AUDIÊNCIA DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA ALERJ LOTA AUDITÓRIO DO CENTRO DE CONVENÇÕES DA UENF E APONTA CAMINHOS PARA A GREVE

Frente a um auditório completamente lotado, representantes da Reitoria, da ADUENF, do SINTUPERJ/UENF e do Diretório Central dos Estudantes teceram uma série de considerações sobre a grave situação em que a UENF se encontra neste momento. E as manifestações dos presentes não se ativeram apenas às questões salariais de professores e servidores, mas alcançaram também o problema da falta de recursos que, entre outras coisas, dificulta a permanência dos estudantes dentro da universidade.

O deputado Comte Bittencourt, presidente da Comissão de Educação da Alerj, indicou seu compromisso com as questões mais estratégicas para a Educação do estado do Rio de Janeiro. Na questão da UENF, Comte Bittencourt marcou sua fala por condicionar as propostas de expansão que o governo Cabral deseja a um correto processo de financiamento. Comte afirmou que não parece lógico querer a expansão e criação de novos campi na região noroeste, quando o campus principal em Campos dos Goytacazes já possui tantas dificuldades para funcionar. Além disso, Comte Bittencourt destacou sua posição contrária ao processo de terceirização, cobrando da Reitoria da UENF que evite aprofundar este processo, já que isto implica num processo de precarização do trabalho. 

De forma prática, Comte Bittencourt encerrou a audiência pública indicando dois compromissos claros: 1) a de trabalhar para que ocorra uma reunião dos sindicatos da UENF com o presidente da Alerj, deputado Paulo Mello, e 2) a realização de uma reunião da Frente Estadual em Defesa das Universidades Estaduais.

A partir desta audiência, os Comando de Greve da ADUENF e do SINTUPERJ/UENF deverão traçar os próximos encaminhamentos para fortalecer o processo de greve.




Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro