Contagem regressiva: data limite para conceder reajuste se aproxima e governo não sinaliza avanço

Estudos e mais estudos. Esta foi a resposta da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) em relação à campanha salarial unificada da Aduenf, Asduerj e Sintuperj. Em reunião realizada nesta segunda-feira, dia 14, com o Superintendente de Carreira, Remuneração e Treinamento, Ivan Diniz, e seu assessor, Pedro Brás, ficou clara a postura intransigente do governo Cabral em não ceder reajuste. Desculpas como estudos técnicos, falta de dados sobre a situação das universidades e royalties do pré-sal foram recorrentes nas falas dos técnicos, seguindo a mesma lógica do governo.

A reunião aconteceu quatro dias depois que Cabral anunciou e retirou no mesmo dia um reajuste de 22% para instituições estaduais, dentre elas, a Uerj e seus técnico-administrativos. É importante lembrar que o governo atropelou o diálogo com as entidades, não discutiu valores e nossa defasagem continua em 82%. Novamente, utilizando o pretexto da divisão dos royalties do pré-sal para toda a União, sem privilegiar os Estados produtores, Cabral faz chantagem política com o salário do trabalhador.

“Se os 22% tivessem passado na Câmara e não tivesse a votação do pré-sal, como ficariam os estudos da Seplag? Como ficariam os docentes? Como ficaria a discussão do Plano de Carreira Docente (PCD), feito fora do Conselho Universitário, com uma distorção de 30% para os técnicos? A situação avança ou não, independentemente de Brasília?”, provocou Jorge Luís Mattos de Lemos, “Gaúcho”. O superintendente respondeu que os estudos continuarão para uma retomada de perspectiva. “Temos a intenção de fazer revisão dos planos e detectar as anomalias presentes”, informou.

Denúncia Indignados com a postura da Seplag, os representantes sindicais denunciaram, mais uma vez, a situação da Uerj e da Uenf. “Tivemos concurso público para dez vagas para o Centro de Ciência e Tecnologia (CCT) e metade não foi preenchida. Não conseguimos preencher as vagas e isto está tornando a situação da Uenf insustentável”, apontou o professor Luís Passone, membro do Conselho de Representantes da Aduenf. Marcos Pedlowski, presidente da Aduenf enfatizou: “Só temos um docente no curso de Ciência da Computação e, provavelmente, será fechado em breve”.

Por uma situação gritante passa o Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) sem infraestrutura de atendimento aos pacientes, formação dos universitários e pesquisa dos docentes. “Temos o setor de neurologia que está na iminência de fechar por falta de docente e técnico-administrativo. Sofremos com evasão, com aposentadorias e mortes dos servidores”, disse Gaúcho. Já o coordenador jurídico do Sintuperj, Antonio Virgínio Fernandes, alertou: “O Hupe deveria ser referência no Estado, mas está imerso no caos. Temos 50% de contratos e, recentemente, o diretor do hospital anunciou a demissão de mais funcionários contratados. Fica claro que o governo não investe em saúde e educação, já que todo ano há corte no orçamento”.

Guilherme Motta, diretor da Asduerj, denunciou a contradição das universidades. “A evasão de professores é alta e muito complicada em um momento que o País forma muito mais doutores. Os professores da Uerj vão embora para as federais que têm melhores condições de trabalho. Não podemos deixar de lado o serviço público estadual e permitir este desfinanciamento”, avaliou.

Greve é sinalização Um ponto que aflige os servidores públicos é o período eleitoral que impõe a concessão de reajustes salariais até uma determinada data – 2 de julho. “Sabemos que o governo pode sancionar a Lei que concede reajuste aos servidores até o mês que vem. Como nós ficamos?”, questionou “Gaúcho”. O superintendente, Ivan Diniz, afirmou que não tem tempo e essa questão envolve mais estudos. “Não tenho condições de atendê-los este mês”. Sem qualquer avanço nas negociações e sem perspectiva de reajuste salarial, as entidades começam a sinalizar indicativo de greve.

Até quando? Ficou evidente a contradição da Seplag. São quase dez anos sem reajuste, as universidades em pleno desfinanciamento público e ainda faltam estudos? A cada dia, um setor da Uerj sofre com a falta de infraestrutura. A cada dia, os trabalhadores vêem seus salários achatados. E ainda faltam estudos? Enquanto isso, os representantes da Seplag se transformam em bodes expiatórios de Cabral que insiste em não negociar com as entidades. É bom lembrar que o dinheiro dos royalties nunca foi e não é destinado às despesas fixas, como os salários dos servidores públicos. Portanto, mais uma farsa do governo Cabral com suas lágrimas de crocodilo. Servidor, vamos arrancar nosso merecido reajuste. 82% já!

FONTE: www.sintuperj.org.br

Postagens mais visitadas deste blog

ADUENF envia carta ao reitor da UENF solicitando respeito ao direito dos estudantes

Diretoria da ADUENF envia ofício ao reitor da UENFcomunicado suspensão da greve

Nota de Repúdio contra o abuso de autoridade no arrombamento do DACOM da UFF Campos