segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Comando de Greve divulga próximos passos do movimento dos professores



Chegamos próximos ao fim do mês de setembro sem o pagamento de nosso salário de agosto e 13º de 2016 (além do parcial de 2017). Tampouco nos foi apresentado um calendário de pagamentos mesmo com o avanço das negociações do pacote de recuperação fiscal. Quanto as condições de funcionamento da UENF, os casos de insegurança no campus se multiplicam.

Seguem dois encaminhamentos:

1.       No dia 20 de setembro, às 10 horas na sala 316,  acontecerá na ALERJ a audiência pública que tratará do tema “LOA – Orçamento UENF “.  Que possamos comparecer a ALERJ nesta quarta para participação nesta audiência. A ADUENF disponibilizará um veículo e solicitamos que os interessados enviem nome e número de RG até amanhã às 12 horas.

2.       Realização de nossa Assembléia na quinta, às 15 horas, no auditório do P5. Acreditamos que é razoável realizar a Assembléia após a audiência uma vez que as condições de funcionamento são um dos pontos de nossa pauta de greve.

Por último, agradecemos aos docentes, técnicos e alunos que compareceram às duas atividades do dia 14 de setembro. A participação expressiva da comunidade e de convidados no café realizado pela manhã no hall do CCH e no seminário sobre autonomia universitária e futuro da educação fluminense, demonstram que estamos no caminho certo.

Além dos eventos presenciais realizados durante a greve, a diretoria da ADUENF tem produzido vídeos sobre a situação da pesquisa na UENF (no campus Leonel Brizola e em Macaé) além de outros temas de interesse, como a entrevista com o professor Antônio Nóvoa que esteve em nossa Universidade na semana de comemoração dos 24 anos da Darcy Ribeiro. Para acessá-los, basta visitar nosso canal: https://www.youtube.com/channel/UC-uMY_uzGefUpoKHZ3yqBmw

Atenciosamente, 

Luciane Silva Soares
Presidente ADUENF-SESDUENF
Pelo Comando de Greve

sábado, 16 de setembro de 2017

Em nova série no Canal Youtube, ADUENF apresenta depoimento de fundador do LENEP



A Associação de Docentes da Uenf está lançando uma nova série de vídeos no seu canal no Youtube voltada a apresentar depoimentos de professores que estão na universidade desde os seus primórdios.  O vídeo inaugural desta série mostra um forte depoimento do professor emérito e fundador do Laboratório de Engenharia e Exploração de Petróleo (LENEP), Carlos Alberto Dias.


A importância do professor Dias na formação da Uenf não é menos importante no momento em que a instituição está sob um forte ataque por parte do governo Pezão. É que ao aliar uma análise sobre a importância da Uenf para a formação de quadros profissionais de excelência a uma visão de defesa do serviço público em geral, o professor Dias sintetiza de forma singular a importância da Uenf para a implantação de um modelo de desenvolvimento econômico que privilegia as potencialidades nacionais, sejam elas naturais ou humanas.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Da série “Pesquisas da Uenf sob risco: o caso do radar meteorológico”



Em novo vídeo da série "Pesquisas da UENF em risco", a ADUENF apresenta o depoimento da Professora Maria Gertrudes Justi, do Laboratório de Meteorologia (LAMET)do Centro de Ciências Tecnológicas (CCT) da UENF. Em seu depoimento a Profa. Justi aborda as consequências negativas trazidas pelo desfinanciamento da UENF sobre as atividades de pesquisa do LAMET, especialmente no que se refere ao desenvolvimento de estudos relacionados aos chamados eventos climáticos intensos.



Este depoimento é mais uma demonstração dos amplos impactos que a asfixia financeira causada pelo governo Pezão vem trazendo sobre a capacidade da UENF oferecer importantes contribuições não apenas para o desenvolvimento da ciência e tecnologia, mas também para a busca de soluções para problemas candentes que afetam a sociedade fluminense neste momento.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Comando de Greve da ADUENF lança comunicado sobre atividades da semana


COMUNICADO DO COMANDO DE GREVE DA ADUENF



O Comando de Greve da ADUENF vem reforçar a todos os seus associados a importância de que todos participem das atividades programadas para esta semana como parte do nosso movimento de greve.

As principais atividades da semana são as seguintes;

12/09 - a partir das 09 horas-Reunião do Comando de Greve com os professores do campus de Macaé.  Local: Sala de Multimídia 

13/09 - A partir das 15:00 horas Assembleia Geral da ADUENF.  Local: Auditório II do P-5.

14/09 –  A partir das 09 horas – Roda de Conversa com o Professor Edson Correa da Silva – Local: Hall do CCH.

- A partir das 14:00 horas. Seminário “Autonomia Universitária e o Futuro da Educação Fluminense”. Local: Mini Auditório do CCH.

O Comando de Greve informa ainda que está realizando reuniões diárias e que está aberto à participação de todos os interessados em contribuir com o fortalecimento da luta em defesa da UENF. 

A reunião desta 2ª. feira (11/09) ocorrerá a partir das 17:00 na sede da ADUENF




COMANDO DE GREVE DA ADUENF

Comissão de Educação da Alerj lança manifesto em defesa das universidades estaduais


Em reação à sugestão do Ministério da Fazenda de "supressão" do ensino superior público no estado do Rio de Janeiro, a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj)  lançou um manifesto em defesa das universidades públicas estaduais (ver imagem abaixo).
Esse é um posicionamento importante porque é na Comissão de Educação que são normalmente discutidos os assuntos referentes ao funcionamento das universidades estaduais. Entretanto, é importante lembrar que apenas este apoio não deterá os projetos de precarização do serviço público estadual que estão associados ao chamado "Regime de Recuperação Fiscal" que foi recentemente assinado pelo governo do Rio de Janeiro.

Por isso, é importante somar outros apoios, inclusive para fortalecer a posição da Comissão de Educação dentro do Alerj.

domingo, 10 de setembro de 2017

ADUENF convida para seminário sobre "Autonomia Universitária e o Futuro da Educação Fluminense"



Em novo vídeo da série "Pesquisas da UENF em risco", o depoimento do Prof. Enrique Medina-Acosta sobre os prejuízos causados no NUDIM


Em novo vídeo da série "Pesquisas da UENF em risco", a ADUENF apresenta o depoimento do Prof. Enrique Medina-Acosta, do Laboratório de Biotecnologia (LBT) do Centro de Biociências e Biotecnologia (CBB) da UENF. Em seu depoimento o Prof. Medina-Acosta fala dos impactos negativos trazidos pelo desfinanciamento da UENF sobre as atividades do Núcleo de Diagnóstico e Investigação Molecular (Nudim) e da transferência dos conhecimentos ali gerados, principalmente para a detecção gratuita de doenças imunológicas.


Esse importante depoimento do Prof. Medina-Acosta mostra de forma clara os graves prejuízos que estão sendo causados na UENF e, principalmente, na sua capacidade de difundir exemplos aplicados da ciência que seus professores e estudantes estão desenvolvendo.

Por isso é que não aceitaremos calados o projeto de destruição do governo Pezão.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

ADUENF apresenta entrevista com o Prof. António Nóvoa




Em meio ao processo de greve de professores e servidores  técnico-administrativos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), a Associação de Docentes realizou uma importante entrevista com o Prof. António Nóvoa, educador e ex-reitor da Universidade de Lisboa.

A experiência portuguesa ganha relevância neste momento na medida em que as universidades portuguesas sofreram um forte impacto da crise econômica imposta pelas receitas neoliberais impostas pela troika e souberam responder com medidas que mantiveram a sua integridade institucional. Neste contexto, a entrevista do Prof. António da Nóvoa traz algumas indicações de como se fez o enfrentamento da crise econômica e de seus impactos no cotidiano das universidades.

Abaixo postamos a entrevista em sua íntegra.



sábado, 2 de setembro de 2017

ADUENF produz novo vídeo sobre prejuízos causados pelo governo Pezão nas pesquisas realizadas na UENF


Com o objetivo de demonstrar os graves danos que estão sendo causados pela asfixia financeira imposta pelo governo Pezão nas atividades fim da Universidade Estadual do Norte Fluminense, a ADUENF vem produzindo materiais audiovisuais para melhor informar a comunidade universitária e a população sobre o que vem acontecendo.

Abaixo postamos um vídeo que mostra os grandes prejuízos causados em apenas um projeto de pesquisa desenvolvido no Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA) sobre aves ratitas.



É contra esse tipo de prejuízo que estamos em luta neste momento.   Não é possível tolerar calado esse ataque à ciência fluminense!

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Comando de Greve da ADUENF envia correspondência para o governador Pezão visando realização de audiência



O Comando de Greve da ADUENF enviou nesta 5a. feira (31/08) uma nova correspondência ao governador Luiz Fernando Pezão para solicitar a marcação de uma audiência para tratar dos problemas que estão impedindo o correto funcionamento da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).


Nesta correspondência, o Comando de Greve ressaltou ainda a importância que a Uenf possui para o processo de desenvolvimento da região Norte Fluminense.

É importante ressaltar que correspondências também estão sendo enviadas a outras autoridades estaduais no sentido de que intercedam para que haja a abertura de negociações que permitam o encerramento da greve e, principalmente, o funcionamento adequado da Uenf.

A greve como um momento para pensar o futuro da UENF

A ADUENF realizou no dia de ontem mais uma atividade de greve no pátio do Centro de Ciências Tecnológicas da Uenf com o objetivo de reunir a comunidade universitária para discutir saídas para a grave crise criada na instituição pelo governo Pezão.

A roda de conversa teve como animador o professor Edson Terra Azevedo Filho do Laboratório de Engenharia de Produção (Leprod) que falou sobre formas da Uenf utilizar a atual crise para gerar formas de atuação que a mantenham como uma protagonista no desenvolvimento econômico regional.

Abaixo postamos um breve depoimento do professor Edson Terra sobre o que foi abordado na roda de conversa.


A Uenf não será destruída porque estamos preparados para defendê-la de seus inimigos.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

UENF sitiada pelo (des) governo Pezão e as múltiplas perdas que esta situação causa


Muito se fala sobre as condições em que as universidades estaduais estão sendo deixadas pelo governo Pezão, mas pouco se mostra sobre os impactos reais que a asfixia financeira que está sendo aplicada de forma meticulosa causa no cotidiano das pessoas que ali estudam e trabalham.

Abaixo postamos o depoimento da médica veterinária Yasmin Pereira que resolveu abandonar o seu programa de residência no Hospital Veterinário da Uenf por vários motivos, sendo o principal deles o atraso crônico no pagamento da bolsa residência a que ela fazia jus. Além disso, ela também mostra de forma objetiva a situação de completa insegurança em que todos os frequentadores do campus Leonel Brizola se encontram neste momento.




Combater o projeto de destruição que está sendo meticulosamente executado pelo governo Pezão é uma tarefa que não se resume aos que hoje estão na Uenf, pois como mostra o depoimento acima, as perdas que estão ocorrendo vão muito além das questões salariais e envolvem a própria existência da universidade enquanto um centro formador de novos conhecimentos e capacitação profissional.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Comando de Greve da ADUENF organiza "roda de conversa" para discutir ciência, tecnologia e inovação



Para aprofundar a discussão sobre as motivações da greve que professores e servidores estão realizando na Uenf, o Comando de Greve realizará uma roda de conversa com o Prof. Edson Terra Azevedo Filho do LEPROD/CCT na próxima 4a. feira no anexo do CCT a partir das 09:00 da manhã.



A atividade é franca e aberta não apenas a membros da comunidade universitária da Uenf, mas também da população em geral.

A hora de impedir a destruição da Uenf é essa!


COMANDO DE GREVE DA ADUENF

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Folha da Manhã: Em decisão apertada, greve segue na UENF



Em assembleia realizada no início da tarde desta quarta-feira (23), com três horas de duração, o corpo docente da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) aprovou a continuidade da greve. A categoria está paralisada há 20 dias. A proposta apresentada pela diretoria da Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf) teve 51 votos favoráveis, além de 49 contrários e uma abstenção. Com isso, as aulas do segundo semestre continuam suspensas. A greve se estenderá por tempo indeterminado, até que seja apresentado um calendário de garantia de pagamento dos próximos meses e também do 13º salário referente a 2016.
Uma das grandes discussões entre os professores era quanto às condições de trabalho. Segundo a presidente da Aduenf, Luciane Silva, não há mais como trabalhar nessa situação. “Estamos sem segurança nenhuma para trabalhar. O campus não tem iluminação, os laboratórios estão sucateados, sendo sustentados pelos professores. Precisamos que além do pagamento do 13º e do calendário para os próximos meses, que o Estado libere insumos para que a universidade possa trabalhar como antes. Enquanto isso não for decidido ficaremos parados”, disse ela.
Entre as manifestações de ideias dos professores, alguns pediram mais apoio durante a paralisação. Segundo eles é preciso que haja uma consolidação entre professores, corpo técnico e terceirizados.
— Hoje nossa luta não é só pelo salário, mas também por defender a universidade pública de gratuita. Precisamos nos mobilizar com ações concretas e manifestações que chamem a atenção do Governo do Estado — informou a vice-reitora Teresa de Jesus Peixoto Faria.

Presidente da ADUENF envia mensagem após manutenção da greve dos professores




Creio que hoje (23/08) tivemos uma vitória.  E faço a escolha por escrever logo após uma das melhores Assembléias que presenciei nesta Universidade para explicitar as razões de minha avaliação. Não foi apenas a votação, apertada, pela manutenção da greve que tornou nossa Assembléia singular. Desde o início demarquei que nosso horizonte é mais desafiador e que temos tarefas inadiáveis  nas semanas que virão. O que vimos hoje, além de falas ponderadas e outras magistrais foi um corpo docente capaz de compreender o significado da defesa de :

a) nossas condições laborais, não asseguradas neste momento pelo atual governo;
b) a Universidade que podemos construir. Não nomearei os autores das intervenções e propostas, mas mesmo em um momento absolutamente tenso conseguimos avançar para pensar uma agenda comum e realista com seminários, cinema, aulas públicas, envolvendo os laboratórios. Não há outro caminho para acelerar a luta pela UENF e pela dignidade docente. Agradeço aos que virão somar com nosso Comando de Greve.

A partir de amanhã com desejo renovado por estabelecer esta agenda, estaremos trabalhando na ADUENF. Não são lados opostos, compreendo que o desejo pelo retorno (representado na votação de 49 docentes) exponha uma percepção sobre uma das formas de luta. Mas hoje, para além de um placar, mostramos maturidade no entendimento de um processo político mais amplo. Lutar por nossa dignidade é não aceitar o rebaixamento que pretende nos impor o atual governo.

Como postei em nosso café da manhã no dia 11 de agosto, tenho orgulho em representá-los com as divergências necessárias a qualquer processo democrático. A ADUENF seguirá firme em seu compromisso de lutar contra o projeto de desmonte das Universidades Estaduais do Rio de Janeiro.  A greve sinaliza nossa posição de exigir a regularização dos salários e um calendário de pagamentos.

Por último creio que temos temas importantes a discutir como evasão, autonomia, transparência no uso e alocação de recursos, a ciência no Brasil em 2017, a Faperj... ou seja, como muitos acentuaram em suas falas, a greve é um instrumento de luta. Devemos usá-lo para pensar a UENF que queremos. E ela não é mínima.

Avante.

Profa. Luciane Silva Soares, presidente da Aduenf

Comando de Greve.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Diga não à Universidade Mínima - Associações Docentes Estaduais em Luta!


No dia 21 de Agosto representantes das diretorias e base da Asduerj, Aduezo, Aduenf e ADESFAETEC (seções sindicais do Andes-Sindicato Nacional) reuniram-se em plenária na Uerj Maracanã para decidir sobre os próximos passos da luta em defesa do ensino público, gratuito de de excelência.
Nos dias 08 e 11 de agosto, servidores, estudantes e sociedade intensificaram os atos de mobilização contra o desmonte do ensino público no Rio de Janeiro. Entre as exigências, o pagamento dos salários atrasados e o 13º de 2016. No dia 10 de agosto o banco Bradesco renovou o contrato da administração da folha de pagamento dos servidores. O que pode parecer um alívio, ao permitir o acerto de 3 meses de salários atrasados, é na verdade mais uma das ações desastrosas deste governo. Sem calendário de pagamentos e sem décimo terceiro (2016 e primeira parcela de 2017) o servidor ainda tem de ouvir do secretário da Fazenda, Gustavo Barbosa, que não há previsão para pagamento de agosto. A verdade que deve ser dita é que não há qualquer previsão de pagamento dos próximos meses. Além disto, as Universidades e FAETEC não têm as condições mínimas para retomar as aulas e a pressão para a adoção de um possível cotidiano de normalidade só deteriora as relações de trabalho e as possibilidades de realização de nossas tarefas de ensino, pesquisa, extensão.
Lutamos em unidade por compreender que os ataques visam o desmonte de nossas instituições de Ensino. E por compreender que nossos direitos não são negociáveis. Como servidores, exigimos um calendário orientado pela isonomia entre as categorias do funcionalismo. E dizemos não ao projeto de Estado Mínimo, em que investimentos na Saúde e Educação são vistos como “gastos” a serem cortados, e que tem como consequência o surgimento de uma Universidade Mínima, sem investimentos, sem custeio, sem plano de carreira, sem assistência estudantil e que busca ser financiada pela iniciativa privada ou com a cobrança de mensalidades, Por um ensino 100% gratuito, inclusivo e de qualidade.
Mais uma vez, e sempre que necessário, os docentes em luta do ensino superior estadual do Rio de Janeiro convocam todas e todos os defensores da Educação Pública a juntarem-se a nós na Defesa das Universidades Estaduais e da FAETEC!
DIA 23/08 - DIA DE ATOS UNIFICADOS NOS DIVERSOS CAMPI DAS IES: Maracanã, Campos, Campo Grande, São Gonçalo e Caxias
AS UNIVERSIDADES ESTADUAIS RESISTEM E REAGEM
UERJ UEZO UENF FAETEC FICAM
PEZÃO E TEMER SAEM

Comando de Greve da ADUENF lança nota sobre continuidade da greve



Porque devemos continuar em greve

O recente pagamento de parte dos salários devidos tem trazido, para alguns, a percepção de que já não há mais razão para a greve. Nada mais equivocado.

Além de o décimo-terceiro salário ainda não ter sido quitado e permanecer a falta de previsibilidade quanto ao pagamento dos salários futuros, há ainda uma grande ameaça a ser combatida: a precarização do funcionamento da universidade e a deterioração das condições de trabalho.

A “resistência passiva” adotada desde outubro de 2015 mostrou-se um método não apenas ineficaz, mas que também tem contribuído para o agravamento da situação. A insistência na permanência das atividades normais “a qualquer custo” tem significado condições de trabalho cada vez mais deterioradas para docentes e servidores técnicos enquanto as dívidas com prestadores de serviços se acumulam diante da falta de repasses de custeio pelo governo Pezão.

Nossos laboratórios têm funcionado sem os insumos necessários e sem a manutenção regular de suas instalações, colocando em risco pesquisas de longo prazo e de grande relevância social. A falta de vigilância adequada no campus também tem ameaçado o patrimônio da Universidade e a segurança pessoal da comunidade acadêmica.Além disso, com os sucessivos cortes de recursos por parte da FAPERJ, CNPq e CAPES, bem como a falta de liberação do pagamento dos projetos aprovados por essas agências, as soluções paliativas encontradas pelos docentes têm chegado ao seu limite.

Os riscos e prejuízos não param por aí. Assim como a própria Universidade, servidores técnicos e professores têm se endividado devido aos atrasos salariais, arcando com pesados encargos financeiros que ampliam os lucros dos bancos e lhes ameaçam a dignidade. Outra grave consequência é a evasão de estudantes devido ao clima de incerteza e aos atrasos no pagamento de bolsas.

Nesse contexto de precarização de nossa instituição e de suas atividades e de falta de perspectiva sobre a regularização dos salários futuros, é fundamental que os docentes da UENF se posicionem pela manutenção da greve. O silêncio e a passividade podem trazer consequências irreversíveis para a preservação do papel da UENF como instituição de excelência e de grande importância para o desenvolvimento do norte fluminense.

A história nos ensina: direitos não são concedidos. São frutos das lutas e da participação ativa e vigilante dos trabalhadores. E, em um momento em que esses direitos estão sob ataque de um governo insensível à situação da Universidade e de seus servidores, a greve é o instrumento necessário. 

PELA UNIVERSIDADE PÚBLICA E GRATUITA! NENHUM DIREITO A MENOS!

Campos dos Goytacazes, 22 de Agosto de 2017.

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

ADUENF participará de mesa redonda na programação de aniversário da UENF



Como parte das atividades oficiais do aniversário da  Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF),  ocorrerá amanhã (18/08) uma mesa redonda que reunirá os sindicatos e associações representativos da comunidade universitária para discutir a situação atual e perspectivas para a universidade"  a partir das 09 da manhã.

A ADUENF estará presente neste debate com o objetivo de contribuir para o debate que se faz urgente em torno da defesa da UENF enquanto universidade pública e gratuita.

A urgência deste debate ficou evidente nas mesas que já foram realizadas na programação oficial de aniversário promovida pela reitoria da UENF.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL) envia correspondência para saudar os 24 anos da UENF


O deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL) enviou uma correspondência destinada à comunidade universitária da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) por conta da passagem do 24o. aniversário de fundação da universidade (ver reprodução abaixo).

A correspondência do deputado Eliomar Coelho  é importante não apenas porque ressalta para a importância da Uenf na consolidação do ensino superior público e gratuito no estado do Rio de Janeiro,, mas também aponta de forma correta as tarefas que estão colocadas para impedir a sua destruição.

É importante notar que o deputado Eliomar Coelho tem sido um aliado efetivo da Uenf dentro da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

ADUENF envio ofício ao reitor da UENF requisitando informações sobre condições para funcionamento

O Comando de Greve da  ADUENF enviou na tarde de ontem (14/08) ofício ao reitor da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) requisitando informações sobre a existência (ou não) de condições mínimas para o funcionamento regular das atividades acadêmicas dentro dos dois campi da instituição (Campos dos Goytacazes e Macaé) e em suas unidades avançadas espalhadas por diversos municípios do Norte e Noroeste Fluminense.

É importante notar que o governo do Rio de Janeiro não repassa as verbas de custeio da Uenf desde Outubro de 2015, o que já acarretou a criação de uma dívida de mais de R$ 20 milhões com concessionárias de serviços públicos, empresas prestadoras de serviços de segurança e limpeza, e com os fornecedores de insumos básicos.

A inexistência das verbas de custeio  e o atraso no pagamento dos salários dos servidores e das bolsas acadêmicas dos estudantes têm causado sérios problemas para o desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão que são desenvolvidas na Uenf.

sábado, 12 de agosto de 2017

ADUENF lança edição especial de seu jornal para celebrar os 24 anos da UENF

A Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense está celebrando os 24 anos de existência da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) com uma edição especial do seu jornal. Essa edição traz artigos sobre os desafios atuais em torno da defesa do caráter público e gratuito da Uenf e uma série de imagens de mobilizações realizadas desde 1999, período em que foram garantidas uma série de importantes conquistas, entre elas o processo de autonomia universitária.

Abaixo postamos a versão digital desta edição especial.


Nesse aniversário da Uenf mais do que nunca é expressarmos nossa clara insurgência contra o projeto de destruição que está sendo executado pelo governo do Rio de Janeiro contra esta importante ferramenta de disseminação de oportunidades sociais e desenvolvimento econômico para o Norte e Noroeste Fluminense.

Entidades representativas convocam assembleia comunitária para discutir caminhos da luta em defesa da UENF



sexta-feira, 11 de agosto de 2017

UENF e FAETEC participam do "Dia nacional de lutas em defesa da educação pública"

Nesta 6a .feira (11/08) está ocorrendo em todo o Brasil o "Dia Nacional de Lutas em Defesa da Educação Pública". Essa é uma ação urgente em face dos ataques que estão sendo realizados nas três esferas de governo contra o direito da população brasileira, especialmente os seus segmentos mais pobres, de ter escolas públicas, gratuitas e de qualidade.


Em Campos dos Goytacazes, as diferentes categorias que estão em luta contra o projeto de destruição do ensino público que está sendo executado pelo governador Luiz Fernando Pezão estão realizando atividades para apoiar este dia nacional de luta.

No caso dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) que estão em greve desde o dia 03 de Agosto, a Associação de Docentes realizou um encontro na parte da manhã para marcar este dia e preparar a continuidade da luta em defesa da Uenf que está sendo atacada de forma frontal pelo governo do Rio de Janeiro.


Já na parte da tarde quem está realizando atividades de protesto nas ruas de Campos dos Goytacazes são os estudantes e servidores das escolas ligadas à Faetec onde também está ocorrendo um processo de greve contra o atraso no pagamento de salários e de falta de verbas de custeio para as atividades essenciais.


A unificação das ações que estão ocorrendo dentro das diferentes categorias será essencial para derrotar o projeto de desmanche da educação público.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Delegação da UENF participa da " Marcha dos Sem Salários" no Palácio Guanabara


Em greve desde a última 5a. feira por causa do atraso no pagamento de salários referentes a quatro meses, os professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) participaram hoje da "Marcha dos Sem Salários" que reuniu servidores estaduais das diversas categorias discriminadas pelo governo do Rio de Janeiro. 




A delegação da Uenf também reuniu estudantes organizados pelo Diretório Central dos Estudantes que se uniram à marcha para protestar contra os atrasos também crônicos no pagamento de suas bolsas acadêmicas.

Abaixo divulgamos um vídeo produzido pela ADUENF para divulgar essa importante atividade política que visa pressinar o governo Pezão a voltar a financiar de forma correta as universidades estaduais.



Uma coisa é certa: nós não aceitaremos passivamente a destruição da Uenf!

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Delegação da UENF estará presente em ato no Palácio Guanabara

Nesta 3a. feira ocorrerá um ato político na frente do Palácio Guanabara para exigir o pagamento dos salários atrasados para mais de 200 mil servidores estaduais.

A comunidade universitária da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf)  enviará uma delegação formada por professores e estudantes que deverão levar para o ato as bandeiras relacionadas ao pagamento de salários e bolsas atrasadas e também o retomada do pagamento das verbas de custeio que estão suspensas desde Outubro de 2015!

Essa ação unitária é um marco na unificação  da comunidade universitária da Uenf em torno dos esforços coletivos que estão sendo realizados para derrotar o projeto de destruição do serviço público estadual que está sendo executado pelo governo Pezão.


Equipe da GloboNews visita UENF para produzir matéria sobre crise causada pelo governo Pezão


Uma equipe da GloboNews comandada pelo jornalista Luciano Soares visitou nesta 2a. feira (07/08) para gravar uma série de entrevistas sobre a crise financeira que vem colocando sob risco a sobrevivência da Universidade Estadual do Norte Fluminense.

Além de gravar entrevistas com o reitor da Uenf, Luís Passoni, e com presidente da ADUENF, a equipe da GloboNews também visitou laboratórios e gravou entrevistas com professores cujas pesquisas estão ameaçadas de serem interrompidas, o que deverá afetar diretamente a realização de trabalhos por estudantes de graduação e pós-graduação.

Segundo foi informado pela equipe, este matéria deverá ir ao ar amanhã ou nos próximos dias.


sábado, 5 de agosto de 2017

Em ato de solidariedade, professor e chargista da UFF/Campos produz charge para a greve da UENF

 O cientista político Márcio Malta, professor da Universidade Federal Fluminense em Campos dos Goytacazes,  é também um chargista talentoso. Em mais um ato de solidariedade à luta dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), o professor  Malta produziu a charge abaixo.



O Comando de Greve da ADUENF agradece ao Prof. Márcio Malta por este gesto de solidariedade na luta pela defesa da Uenf.

Com esse tipo de ação solidária, iremos avançar e derrotar o projeto de destruição do governo Pezão.



sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Greve na UENF: Comando dos professores envia documento ao governador para requer audiência





O Comando de Greve  da Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (ADUENF) enviou na tarde desta 6a. feira (04/08) um ofício ao governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, informando sobre a deflagração do movimento paredista causado pelo atraso no pagamento dos salários de Maio e Junho e do 13o. salário de 2017 (ver  abaixo reprodução digital da correspondência).





O documento solicita que o governador do Rio de Janeiro realize uma audiência com o Comando de Greve da ADUENF para que se chegue a uma solução para o impasse criado pela falta do pagamento dos salários. No documento ainda há uma menção ao fato de que os professores da Uenf são uma das poucas categorias do serviço público estadual que cumprem contratos no regime de Dedicação Exclusiva, o que torna a falta de pagamento dos salários um problema ainda mais grave, visto que os mesmos estão assim legalmente impedidos de possuírem outras fontes de vencimentos.

A mesma correspondência foi enviada para o reitor da Uenf, Luís Passoni, e para os secretários de Fazenda, Gustavo Barbosa, e o de Ciência e Tecnologia, Gustavo Tutuca.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Ururau: Professores da Uenf em greve a partir desta sexta-feira


Professores da Universidade Estadual Fluminense (Uenf) Darcy Ribeiro, em Campos, estão em greve a partir desta sexta-feira (04/08), segundo informou a presidente da Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf), Luciane Soares. A paralisação não é por tempo indeterminado, entretanto, os servidores só retornarão aos trabalhos quando o governo do Estado pagar os três meses de salário e mais as duas parcelas do 13º (do ano passado) em atraso.

A decisão unânime foi tomada durante assembleia, realizada na tarde desta quinta-feira (03/08), na instituição. De acordo com a presidente, a última quantia paga pelo governo foi no valor de R$ 550, em maio deste ano.
“Teremos uma assembleia no dia 16 de agosto, que é uma das datas dada pelo estado para regularizar a vida dos 207 mil servidores (Faetec, Saúde, Cultura, aposentados e pensionistas) que estão sem receber. Portanto, quando o governo pagar os salários e voltar arcar com a verba de custeio, temos o compromisso de retornar as atividades”, ressaltou Luciane.
O vice-presidente da Aduenf, Marcos Pedlowski, disse que as aulas do segundo semestre reiniciaram, mas podem ser suspensas. Ainda de acordo com ele, o déficit financeiro da Uenf já teria ultrapassado RR$ 30 milhões com concessionárias e fornecedores.
“O último repasse feito pelo estado foi em outubro de 2015. De lá pra cá não entrou mais nada, com a desculpa de que o pagamento dos servidores é prioridade”, comentou Pedlowski.
FONTE: http://novosite.ururau.com.br/cidades/21d582528f6ec42b6e1a994fb3abb360dbc0af4b_professores_da_uenf_em_greve_a_partir_desta_sexta_feira

Folha da Manhã: Em assembleia, Uenf aprova greve por tempo indeterminado



Por MATHEUS BERRIEL 

Em assembleia realizada no final da tarde desta quinta-feira (3), com quase duas horas de duração, o corpo docente da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) aprovou o início imediato de greve, com adesão de toda a categoria. A proposta apresentada pela diretoria da Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf) teve 65 votos favoráveis, além de 51 contrários e seis abstenções. Com isso, as aulas do segundo semestre, que haviam acabado de ser iniciadas, foram suspensas. A greve se estenderá por tempo indeterminado, até que sejam quitadas as dívidas do Governo do Estado com os servidores, que estão sem receber os salários dos últimos três meses e o 13° de 2016.

- Isso representa uma resposta à indignidade com a qual o Governo vem nos tratando, com a falta de pagamento dos salários e cumprimento do calendário que havia sido apresentado até então. Representa também a nossa união com as categorias sem salários da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), da Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo), da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), aposentados e pensionistas, Cultura e Saúde - disse a presidente da Aduenf, Luciane Silva.

Na mesma assembleia, também foi aprovada, por maioria absoluta, a necessidade da reitoria da Uenf emitir um posicionamento institucional sobre a viabilidade ou não das condições de funcionamento da instituição e, consequentemente, de trabalho dos servidores. Ao final, foi formado um comando de greve, que será composto por quatro integrantes do Centro de Ciências do Homem (CCH), dois do Centro de Biociências e Biotecnologia (CBB), dois do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA) e um do Centro de Ciência e Tecnologia (CCT).

O grupo se reunirá em breve para definir alguns pontos na sequência da luta de resistência dos professores da Uenf. Já ficou definido que haverá adesão a um ato que será realizado na próxima terça-feira (8), no Palácio da Guanabara, sede do Governo do Estado, no Rio, com a presença de servidores da Uerj e da Uezo, que já estavam em greve, bem como à manifestação nacional pela educação da próxima sexta (11).

FONTE: http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/08/geral/1223001-em-assembleia-uenf-aprova-greve-por-tempo-indeterminado.html

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado


Em uma assembleia que contou com a participação de mais de 120 professores, e após uma exaustiva discussão sobre como enfrentar a grave crise causada pela falta de pagamento de salários e bolsas, foi aprovada a proposta da diretoria da Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (ADUENF) de entrada em greve por tempo indeterminado.  Isto implicará na suspensão imediata das aulas dos cursos de graduação e pós-graduação.

A decisão por ampla maioria foi alcançada após a diretoria da ADUENF apresentar um balanço das reuniões realizadas na Secretaria Estadual de Fazenda em que ficou evidente a indisposição do governo Pezão de sequer apresentar um calendário para o pagamento dos quatro salários devidos aos professores.  Nesse quesito causou especial comoção a afirmação do chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Fazenda de que a decisão de pagar ou não os salários dos professores da UENF  é uma "decisão de governo".


Um aspecto que ficou bastante claro na assembleia é que a ampla maioria dos professores presentes considera inaceitável  o tratamento que tem sido dispensado à UENF, não apenas no tocante ao atraso dos salários dos servidores e bolsas que sustentam os estudantes, mas também na falta de repasses financeiros para a instituição custear suas atividades essenciais.

O Comando de Greve da ADUENF realizará uma primeira reunião nesta 6a. feira (04/08) para organizar um cronograma de atos políticos para pressionar o governo Pezão a mudar sua atitude em relação às universidades estaduais.

A UENF é um patrimônio da população do Rio de Janeiro e não aceitaremos a sua destruição de forma passiva. Essa é a mensagem que emerge de uma assembleia histórica e que certamente terá fortes repercussões na luta em defesa da UENF.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Site Ururau publica matéria sobre assembleia dos professores da UENF

 Professores poderão entrar em greve por falta de salários

 Ururau. Professores poderão entrar em greve por falta de salários

Professores da Universidade Estadual Fluminense (Uenf) poderão entrar em greve ainda esta semana. A informação é do segundo vice-presidente da Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf), Marcos Pedlowski. Ele informou que nesta quinta-feira (03/08), às 16h, os professores realizarão a assembleia para definir os próximos passos, com o indicativo de greve e adesão de toda a categoria. As aulas do segundo semestre reiniciaram, mas podem ser suspensas.
“Não há uma sinalização de quando serão pagos os salários atrasados. Já estamos indo para quatro meses de atraso, incluindo o 13º salário do ano passado”, disse.
Pedlowski ressalta que na pauta está a reivindicação da regularização do custeio da Uenf. “Sem isso, vamos continuar bancando o funcionamento da universidade com nossos salários. Salários estes que não estamos recebendo há meses”, ressaltou.
De acordo com o segundo vice-presidente, o déficit financeiro da Uenf já teria ultrapassado RR$ 30 milhões com concessionárias e fornecedores. “O último repasse feito pelo estado foi em outubro de 2015. De lá pra cá não entrou mais nada, com a desculpa de que o pagamento dos servidores é prioridade”, comentou.

 Reportagem: Ururau,  Fonte Redação

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Greve de professores na UERJ, assembleias na UEZO e na UENF

Em uma assembleia bastante concorrida, os professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) mantiveram por expressiva maioria a greve iniciada no dia 06 de Julho. 


Os professores da  Uerj exigem a regularização dos pagamentos dos salários para retomarem às atividades.  O primeiro ato da greve será o Quem Paga O Pacto? Crise E Financiamento Nas Universidades | UerjNaPraça, nesta quinta-feira (03/8), com as participações dos professores Bruno Sobral e Lia Rocha.

A presidente da Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (ADUENF), professora Luciane Soares, esteve presente na assembleia da Uerj e se manifestou no sentido de ressaltar a importância de que sejam realizadas ações conjuntas entre os servidores das três universidades estaduais para combater o projeto de destruição que está sendo executado pelo governo do Rio de Janeiro.

Nesta 4a. feira (02/08) será a vez dos professores do Centro Universitário da Zona Oeste (Uezo) se reunirem para decidirem se também entrão em greve pelos mesmos motivos que motivam a greve na Uerj.

Já na próxima 5a. feira (03/08) será a vez dos professores da Uenf realizarem sua assembleia para decidir como fazer frente aos ataques realizados pelo governo do Rio de Janeiro. A assembleia dos professores da Uenf ocorrerá no auditório 2 do P-5, a partir das 16:00 horas.