduais neste momento.

Abaixo o conjunto de propostas aprovadas pelos presentes na assembleia conjunta.

  1. Ato conjunto para arrecadar alimentos para servidores em graves dificuldades por causa do atraso no pagamento de salários no dia 27 de Abril
  2. Pedido de impeachment do governador Luiz Fernando Pezão
  3. Participar da greve geral no dia 28 de Abril.
  4. Fechar os portões da Uenf nos dias de paralisação
  5. Realizar greve em caso de persistência no atraso de pagamento de salários
  6. Paralisação de atividades duas vezes por semana e realizar mais um dia de mobilização
  7. Acionar a mídia para ampliar o conhecimento do público sobre a crise que está afetando o funcionamento d Uenf neste momento.
  8. Moção de repúdio a professores e chefes que não estão deixando estudantes participar das mobilizações ou que estão ameaçando cortar o ponto dos servidores técnicos.

DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Luta

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Ato político na UFRJ para defender as universidades estaduais


DIRETORIA DA ADUENF EMITE NOTA PÚBLICA SOBRE VISITA DO SECRETÁRIO PEDRO FERNANDES


A diretoria da ADUENF acaba de lançar uma nota pública contendo informações sobre o que ocorreu durante a visita do secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Social (Sectds), Pedro Fernandes, ao campus da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) na última segunda-feira (10/04).


Postamos abaixo a íntegra da nota cujo saldo final é apontar para a necessidade de se aprofundar a luta em defesa do correto financiamento da Uenf e do pagamento dos salários de seus servidores.



segunda-feira, 10 de abril de 2017

Aduenf e Sintuperj/UENF lançam nota conjunta contra coações e ameaças de corte de ponto na UENF

Em face de problemas que estão ocorrendo dentro da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) e que estão afetando principalmente os servidores técnico-administrativos, asdireções da ADUENF e SINTUPERJ/UENF decidiram emitir a nota conjunta que vai logo abaixo.

O conteúdo deste documento visa deixar claro que não serão tolerados atos de coação contra o conjunto dos servidores, os quais estão em muitos casos tendo dificuldade até de chegar às diferentes unidades a que pertencem em função da falta do pagamento dos salários de Fevereiro.





Só unidos vamos derrotar a política de precarização do governo do Rio de Janeiro!


 DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Luta

sábado, 8 de abril de 2017

ADUENF E SINTUPERJ/UENF convocam assembleia conjunta para debater situação da calamidade institucional na UENF

As direções da ADUENF e do SINTUPERJ/UENF que representam professores e servidores técnicos-administrativos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) decidiram realizar uma assembleia conjunta na próxima 3a. feira (11/04) para discutir a situação de calamidade institucional que foi criada pela falta de verbas de custeio e de pagamentos de salários e bolsas acadêmicas.


É importante notar que esta assembleia também estará aberta para a participação dos estudantes de graduação e pós-graduação da Uenf, pois a situação de calamidade institucional também afeta a capacidade de permanecer dentro da instituição.

A Uenf vai resistir e derrotar o projeto de precarização do governo do Rio de Janeiro!

A Uenf resiste! Já o governador....


Por Luciane Soares*
Ao ler o texto de Elio Gaspari publicado esta semana sobre a ruína do governador Luiz Fernando Pezão, remexi algumas lembranças sobre os anos recentes como professora desta Universidade. Cheguei a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, em junho 2010, sem conhecer Campos dos Goytacazes. Tinha apenas o registro principal de que a cidade guardava um passado opulento, economicamente calcado no trabalho escravo em usinas espalhadas por seu território (o maior em extensão de terra do Rio de Janeiro). Minha chegada coincidia com a intensificação das obras no Porto do Açu e toda a região experimentava uma excitação quanto a possibilidade de empregar-se ou participar da roda viva, estampada pela grande mídia e do culto à personalidade em torno do “grande empresário do Brasil”, hoje preso em Bangu 9, Eike Batista. Minha primeira saída de campo ocorreu em uma tarde de sexta, na praça São Salvador. A prefeita Rosinha Garotinho havia liberado a passagem de ônibus durante as horas em que o ato em defesa dos royalties. Mesmo assim, encontramos apenas funcionários comissionados em uma praça vazia. A população não atendera ao chamado e não atenderia mais tarde, às ameaças de que o fim do governo representaria o fim dos programas sociais e demais benefícios vinculados à prefeitura. Sua gestão foi rechaçada em primeiro turno no ano de 2016.
Neste cenário, as representações sobre a Uenf eram bastante ambivalentes. Para boa parte dos entrevistados campistas acima de 40 anos, ela representava uma espécie de “elefante branco”. Passei meus dois primeiros anos de Uenf pesquisando as representações sobre qualificação nas cidades da região. Estas pessoas guardavam vivas as memórias da chegada de Darcy Ribeiro ao local onde hoje está construído o campus Leonel Brizola, tinham a memória dos professores estrangeiros que chegaram para construir a Universidade do Terceiro Milênio. Para a geração entre 13 e 30 anos, a Uenf representava uma das principais possibilidades de mobilidade social ascendente e qualificação na região norte fluminense.Representava uma alteração estrutural de seu status na região. Muitos conheciam ou tinham parentes que haviam passado pela Universidade. Outros estavam inseridos em programas de extensão na modalidade Universidade Aberta, que amplia a interação com a comunidade por meio de bolsas para realização dos inúmeros projetos ligados a Pró Reitoria de Extensão.
Desde então tenho formado dezenas de pesquisadores na graduação e pós graduação e participado ativamente dos atos de resistência desta jovem Universidade, classificada entre as melhores do país. Ao realizar o tripé ensino, pesquisa e extensão a Uenf contribui decisivamente para o desenvolvimento da região- mas não apenas por promover a qualificação para o mercado de trabalho. Realizamos em 11 de março uma feira de Ciências com o envolvimento de todos os cursos. Ao unir cursos como administração pública, ciências sociais, pedagogia, biologia, física,agronomia, medicina veterinária entre outros, demonstramos a importância de construir um conhecimento que guarde também um potencial crítico. No meio da maior crise de nossa história abrimos o campus à comunidade e mostramos como são feitas nossas pesquisas, além dos inúmeros e interessantes projetos de extensão. O resultado? Encantamento. Brindamos escolas e sociedade local com um dia inteiro de experimentos, música, oficinas. Sem um centavo do governo Pezão.
Pois bem, é este potencial que os últimos governos têm atacado decisivamente ao deixar as Universidades Estaduais sem verbas de custeio e no último mês, sem salários. No quadro atual, técnicos administrativos precisam de ajuda financeira para fechar o mês, professores usam seus próprios vencimentos para tocar pesquisas que dependem de continuidade e recursos. Passamos a negociar semanalmente as condições de funcionamento da Universidade. Para manutenção de água, luz e serviços básicos. Este governo, que não possui mais a menor legitimidade para manter-se no poder, ataca particularmente instituições como a Uenf, Uerj, Faetec, Cecierj. Não há crise, e é preciso que toda população fluminense saiba disto. O desmonte da Uenf é um projeto. Considero que somos um exemplo concreto de ocupação. Estamos ocupando uma Universidade para que ela permaneça viva. Até que este governo caia.
Ao acompanhar os jornais nos deparamos com a farra feita por Sérgio Cabral e sua corte. Jóias, casas nababescas, tudo realizado enquanto íamos incansáveis tardes à Alerj em busca de condições dignas para realizar o que fazemos com excelência: manter vivo o papel desempenhado pelas Universidades Públicas em um país desigual como o Brasil. E seguiremos lutando até a ruína definitiva deste governo, inimigo da educação pública, gratuita e de qualidade.
*Luciane Soares da Silva, gaúcha de Porto Alegre, alvinegra de coração, colorada por tradição. Negra, bisneta de alemães, neta de sambista estivador. Professora associada da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro e presidente da ADUENF. Tem estudado racismo, favela e cultura urbana. Temas de seu interesse e sobre os quais desenvolve pesquisas.
FONTE: http://revistavirus.com.br/a-uenf-resiste-ja-o-governador/

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Rio de Janeiro também terá Marcha Pela Ciência

“Seria muito importante que atividades similares, ligadas à Marcha pela Ciência, ocorressem por todo o País, nos diversos estados e nas instituições de pesquisa e ensino”, dizem organizadores da mobilização no RJ, que conta com o apoio da SBPC

Além de São Paulo e Natal, a cidade do Rio de Janeiro anunciou que também realizará a “Marcha pela Ciência”, evento internacional que acontece no dia 22 de abril em mais de 300 cidades pelo mundo. Em reunião organizada pela Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ADUFRJ), com apoio da SBPC e da Fiocruz, foi definido que, além da Marcha no dia 22/4, serão realizadas atividades complementares durante a semana, de 23 a 28 de abril. “Seria muito importante que atividades similares, ligadas à Marcha pela Ciência, ocorressem por todo o País nos diversos estados e nas instituições de pesquisa e ensino”, dizem os organizadores da mobilização do Rio. “Convidamos todas as pessoas interessadas, bem como as entidades científicas, educacionais e demais setores da sociedade civil a se juntarem a este movimento”, acrescentam.
Além de destacar a integração desta ação com a Marcha pela Ciência internacional e seus propósitos, a atividade terá o mote “Conhecimento sem cortes”, com o objetivo de denunciar e criticar os enormes cortes que ocorreram nos recursos para C&T (no País e no Rio de Janeiro), e também em outras áreas como educação, meio ambiente, cultura etc. “Utilizaremos tesouras, pequenas e grandes (de papelão), para simbolizar os cortes (organizando um ‘tesouraço’) e, ao final da atividade, as tesouras serão descartadas em um grande recipiente”, contam.
No dia 22/04, sábado, será realizada uma atividade pública, às 10h, em frente do Museu Nacional (na Quinta da Boa Vista), um prédio simbólico da ciência no Brasil.
A intenção é que sejam realizadas, ainda, atividades ao longo da semana (de 23/4 a 27/4) em instituições de pesquisa, como a Fiocruz e as unidades do MCTI no Rio de Janeiro, e em universidades, como a UERJ, a UFF, a UFRJ e a Unirio. Elas serão organizadas por cada instituição, convergindo para uma participação integrada, no dia 28/4, nas atividades do movimento nacional contra os cortes e o desmonte das políticas sociais.
Os organizadores pretendem, em todas as atividades, utilizar o símbolo comum da Marcha pela Ciência no Brasil, assim como a palavra de ordem “Conhecimento sem cortes”. Um folder explicativo sobre a Marcha pela Ciência no Brasil e os impactos dos cortes do governo será distribuído nestas atividades. A ADUFRJ dará apoio logístico ao ato do dia 22, na produção de faixas, cartazes e material de divulgação, que poderão também ser usados nos outros atos, caso seja do interesse das instituições.
“Uma sugestão que pode ser facilmente replicada em outras cidades do País, gerando uma unidade que pode render boas imagens de divulgação, é escolher um prédio simbólico da ciência no Brasil (ou na região), como será feito no Rio de Janeiro, e realizar uma atividade que utilize as tesouras e a palavra de ordem comum ‘Conhecimento sem Cortes’”, sugerem os organizadores cariocas.
No Brasil, juntamente ao Rio de Janeiro, a marcha acontece no dia 22 de abril em São Paulo, partindo às 14h do Largo da Batata, e em Natal (RN), com concentração na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Todas as atividades da Marcha pela Ciência no Brasil, os contatos dos organizadores nas diversas instituições e cidades e outras informações estarão sendo noticiadas no grupo do Facebook “Marcha pela Ciência no Brasil”. “É importante que todos o utilizem para divulgar as atividades em sua região”, solicita a comissão organizadora da manifestação.

SBPC convoca toda a comunidade científica
Na última quinta-feira (30/3), a SBPC divulgou uma carta de sua presidente, Helena Nader, convocando toda a comunidade científica a participar da Marcha. Na carta, Nader reitera que este é um evento mundial, que tem como objetivo chamar a atenção de estudantes, professores, cientistas e pesquisadores, governantes e tomadores de decisão, bom como toda a sociedade, sobre a necessidade de apoiar e preservar as instituições e a comunidade científica de todo o planeta.
“Esse apoio torna-se fundamental em um momento em que a atividade científica para o bem de todos sofre várias ameaças, como mudanças em políticas públicas, redução e desvio de verbas e financiamentos públicos, partidarização política da ciência e, o que mais assusta, a tomada de decisões políticas que não levam em consideração as evidências científicas”, destaca Nader, na carta.
“Esperamos, ainda, que as sociedades científicas também convidem seus associados e amigos a participar do evento, que deverá dar início a um grande movimento planetário pela ciência como um bem comum de toda a humanidade”, conclui.
Organizada por cientistas e entusiastas que reivindicam maior reconhecimento da sociedade e dos governantes, a mobilização teve início nos Estados Unidos e já ultrapassa a marca de 300 marchas satélites em diversos países, envolvendo instituições de ponta em ciência e educação.
Jornal da Ciência

FONTE: http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br/1-rio-de-janeiro-tambem-tera-marcha-pela-ciencia-no-brasil/

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Diretoria da ADUENF prepara campanha para disseminar informações sobre situação crítica da UENF





A diretoria da ADUENF já está começando a implementar uma série de atividades com o objetivo de disseminar a grave situação que a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) atravessa neste momento por causa do atraso no pagamento de salários e bolsas estudantis, bem como pela inexistência de verbas de custeio e investimento por parte do governo do Rio de Janeiro.

Entre as diferentes estratégias de comunicação já acertadas, a diretoria da ADUENF já acertou a criação de um programa radiofônico que será veiculado diariamente com depoimentos de membros da comunidade universitária sobre os impactos que o descompromisso do governo do Rio de Janeiro vem causando sobre as atividades acadêmicas e sobre o cotidiano de estudantes e servidores.

Além disso, já está sendo preparada uma campanha publicitária que contará com a colocação de outdoors em alguns pontos de grande circulação na cidade de Campos dos Goytacazes para denunciar a situação crítica em que o governo do Rio de Janeiro colocou a Uenf.

No plano das ações dentro do campus Leonel Brizola, a diretoria da ADUENF está articulando com os demais sindicatos  (SINTUPERJ/UENF, DCE e APG) a realização de uma assembleia comunitária para discutir formas de atuação conjunta para lutar contra o processo de privatização que está por detrás da precarização em curso na Uenf. Esta assembleia deverá ocorrer na próxima terça-feira (11/04) na área externa do Restaurante Universitário da Uenf a partir das 09:00 horas.

Por fim, a diretoria da ADUENF está se preparando para recepcionar o secretário estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social, Pedro Fernandes, que deverá cumprir agenda na Uenf na próxima segunda-feira (10/04).

A diretoria da ADUENF entende que a partir deste conjunto de atividades é que será possível organizar uma ampla unidade dos sindicatos em defesa do caráter público e gratuito da Uenf, bem como da normalização do pagamento de salários e bolsas estudantis.

Campos dos Goytacazes, 06 de Abril de 2017.

DIRETORIA DA ADUENF
Gestão Resistência & Lutas


terça-feira, 4 de abril de 2017

ADUENF e SINTUPERJ/UENF fazem reunião e estabelecem agenda conjunta de atividades



Em reunião conjunta realizada nesta terça-feira (04/04), membros da diretoria da ADUENF e da delegacia sindical do SINTUPERJ/Uenf analisaram a atual situação por que passa a Universidade Estadual do Norte Fluminense que atravessa uma crise sem precedentes que afeta o custeio da instituição, bem como os salários de professores e servidores técnico-administrativos. 

Com base na avaliação de que a atual conjuntura que ameaça diretamente o funcionamento cotidiano da Uenf,  as representações sindicais decidiram aprovar uma série de pontos voltadas para fortalecer a organização do processo de resistência necessário para combater o processo de precarização da universidade que está sendo executado pelo governo do Rio de Janeiro.

Abaixo seguem as ações que serão realizadas de forma comum pelos dois sindicatos a partir do dia 10 de Abril quando o secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Pedro Fernandes, se comprometeu a visitar o campus Leonel Brizola:

Principais pontos de uma agenda comum de lutas
1.       Dia 10  (possível) vinda do secretário de Ciência e Tecnologia – reunião conjunta – 
2.       Dia 11 ASSEMBLEIA COMUNITÁRIA – primeira chamada as 9 horas, segunda chamada as 9:30 – quadra – PAUTA – SITUAÇÃO DA UENF
3.       Dia 27 de abril ATO POLÍTICO  em prol dos técnicos – A realização de um sarau com feira diversa tem como objetivo arrecadar alimentos.
4.    Dia 28 de abril - GREVE GERAL

Outras deliberações
1.       Organização da vinda de Marta Rocha para Comissão de Segurança Pública – enviar ofício em conjunto para agilização deste processo
2.       Organizar vinda de Juliana Fiúza para mesa sobre REFORMA DA PREVIDÊNCIA
3.       Decisão sobre ato em frente a casa de Cabral
4.       Ida a aula pública em frente a casa de Pezão no dia 28 de abril (ida da presidente e de representante do SINTUPERJ com faixas)

Abaixo postamos vídeo com uma declaração conjunta da presidente da ADUENF, Luciane Soares, e da dirigente sindical do SINTUPERJ/Uenf, Maristela Lima, logo após esta importante reunião.