Folha da Manhã faz matéria sobre assembleia da ADUENF


Professores da Uenf decidem manter estado de greve



Por Marcus Pinheiro. Foto: Marcos Gonçalves

Professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) decidiram manter o estado de greve - instituído pela categoria no último dia 9 - até o próximo dia 1 de setembro, quando uma nova reunião determinará os próximos passos a serem adotados pela categoria. A decisão foi tomada pela maioria dos docentes presentes em uma assembleia realizada na sede da Associação de Docentes da Uenf (Aduenf), na tarde desta terça-feira (23), um dia após as aulas referentes ao primeiro semestre letivo terem sido iniciadas, depois de quatro meses de paralisação dos professores.

Após votação, ficou acordado a permanência do estado de greve e a realização de um ato conjunto entre docentes, discentes e técnicos, programado para o próximo dia 30, no entorno do Centro de Convenções, chamado por muitos de "Apito", e será feito por meio de um abraço coletivo à construção. Representantes da universidade participarão de uma reunião prevista para acontecer no próximo dia 31, na sede da Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro (Sefaz), com o intuito de pressionar os líderes do governo estadual para que as demandas da classe sejam atendidas.

De acordo com a presidente da Aduenf, Maria Angélica da Costa Pereira, a intenção dessa reunião é sensibilizar os governantes e conquistar soluções para as causas da universidade.

Além disto, também ficou acordado que um documento produzido pelo Centro de Ciências do Homem (CCH-Uenf), relatando todo o histórico de dificuldades enfrentadas nos últimos anos pela entidade, será assinado por toda a comunidade interna do campus, a nível de conhecimento e esclarecimento popular.

Dentre as principais preocupações em relação ao retorno dos alunos, está o efetivo reduzido dos profissionais responsáveis pela segurança no interior da universidade e, em especial, no período noturno. Segundo os docentes, não existem garantias de proteção com apenas 30% do expediente em exercício.

– Retornar nas condições que nós temos é irresponsável, principalmente, de noite. Eu quero saber quem vai se responsabilizar pela primeira morte que vier a ocorrer aqui dentro. Além disso, não temos reagentes nos laboratórios, não temos rações para os animais e não temos papel para fazer prova. Muita gente está sem tintas nas impressoras. A realidade é caótica – apontou o professor Marcos Pedlowski.

FONTE: http://www.fmanha.com.br/geral/professores-da-uenf-decidem-manter-estado-de-greve

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro