Grevistas da Uenf levam indignação para as ruas

Professores em greve se concentraram na Pelinca

Há um mês em greve, sem indicação de abertura de negociação com o governo, professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) levaram sua indignação ao público na noite desta quinta-feira, na Avenida Pelinca, uma das mais movimentadas de Campos. Os docentes pedem reajuste salarial de 65%, alegando que os professores da Uenf têm o menor salário do país.

Segundo o presidente da Associação dos Professores da Uenf (Aduenf), Raul Ernesto, a categoria esteve 66 vezes no Rio buscando entendimento com o governo. Na terça-feira, pela primeira vez, foram recebidos pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj), Paulo Melo. “Ele se comprometeu a tentar abrir um canal de negociação. Não estamos falando de um movimento eleitoreiro. Nosso movimento é em defesa da qualidade de ensino da universidade”, disse Raul.

Os professores da Uenf com doutorado e que trabalham em sistema de dedicação exclusiva ganham hoje R$ 6,7 mil. O reajuste pleiteado elevaria para R$ 11 mil. “Dedicamo-nos exclusivamente à Uenf. Não podemos ter outra fonte de renda. Então, merecemos receber por isso. Nosso trabalho é formar profissionais. Quando eles passam em concursos e vem trabalhar conosco, já vem ganhando praticamente o mesmo que nós, que nos dedicamos há tanto tempo”.

Raul ainda lembrou que com o baixo salário é cada vez mais difícil garantir professores de qualidade. Segundo ele, os profissionais desistem da carreira em Campos, fazem prova para outras cidades e estados, são aprovados e vão embora. “Não conseguimos outros com a mesma qualificação para o lugar deles. Então, são contratados professores sem doutorado. Queremos a garantia de qualidade no ensino”, finalizou.

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro