terça-feira, 1 de novembro de 2011

PROFESSOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ENVIADA CARTA À PRESIDENTE DILMA




CARTA DO PROFESSOR VALDIR A PRESIDENTA

A uma brava defensora da democracia Cara Presidenta, creio que nos anos de chumbo sob o comando do  General Garrastazu Médici a Senhora ao ser presa injustamente tinha plena consciência dos motivos, pois sabia que estava lutando contra um Estado tirânico. Entretanto, eu Valdir Aparecido de Souza desconheço os reais motivos de minha prisão. Sou descendente de escravos, tapuias e imigrantes, casado com filha de imigrantes e pai de dois jovens rondonienses. Já fiz de tudo, comecei aos 10 anos como jornaleiro, fui  bancário, me graduei em História na UNESP/Assis e há duas décadas atuo como Professor de História da 
Universidade Federal de Rondônia.

Paralelamente a isso atuo como Membro da Associação Cultural Rio Madeira; do Conselho do Negro de Porto Velho (CONEGRO) pela Capoeira, participo do Fórum de Defesa da Criança e do Adolescente de Candeias e do Fórum Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente de Rondônia. Vivo nesta sociedade carente de fronteira onde criei meus dois filhos sem as mínimas condições de assistência. Sofremos como todos os outros as mazelas, da ausência de creches, água tratada, esgoto, escolas e hospitais.

Em minha vida passei a engrossar as estatísticas ao ser vítima de vários assaltos, mas nada disso foi tão humilhante quanto ser vítima de Instituições que deveriam garantir o Estado de Direito. Este país, considerado a sétima economia do mundo, mas que em relação aos níveis de corrupção pode ser comparado a países extremamente pobres mais uma vez mostrou sua capacidade de promover a corrupção em prol de interesses particulares.

Assisto há vinte anos o desmonte e a privatização da Universidade Federal de Rondônia. Vi desde a malversação dos recursos públicos, os desvios de função da Universidade e principalmente a tomada desta por  grupos políticos. A Fundação Riomar tem servido tão somente para a captação de recursos e a manutenção de grupos no poder de mando na UNIR.

Essa situação chegou a este ponto porque apesar das inúmeras denúncias feitas há muitos anos pouco se tem apurado e pouco se tem resolvido quanto a estes desmandos.

Tudo isso acontecendo aqui com o consentimento do Ministério da Educação. 

E qual o desfecho? Eu, um cidadão lutando em defesa de uma educação pública e de qualidade sou preso e interrogado por pessoas que mantêm relações duvidosas com personalidades políticas. Um "flagrante" cercado de acusações e incriminações infundadas.

A diferença entre eu e Vª Excia é que naquele período de exceção a Senhora lutava bravamente contra a ditadura e hoje eu luto contra a corrupção que corrói as bases deste governo, que fecha os olhos para os desmandos praticados longe de Brasília.

Sinceramente espero que Vª Excia não compactue com este tipo de coisas e puna os responsáveis por esse "mar de lama" que se incrustou em nossa Universidade, a qual tem servido apenas para o desvio de recursos públicos. Anseio que meus filhos e os estudantes desta Universidade possam um dia se sentir parte desta Nação. Porque no momento esta corrupção tem feito com que eles e todos os estudantes desta Universidade sintam  medo pelas suas vidas e de seus responsáveis.

Por favor, Presidenta Dilma, lhe peço encarecidamente. Faça com que os filhos deste país possam se sentir amparados. Amorosamente aguardo sua resposta.

Valdir, um brasileiro a seu dispor!