sábado, 28 de agosto de 2010

ANDES-SN apoia greve na UENF e repudia sindicância contra liderança docente

O ANDES-SN divulgou nesta quarta-feira (25/8) uma Moção de Apoio e solidariedade aos docentes e funcionários da Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF, em greve geral desde o dia 16 de Agosto, data em que a instituição completou 17 anos.

O sindicato Nacional repudia também a atitude do reitor Almyr Junior Cordeiro de Carvalho, que abriu processo de sindicância contra o presidente da Associação dos Docentes da UENF - ADUENF Seção Sindical, como forma de intimidação contra a liderança.

Reivindicações

O motivo da greve é a exigência de que o governo Sérgio Cabral conceda uma reposição de 82% sobre os salários, em função das perdas salariais acumuladas apenas nos últimos 10 anos.

A assembléia dos professores que, no dia 16/8, reuniu em torno de 70 docentes da UENF acabou decretando a greve por tempo indeterminado por uma maioria clara de 50 votos favoráveis contra 11 contrários.

A proposta da diretoria da Aduenf Seção Sindical inclui não apenas a questão da reposição das perdas salariais, mas também da recuperação do valor real do orçamento da UENF para 2011, visto que nos últimos quatro anos o orçamento da instituição está congelado na casa dos R$ 100 milhões, o que de fato implica numa diminuição do valor real do orçamento em função do processo inflacionário ocorrido desde 2007.

Na quarta-feira (18/8), a greve foi reforçada pela adesão dos docentes da UENF lotados no campus avançado de Macaé onde estão alojados os laboratórios de Engenharia e Exploração de Petróleo e o De Meteorologia.

Com a adesão de Macaé, a greve na UENF mostra-se como uma resposta contundente ao tratamento dado pelo governo Sérgio Cabral que até o presente momento estava se negando a qualquer negociação direta com os sindicatos representativos de professores e técnicos.

Conquistas

A força deste movimento já teve um primeiro resultado que foi a indicação pelo governador do secretário Luiz Edmundo Horta para iniciar o processo de negociação. A partir desta indicação é possível que haja uma modificação no tratamento dado pelo governo do Rio de Janeiro à UENF.

Na quarta-feira, houve uma manifestação numerosa onde professores, servidores e estudantes da UENF foram ao centro da cidade de Campos dos Goytacazes para explicar os motivos da greve à população e pedir apoio para a abertura das negociações.

O Comando de Greve Unificado composto por representantes da ADUENF e do SINTUPERJ estabeleceu uma agenda de atividades para os próximos dias, de modo a ampliar o diálogo com a população de Campos e estender este processo até o município de Macaé.

Sindicância

O presidente da ADUENF-SS, Marcos Pedlowski, está sofrendo processo de sindicância por em função do editorial publicado do Jornal da ADUENF-SS. Para a diretoria do ANDES-SN, a sindicância é uma forma de intimidar o sindicalista, atacando a liberdade de expressão, autonomia sindical e o direito de greve.

Em função disso, exige a retirada da comissão de sindicância constituída com o nítido objetivo intimidatório por parte da Reitoria e solicita negociação imediata da justa pauta de reivindicação salarial dos trabalhadores da UENF.