quinta-feira, 2 de agosto de 2012

COMUNICADO DA DIRETORIA DA ADUENF SOBRE A DECISÃO DE DEFLAGRAR GREVE A PARTIR DO DIA 10 DE AGOSTO




A diretoria vem a público para informar que após uma ampla discussão, em assembléia chamada para o pleito, ficou democraticamente determinada a entrada de greve para o dia 10 de Agosto. Na assembléia, com a participação de quase 70 professores, ficou claro a indignação dos professores da UENF por serem os professores universitários com doutorado em regime de Dedicação exclusiva com piores vencimentos de todo Brasil, segundo artigos do Jornal Folha de São Paulo do dia 2 e 3 Julho. O clímax da indignação foi a informação que em Março de 2015 os nossos vencimentos representarão apenas 40 % do vencimento dos professores que estejam trabalhando no regime de Dedicação Exclusiva nas universidades federais. 

Gostaríamos de esclarecer que chegamos a esta decisão após um ano e meio de tentar abrir a negociação com o governo Cabral. Mais de 60 viagens à cidade do Rio de Janeiro, mais de 500 horas de ônibus e avião, várias panfletagens, participação em inúmeras passeatas e vários documentos protocolados nas diferentes secretarias do governo, representam o caminho percorrido pela diretoria antes de decretar a entrada em greve da nossa querida UENF. Tentamos de tudo para evitar a greve, não por medo ou cansaço, e sim por estarmos cientes dos preguiçosos que a greve causa para todos e principalmente para os estudantes. Entretanto, não podemos continuar aceitando o desinteresse do Governo para com a nossa Universidade, chegando-se ou cúmulo do não pagamento da DE, a prostituição do nosso orçamento, e o contingenciamento dos esquálidos recursos que o governo repassa para a UENF. 

Como tínhamos esclarecido em comunicado anterior, o governo do Rio de Janeiro tem ainda um período para tentar negociar com os servidores da UENF para evitar a greve. Mantendo a característica de usar do diálogo como via principal de resolução dos nossos problemas, ficou determinada a participação de um grupo de professores no ato de boas vindas que as ASDUERJ está organizando nas escadarias da ALERJ no dia 1 de Agosto. Nesse ato entraremos em contato com os deputados para que seja marcada com urgência uma audiência do "Frente em defesa das universidades públicas do estado do Rio de Janeiro" para tentar negociar as exigências do movimento. 

Caros UENFIANOS, professores ou não, chegou a hora fortalecer o movimento, pois, lamentavelmente, duas máximas foram confirmadas; governo algum prioriza a educação, dado que para os atuais governantes, a Educação não dá votos, e a greve é a única ferramenta que os governos entendem na hora de ouvir e resolver as nossas demandas. Vamos nos unir para pedir aumento das bolsas dos alunos, para pedir reestruturação do PCV, pela recuperação das perdas salariais, e pelo justo pagamento da Dedicação Exclusiva. 

Finalmente, gostaríamos de conclamar  aos nossos colegiados para que discutam a realidade da UENF, e apóiem o nosso movimento pelo direito ao oferecimento do ensino gratuito, democrático e de qualidade. Basta de funcionar como bombeiros tentando apagar os diferentes fogos que surgem no dia a dia por falta de uma política correta de financiamento da universidade. Enfim, sem a devida e necessária autonomia financeira. 


A DIRETORIA