Médicos-residentes ameaçam cruzar os braços em todo país

Caso o reajuste de 38,7% no valor da bolsa, repassada pelo governo federal, não seja atendido, os mais de 17 mil futuros médicos do país podem cruzar os braços Eles recebem R$ 1.916,45 mensais e também reivindicam auxílio-moradia, auxílio-alimentação e a ampliação da licença-maternidade de quatro para seis meses.

O presidente da Associação dos Médicos-Residentes, Nivio Lemos Moreira Junior, explica que os profissionais pedem o aumento no valor da bolsa desde 2007. O documento com as reivindicações foi entregue ontem aos ministérios da Educação e da Saúde. Nele, a entidade dá o prazo de 15 dias para o governo negociar com a categoria.

Não havendo resposta no prazo estipulado, os residentes de todo o país entrarão em greve. “Quem tem mais tempo de residência se torna um profissional mais preparado. Ele também necessita de tempo livre para estudar. Isso melhora a qualidade de atendimento nas unidades de Saúde”, diz.

As condições de trabalho são precárias e isso reflete diretamente na saúde pública, afirma o presidente da Associação Brasiliense de Médicos-Residentes do Distrito Federal, Cassio Rodrigues Borges. “Essa estrutura ruim atrapalha a profissão desses residentes e isso causa um impacto negativo, ressalta”. O Ministério da Saúde e o Ministério da Educação ainda não têm informações sobre o documento, por isso não se pronunciaram sobre o assunto. (ABr).

Fonte: odiarionews.net

Postagens mais visitadas deste blog

ADUENF envia carta ao reitor da UENF solicitando respeito ao direito dos estudantes

Diretoria da ADUENF envia ofício ao reitor da UENFcomunicado suspensão da greve

Nota de Repúdio contra o abuso de autoridade no arrombamento do DACOM da UFF Campos