Alunos fazem protesto na Uenf em apoio a docentes

Os alunos tentaram impedir a entrada de professores nos prédios

Cláudia dos Santos e Telmo Filho Em apoio à paralisação de 24 horas de professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), alunos da instituição fizeram uma manifestação na manhã de ontem, na entrada principal do campus. Eles aproveitaram para reivindicar o término das obras do restaurante para servir o “bandejão” e o aumento do valor das bolsas. Também ontem, após reunião com o secretário Estadual de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso, o presidente da Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf), Marcos Pedlowsky, reclamou do que considera “intransigência” por parte do governo do Estado e disse haver grandes chances de retorno à greve por tempo indeterminado.

Segundo o universitário David Wigg, do Diretório Central, em assembléia na noite da última segunda-feira (22), os estudantes votaram pelo apoio aos professores. “Acreditamos que nos unindo, ajudamos aos professores no processo de aceleração da reposição salarial. Acreditamos que a greve é inevitável para acelerar a solução. Aproveitamos para levantar as nossas bandeiras também”.

O universitário expõe as principais reivindicações dos estudantes, que há anos lutam para a implantação de um restaurante que atenda às necessidades dos alunos, que são obrigados a pagar por alimentação mais cara. “Os valores das bolsas também estão muito defasados”.

David observa que o aluno que possui a bolsa de apoio acadêmico recebe apenas R$ 300,00 para se manter. Os alunos contam ainda com as bolsas de extensão e de iniciação científica, que pagam R$ 360,00 cada. “Só podemos ter uma bolsa. Como nos manter pagando pela sobrevivência com valores tão baixos?”.

Impedido pelos manifestantes de entrar na universidade, o professor Alberto Fernandes disse que ao impedem a pessoa de ir e vir, os manifestantes ferem a Constituição Federal. “A atitude deles é insensata e antidemocrática. Além disso, atrapalha todo o processo natural dos trabalhos de pós-graduação. Apesar de ser a favor do movimento, a atitude dos alunos é irresponsável”.

Após reunião, professores podem parar por tempo indeterminado

De acordo com o presidente da Aduenf, Marcos Pedlowski, na reunião no Rio houve um entendimento de reposição salarial em 22% e concessão de uma bolsa aos professores, sem o secretário Alexandre Cardoso ter definido valores e critérios. “Ele (o secretário) nos pediu 10 dias para apresentar as contrapropostas ao governador Sérgio Cabral e afirmou que, havendo greve, não negocia”, comentou.

Diante disso, Pedlowski informou que foi marcada para hoje, às 10h, uma assembléia dos professores para discutir o resultado da reunião na capital fluminense. Às 15h será a vez da Aduenf realizar uma reunião comunitária para definir os próximos passos do movimento. “Saímos da reunião frustrados e desapontados e acredito em grandes chances de retornarmos com a greve por tempo indeterminado”, concluiu.

Fonte: http://www.odiarionews.net/wordpress/geral/alunos-fazem-protesto-na-uenf-em-apoio-a-docentes/

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro