terça-feira, 31 de julho de 2012

COMUNICADO DA DIRETORIA DA ADUENF ALERTA SOBRE ATAQUES DO GOVERNO E SINALIZA POSSIBILIDADE DE GREVE DOS PROFESSORES



A semana passada foi uma semana com pouca ação coletiva, porém, com muita ação da diretoria. Iniciamos a semana com mais uma tentativa do governo de retirar mais um direito dos trabalhadores da UENF; a INSALUBRIDADE. Cientes de que objetivo do governo é tirar a o pagamento da insalubridade dos servidores da UENF, contatamos a Reitoria da UENF para que nos fosse esclarecida esta questão. Acontece que a decisão de reavaliar as concessões existentes e analisar novos veio sim do governo estadual, e não da FIRJAN como havia sido veiculado informalmente, existindo ainda uma comissão de avaliação que está sendo presidida por um médico do Estado. Enfim, o circo está armando para RETIRAR MAIS UM DIREITO DOS SERVIDORES DA UENF. A notícia menos forte é de que o governo não assume a existência de irregularidades no processo realizado anteriormente.

Gostaríamos de lembrar a todos que o pagamento da insalubridade não é realizado porque o governo gosta dos servidores, pois o mesmo é pago em função do ambiente agressivo de trabalho que certamente repercute na nossa saúde,podendo-se manifestar os sintomas a qualquer momento. Enfim é o pagamento em dinheiro pelos anos que podemos viver a menos em função do ambiente de trabalho. 

A dúvida em questão é: o quê fazer? Pois bem, a recomendação é preencher os formulários da mesma forma que foram preenchidos os anteriores, quando foi concedida a insalubridade. Se as condições iniciais de concessão do direito foram mantidas não tem porque ser retirado o direito. Como conhecemos o governo atual, evidentemente teremos que nos preparar para o pior. Portanto, a diretoria da ADUENF recomenda que os associados deixem cópias dos novos e velhos documentos na nossa secretaria. O objetivo é o de preparar um processo judicial caso o governo tente retirar este direito. 

Paralelamente, falamos com a reitoria sobre a possibilidade de implantação da insalubridade na Lei 4008 que se refere à UENF. Segundo informações da Assessoria Jurídica da UENF, esta demanda é possível de ser atendida, pois na lei existe a possibilidade do pagamento, porém, não está regulamentado como o mesmo será feito. Caberá assim aos colegiados na UENF determinar a pertinência do pedido. 

No relativo ao processo de remuneração do regime de Dedicação Exclusiva, nos reunimos esta semana com um representante do governo Cabral. Nesta conversa ficou explicito que no dia 1° de Agosto o governo estadual deverá enviar uma mensagem para a ALERJ relativa à implementação da DE na UERJ. Os nossos questionamentos acerca de qual o valor a ser pago, a data de implementação,e a quantidade de professores que serão beneficiados não foram esclarecidos. Entretanto, ficou bem claro que nada seria enviado em relação a UENF. Segundo o membro do governo foi detectado que evidentemente a UENF pleiteará o pagamento, porém, o governo Cabral pretende avaliar o pedido em "outro momento". 

Caros ADUENFIANOS, ante esta resposta do governo Cabral não podemos tomar outra medida a não ser aprofundar a campanha salarial. Deixamos claro para o nosso interlocutor no governo Cabral que com o aumento proposto pelo governo Dilma para as universidades federais, os docentes da UENF, únicos com DE nas universidades estaduais fluminenses até o momento, passaram a ser professores de segunda categoria, e que isso não poderá ser aceito. Neste sentido, indicamos que estamos exigindo do governo Cabral o estabelecimento de vencimentos iguais aos que serão recebidos pelos professores das universidades federais. Caso contrário vamos a ter mais uma grande debandada professores da UENF. Para efeito demonstrado adicionamos ao abaixo uma tabela de comparação entre professores doutores com DE em inicio da carreira. 


   
Atual
Março de 2013
Março de 2014
Março de 2015
Vencimento inicial das federais para doutor 40 horas/DE
7932
8990
10047
11104
 Diferença do Vencimento inicial UENF
-1226
-2284
-3341
-4398
Desvalorização do vencimento UENF em relação às Federais (%)
-18,3
-34,1
-49,8
-65,6
Relação porcentual do vencimento UENF em relação à universidades federais
84,5
74,6
66,7
60,4

Finalmente gostaríamos de deixar claro que a diretoria da ADUENF sempre foi a favor do dialogo e a tentativa de resolução dos problemas por meio da negociações. Entretanto, temos também experiência em outras lutas. Para tal, estamos convocando a todos os associados para uma assembléia geral nesta terça-feira (31/07), onde decidiremos especificamente quando vamos a entrar de GREVE, pois parece que está é a única forma que o governo entende para atender os nossos direitos. Nesta assembléia deveremos formar um grupo para ir à ALERJ o dia 1° de Agosto para recepcionar os deputados em seu retorno do recesso parlamentar tendo em vista que algumas ações agora se tornam imprescindíveis: audiência pública da Comissão de Educação; audiência pública do Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Estaduais; reuniões com os deputados que sempre apoiaram a UENF, e finalmente reunião com o presidente da casa Paulo Melo. 

Compareçam na assembléia, pois a mensagem que temos é claro: temos de nos preparar para defender os nossos direitos de uma forma ampla e inequívoca!


DIRETORIA DA ADUENF
GESTÃO UNIÃO, FORÇA E RESPEITO 2011-2013.

domingo, 22 de julho de 2012


Servidores da Uerj protestam perto da casa de Cabral, cercada por PMs

‘Até parece que somos tão perigosos assim’, discursou professor.
Manifestantes reivindicam reajuste salarial e planos de carreira.
Ao todo, 18 homens do Batalhão de Choque da PM acompanhavam os cerca de 50 manifestantes  (Foto: Bernardo Tabak/G1)
Ao todo, 18 homens do Batalhão de Choque da PM acompanhavam os cerca de 50 manifestantes

Cerca de 50 professores, funcionários e alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro(Uerj) protestaram neste domingo (22), na orla da Praia do Leblon, em frente ao Posto 12, na Zona Sul da cidade. Os manifestantes – que pedem reajuste salarial e implantação do regime de trabalho em dedicação exclusiva, entre outras reivindicações – criticaram a quantidade de policiais deslocada para acompanhar o protesto. “Até parece que nós, professores e funcionários da Uerj, somos tão perigosos assim”, discursou, ao microfone, Guilherme Mota, presidente da Associação de Docentes da Uerj, onde dá aulas desde 2005.
 Quando chegamos à praia, fomos surpreendidos por um efetivo de policiais bastante grande para uma manifestação de professores, estudantes e funcionários de uma universidade. A gente não se acha tão perigoso assim”, criticou Mota. “Os policiais impediram que a gente chegasse até a entrada do prédio onde o governador mora, na Rua Aristides Espínola, para fazer um ato. Mas, na orla da praia, tenho certeza de que estamos em um espaço público, e não há nenhuma necessidade de nos tirar daqui”, complementou o professor.

O professor Guilherme Mota (à esquerda) negocia com o responsável pelos homens do Batalhão de Choque (Foto: Bernardo Tabak/G1)

O professor Guilherme Mota (à esquerda) negocia com o responsável pelos homens do Batalhão de Choque

Ao todo, um ônibus e cinco viaturas do 23º BPM (Leblon), além de dois furgões e três picapes do Batalhão de Choque, em um total de cerca de 30 policiais militares, vigiavam a manifestação, na orla e em dois pontos estratégicos da Rua Aristides Espínola.
Além disso, seis seguranças à paisana estavam próximos à entrada do edifício onde mora o governador.
Procurada , a assessoria de imprensa do governador informou que ainda não há nenhuma posição ou nota oficial sobre o protesto.
‘Pedimos aos céus para que Cabral negocie’

Logo no início do protesto, no fim da manhã, balões de gás foram lançados ao céu, com cartazes onde se lia “#Negocia, Cabral!”, já que a intenção dos grevistas é espalhar os protestos pelas redes sociais, como o Twitter e o Facebook. “Os balões significam que estamos pedindo aos céus para que o governador Sérgio Cabral negocie conosco. Estamos há 42 dias em greve, e ele não nos recebeu para nenhum tipo de negociação, nem ofereceu propostas para reivindicações que já fazemos há anos, e são conhecidas pelo governo”, explicou Mota.
Na entrada do prédio do governador, PMs, um carro da Tropa de Choque e seguranças à paisana (ao fundo) (Foto: Bernardo Tabak/G1)

Na Entrada do prédio do governador, PMs, um carro da Tropa de Choque e seguranças à paisana (ao fundo)


No asfalto, manifestantes seguravam uma enorme faixa onde se lia: “Estamos em greve”. Professores e funcionários técnico-administrativos se alternavam em discursos ao microfone, pedindo que o governador esteja aberto às negociações. De acordo com Guilherme Mota, mais de 60% dos professores e funcionários aderiram à greve. “As atividades essenciais, como as do Hospital Universitário Pedro Ernesto, continuam funcionando”, ressaltou ele.

Mota afirmou ainda que o hospital está sucateado, ainda mais após o incêndio do começo de julho. “Tem locais no hospital que estão funcionando sem energia elétrica, e sem circuito de oxigênio. As condições não são favoráveis, mas o hospital continua funcionando da melhor forma possível”, destacou.

Os grevistas também reivindicam reformas nos planos de carreira dos técnicos, reclamam que estão sem reajuste real desde 2001 e pedem reajustes nas bolsas estudantis e ampliação do bandejão do campus Maracanã.

Na orla do Leblon. os professores, funcionários e alunos da Uerj protestavam pacificamente (Foto: Bernardo Tabak/G1)
Na Orla do Leblon, professores, funcionários e alunos da Uerj protestavam pacificamente

sexta-feira, 20 de julho de 2012

COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO DO RIO DE JANEIRO CONVOCA ATO PARA O DIA 23 DE JULHO!




Na próxima segunda-feira , 23.07 , realizaremos um ato para manter a visibilidade do nosso movimento. O mote do ato é "PEGA NA MENTIRA!!" . Pretendemos estar na rua para esclarecer a população acerca das razões da continuidade da greve , denunciar as mentiras divulgadas com relação à negociação com os professores e pressionar por negociações efetivas para estudantes, técnicos-administrativos e professores da educação pública federal em greve.

Local: Barcas (Praça XV)

Horário: 14 às 18 horas

APOIE E PARTICIPE!


quarta-feira, 18 de julho de 2012

ASSEMBLÉIA DE PROFESSORES REFERENDA DOCUMENTO DA DIRETORIA ADUENF SOBRE A SITUAÇÃO DA GREVE NA UERJ


Um documento elaborado pela diretoria da ADUENF em relação à perseguição desenvolvida pela reitoria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro foi referendada por uma assembléia geral dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense na tarde desta 4a. feira (18/07).

A mensagem, além de expressar um claro repúdio às ações do reitor Ricardo Vieiralves, representa um claro chamado à unidade e à solidariedade para com os servidores, professores e estudantes da UERJ.

Leia o documento abaixo.




MANIFESTO DE SOLIDARIEDADE DA ADUENF AOS SINDICATOS DA UERJ: PELO FIM IMEDIATO DA REPRESSÃO E PELO AMPLO DIREITO DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO E ORGANIZAÇÃO SINDICAL!


Segundas versões nunca são boas, principalmente porque se perde o misticismo do novo, a dúvida pelo que irá acontecer. Conhecer a história, e principalmente o resultado final, deixa uma sensação de desprazer ao se observar pela segunda vez a representação da mesma estória. 

No âmbito político é pior ainda, pois quando um determinado dirigente consegue se manter no poder se sente tomado por um sentimento prazeroso que, em muitos casos, o leva a pensar e a se vender como o salvador da pátria; o super-homem; o visionário, enfim como o Deus que controla de forma onipresente e onisciente a situação. O problema sempre vem com o passar dos dias, quando os incrédulos votantes chegam à conclusão de que aquele suposto líder está fora da realidade. Isto fica mais evidente quando este dirigente começa a operar a partir apenas, e exclusivamente, com base num plano pessoal e, não mais a administrar para a população pela qual foi eleito, deixando em evidência a incompatibilidade entre o seu projeto privado e as necessidades coletivas.

Os mais inteligentes inclusive alguns que duraram até 50 anos no poder, enfeitam o projeto pessoal com certa democracia, colocando-se como defensores dos mais fracos, como representantes daqueles que supostamente são os menos favorecidos e fazem uso de um grupo para defender o seu projeto.  Já os menos favorecidos intelectualmente utilizam simplesmente a Teoria do Absolutismo, a qual "defende que alguém (em geral, um monarca/ditador) deve ter poder absoluto, isto é, independente de outro órgão. Como podemos lembrar, o Absolutismo defende a existência de uma forma de organização política na qual o soberano concentrava todos os poderes do Estado em suas mãos.

Tudo isto seria interessante, e até curioso, se não estivéssemos falando de uma universidade, onde o seu próprio nome indica que a mesma é formada por um conjunto de múltiplos universos, de pessoas que, por meio do debate, chegam a acordos, onde todos devem ser igualmente respeitados, e onde ninguém tem a prerrogativa de governar pela força. A verdade é que o efeito de ataques feitos contra a liberdade de expressão dentro uma universidade só pode ser comparado ao ataque realizado pelo vírus da AIDS ao sistema imunológico de um ser humano, quando o organismo fica tão fraco que pode morrer por ataques de doenças que normalmente não seriam letais. 

Esse é o principal motivo pelo qual não podemos assistir tranqüilos ou impassíveis aos desmandos sendo cometidos neste momento pelo reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Afinal, o uso arbitrário de um poder que lhe foi delegado pela comunidade universitária, inclusive com uso de diversas ações judiciais, para atacar e criminalizar as organizações democraticamente constituídas, as quais possuem diretorias democraticamente eleitas, num ambiente em que se deveria privilegiar o amplo e franco debate democrático, se constitui em uma tentativa grotesca de instauração do absolutismo. 

Por esse motivo é que diretoria da ADUENF vem a público para denunciar o ataque inescrupuloso ao qual estão sendo submetidos a ASDUERJ, o SINTUPERJ e o DCE da nossa querida co-irmã, a UERJ, bem como os dirigentes de todas estas organizações.  Além disso, a ADUENF exige que sejam retiradas imediatamente todas as ações judiciais impetradas pela reitoria da UERJ que têm como única intenção cercear o direito de protestar contra a política ditatorial que esta sendo implantada na UERJ e de lutar pela correta remuneração do trabalho realizado por servidores docentes e não-docentes. 

Finalmente gostaríamos de enfatizar aos nossos colegas servidores da UERJ que a ADUENF está do seu lado na justa luta que desenvolvem em prol da construção de uma universidade pública, gratuita DEMOCRATICA e de qualidade. 
 
Como em outras oportunidades, não aceitaremos que tripudiem sobre a democracia! 


Diretoria da ADUENF

terça-feira, 17 de julho de 2012

Nota do SINDPEFAETEC em apoio à Asduerj e ao Sintuperj


Os servidores da Uerj encontram-se mobilizados e organizados, promovendo, desde o início do ano, uma série de iniciativas e de protestos públicos. As razões principais para isso são a tentativa de obtenção de um aumento salarial; a revisão do Plano de Cargos e Vencimentos dos servidores técnico-administrativos e a adoção do regime de dedicação exclusiva para os professores.

Ressalte-se que, desde meados do ano passado, a Asduerj alcançou um compromisso público da Alerj para a regulamentação do regime de trabalho em questão, mas até hoje o Governo Estadual não tomou qualquer ação prática para resolver o problema.

Umas das mais tradicionais e reconhecidas instituições de ensino superior do País, em contraste com o que vigora nas universidades federais, já aberta a segunda década do século XXI, ainda não conta com a dedicação exclusiva. Um problema que evidencia o nítido descaso do sr. Sérgio Cabral Filho com a educação, com a produção do conhecimento e o desenvolvimento tecnológico do Estado do Rio de Janeiro.

Em greve há cerca de dois meses, a comunidade acadêmica da Uerj tem empreendido esforços para o equacionamento do problema. Chegou a obter, há cerca de dez dias, um acordo com a reitoria para a regularização da dedicação exclusiva dos professores. No entanto, pouco depois foi surpreendida com uma ação jurídica impetrada pela reitoria da Uerj, que visa a cercear as ações da Asduerj e do Sintuperj no espaço físico da universidade. 

Uma iniciativa contraditória adotada pela reitoria, que, ao fim e ao cabo, demonstra a escassa disposição em negociar os pleitos dos professores e dos servidores técnico-administrativos. Nesse sentido, em defesa dos princípios da liberdade sindical, da liberdade de organização e de expressão, consideramos extremamente nociva a postura da reitoria da Uerj. Uma clara e absurda manifestação de autoritarismo! Sintoma da incompatibilidade do governo Cabral Filho com as regras e os valores democráticos!

Fica, portanto, registrado o apoio do SINDPEFAETEC às causas dos companheiros da Asduerj e do Sintuperj, legítimos e valorosos representantes dos funcionários da Uerj!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

INFORME SOBRE REUNIÃO DA DIRETORIA DA ADUENF COM O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA ALERJ, DEPUTADO COMTE BITTENCOURT


Em reunião da diretoria da ADUENF com o Presidente da Comissão de Educação Comte Bittencourt na tarde desta 5a. feira (12/07) foram acordados os seguintes pontos:

1 - O Presidente da Comissão de Educação da ALERJ, Deputado Comte Bittencourt, reafirmou seu compromisso de trabalhar para agendar ainda em Julho de uma reunião dos sindicatos da UENF com o Secretário de Planejamento e Gestão (SEPLAG), Sérgio Ruy Pereira.

2- A pedido da diretoria da ADUENF, o deputado Comote Bittencourt aceitou participar na reunião com a SEPLAG.

3- O deputado Comte Bittencourt se comprometeu a convocar uma reunião do Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas do Rio de Janeiro, assim que a ALERJ retornar do seu período de recesso, com intuito de resolver as demandas das Universidades Estaduais.
 

Diretoria da ADUENF
GESTÃO UNIÃO, FORÇA E RESPEITO 2011-2013

quinta-feira, 12 de julho de 2012

COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA DO IFF FAZ PASSEATA NA REGIÃO CENTRAL DE CAMPOS DOS GOYTCAZES


Na tarde desta 5a. feira (12?07), a comunidade universidade do Instituto Federal Fluminense fez uma grande passeata que saiu desde a Praça São Salvador e chegou até a região da Pelinca, próximo do campus centro. Segundo informações do SINASEFE, sindicato que representa os servidores do IFF, estavam presentes representantes dos campi Centro, Guarus, Cabo Frio e Itaperuna. Além disso, a atividade também contou com a participação de servidores da UFF.

É importante notar que a greve que já atinge as 59 universidades federais brasleiras e de 37 institutos de educação básica, profissional e tecnológica arrancou hoje uma mudança de posição do governo federal. O Ministério do Planejamento que havia anunciado que só se reuniria com o Comando Nacional de Greve após o dia 31 de Julho, anunciou que se reunirá com os grevistas nesta 6a. feira (13/07). Ver Aqui!





A diretoria da ADUENF manifesta sua completa solidariedade ao movimentos dos servidores e docentes das universidades e institutos federais que hoje estão na linha de frente da defesa de melhores salários e mais verbas para a educação no Brasil.

Apóie e divulgue a luta dos servidores das instituições federais de ensino! Negocia Dilma!

REITORIA DA UERJ USA A JUSTIÇA PARA ATACAR ASDUERJ, SINTUPERJ E DCE-UERJ


A Reitoria move ação judicial contra Asduerj, Sintuperj e seus diretores. DCE também é citado no processo

Por volta das 20h desta quarta-feira (11/07), funcionários da Asduerj foram surpreendidos pela presença de um segurança da Uerj, acompanhado de um oficial de justiça, na sala da entidade.

O oficial trazia um “mandado de citação e intimação” à Asduerj e a seus diretores Guilherme Mota e Bruno Deusdará. O documento citava ainda o Sintuperj e seus coordenadores Jorge Luis Mattos de Lemos, o Gaúcho, e Alberto Dias Mendes. Consta ainda, como réu da ação, o Diretório Central de Estudantes da Uerj (DCE/Uerj).

A ação de “interdito proibitório” proposta pela Uerj teve liminar concedida pela juíza da 10ª Vara de Fa zenda Pública, Simone Lopes da Costa, e requer que “os réus se abstenham de ocupar e/ou de qualquer modo molestar a posse de qualquer setor e/ou instalação da Universidade”.

Veja o texto da liminar e da ação movida pela reitoria em www.asduerj.org.br.

É preciso defender os sindicatos da UERJ e impedir a tentativa de criminalização movida por uma reitoria claramente alinhada com o governo Sérgio Cabral!


quarta-feira, 11 de julho de 2012

ATO DE TODOS OS CAMPI DO IFF NESTA 5a. FEIRA NA PRAÇA SÃO SALVADOR: DIVULGUE E PARTICIPE!


Nesta 5a. feira (12/07) a comunidade universitária do IFF vai estar se manifestando a partir das 14:00 horas na Praça São Salvador.

A ADUENF considera que este ato é particularmente importante, na medida em que o governo federal segue ameaçando cortar o ponto dos servidores de instiuições federais de ensino superior que se encontram em greve neste momento em defesa de seus salários e do correto financiamento das universidades e instituições federais de ensino superior.

Apoiar o movimento dos servidores públicos do ensino federal é mais do que um ato de solidariedade, pois a defesa do ensino público superior é uma necessidade estratégica na via da construção de uma sociedade verdadeiramente democrática no Brasil.

COMUNICADO DA DIRETORIA DA ADUENF
 
 
A diretoria da ADUENF vem informar que após reunião realizada na tarde desta 4a. feira decidiu remarcar a assembléia geral orginalmente marcada para amanhã (12/07) para o próximo dia 18 de Julho. A diretoria da ADUENF esclarece que esta remarcação se deu basicamente por causa de dois fatos novos. O primeiro foi a convocação da diretoria da ADUENF para uma reunião em caráter de urgência com a presidência da Comissão da Educação da ALERJ no dia de manhã. O segundo fato ocorrido foi o envio de uma solicitação da secretário de Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo Costa Leite, para que fosse concedido um prazo de sete dias para que ele pudesse agendar uma reunião com o secretário estadual de Planejamento e Gestão , Sérgio Ruy Pereira, conforme negociado durante a audiência ocorrida na Comissão de Educação. 
 
Dado o que prazo solicitado pelo secretário de Ciência e Tecnologia se encerrará na próxima terça-feira (17/07), a diretoria da ADUENF resolveu pela realização da próxima assembléia geral para o dia 18 de Julho, a partir das 16:00 horas no Auditório 2 do P-5.
 
A pauta desta assembléia é a seguinte:
 
1. Discussão sobre a taxa extra a ser cobrada para garantir a construção da sede da ADUENF.
2. Próximos passos da campanha salarial
 
A tarefa de defender os nossos salários é coletiva! Participe das assembléias e das atividades da campanha salarial!
 
 
DIRETORIA DA ADUENF
Gestão União, Força e Respeito - 2009/2011

terça-feira, 10 de julho de 2012

segunda-feira, 9 de julho de 2012

AGENDA DA GREVE DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SEDIADAS EM CAMPOS DOS GOYTACAZES



Em função da intransigência do governo federal que agora ameaça cortar o ponto dos servidores e docentes das instituições federais de ensino não há neste momento qualquer perspectiva de que a greve em curso seja encerrada.


Em função disto, os servidores e docentes da UFF e do IFF estão promovendo uma série de atividades para explicar as razões do movimento e fortalecer a sua mobilização.


A agenda destas atividades é a seguinte:


DIA 10/07 – ASSEMBLEIA UNIFICADA (TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS E DOCENTES DO PUCG/UFF)
LOCAL: AUDITORIO DA UFF
HORA: 15h
PROPOSTA DE PAUTA:
CORTE DE PONTO DOS SERVIDORES
UNIFICAÇÃO DO COMANDO DE GREVE
 
DEBATE LIVRE SOBRE GÊNERO
LOCAL: AUDITORIO DA UFF
HORA: 18h
 
REUNIÃO DO COMANDO DE TODOS OS CAMPUS DO IFF (CENTRO, GUARUS, MACAÉ, QUISSAMÃ, ITAPERUNA E CABO FRIO)
LOCAL: CAMPUS GUARUS
HORA: 14h

DIA 11/07 - ASSEMBLÉIA SINASEFE IFF CAMPOS CENTRO
LOCAL: AUDITÓRIO MIGUEL RAMALHO
HORA: 16h

 DIA 12/07  ATO PÚBLICO DE TODOS OS CAMPUS DO IFF
LOCAL E HORA: A DEFINIR
 
·DIA 13/07 – PRÉ-ATO PARA DIVULGAÇÃO E ESCLARECIMENTOS SOBRE A “MARCHA DAS VADIAS”
LOCAL: CALÇADÃO
HORA: 14h
 
DIA 14/07 – ATO PÚBLICO: MARCHA DAS VADIAS
LOCAL: CALÇADÃO
HORA: 10h

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Surpresa! Assessores da Seplag afirmam: minuta da DE está na Uerj

 
Em reunião realizada no início da tarde desta terça-feira, 3/7, na Secretaria de Planejamento e Gestão, os membros da comissão intersecretarias sobre a DE informaram a representantes do Comando de Greve Unificado que a minuta do regime de trabalho está com a reitoria da Uerj. Segundo os técnicos do governo, após uma acordo com o reitor, a minuta voltou à universidade para sofrer cortes e ajustes determinados pela Seplag.

Ainda de acordo com os membros da comissão, o projeto de revisão do PCC dos técnico-administrativos sequer foi encaminhado ao governo. Quanto à recompos ição salarial, afirmaram não ser possível a negociação de qualquer índice para este ano. Reconheceram a situação de ilegalidade que a universidade mantém com relação a seus trabalhadores contratados, que não têm isonomia com os efetivos como determina a lei. Foi prometida uma resposta à reivindicação de reajuste das bolsas dos estudantes numa próxima reunião, ainda sem data.


Veja vídeo com mais detalhes sobre a reunião e o corpo a corpo da comunidade universitária com autoridades do governo, enquanto se esperava, em vão, pelo reitor Ricardo Vieiralves

Veja fotos do ato em frente à Seplag no grupo da Asduerj no facebook

Reitor mais uma vez se esconde da comunidade
 
Após a reunião em que os representantes do governo afirmaram que a resolução da pauta era responsabilidade do reitor, membros da comunidade universitária foram informados de que Vieiralves participaria de uma reunião governamental no mesmo prédio logo em seguida. 

Durante a vã espera pelo magnífico por mais de duas horas, os manifestantes fizeram um corpo a corpo com alguns autoridades convidadas para o encontro, entre elas os secretários de Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo Horta, e o de Planejamento, Sérgio Ruy. Este último, que ainda não cumpriu a promessa feita em audiência pública de receber os membros do Comando, ratificou mais uma vez este compromisso.

FONTE: asduerj.org.br

quarta-feira, 4 de julho de 2012

SERVIDORES ESTADUAIS MARCHAM PELAS RUAS DO RIO DE JANEIRO E OCUPAM A FRENTE DO PALÁCIO GUANABARA PARA PROTESTAR CONTRA A EXTINÇÃO DO TRIÊNIO E O SUCATEAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO 



Os servidores públicos estaduais organizados em torno do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE) do Rio de Janeiro ocuparam as principais vias de acesso ao Palácio da Guanabara para protestar contra o sucateamento do serviço público do Rio de Janeiro e contra a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) impetrada pelo governo Sérgio Cabral para extinguir o pagamento da gratificação por tempo de serviço.

Esse protesto ocorreu justamente no mesmo dia em que o Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE) passou por um catastrófico incêndio que causou a morte de uma paciente que ali se encontrava internada. As cenas caóticas que foram mostradas longamente durante a parte da manhã pelos canais de TV serviram como um combustível adicional para a indignação dos servidores que estavam nas ruas. Afinal, a situação calamitosa do HUPE e da própria UERJ ´simboliza o descaso que o governo do Rio de Janeiro tem para com instituições tão importantes para a população do Rio de Janeiro.

Ao chegar á frente do Palácio Guanabara, os manifestantes foram recepcionados por um forte esquema de segurança. Mas informações oferecidas no local deram conta que o governador Sérgio Cabral, no seu melhor estilo de fugir ao necessário debate em torno de sua administração, havia rapidamente abandonado o Palácio da Guanabara a bordo de um helicóptero, tendo sendo seguido também por seus principais assessores. Mesmo assim as entidades que estavam presentes na marcha protocolaram um documento expressando as principais demandas do funcionalismo público do Rio de Janeiro.

Ao final, os manifestantes entoaram um canto avisando que Sérgio Cabral deve esperar porque outros atos vão acontecer! 

terça-feira, 3 de julho de 2012

PROFESSORES PARTICIPAM DE EVENTO ACADÊMICO EM LUTO CONTRA O DESCASO DO GOVERNO CABRAL  E EM DEFESA DA UENF


Como decidido pela assembléia geral da ADUENF, os professores compareceram hoje ao Centro de Conveções da UENF usando uma tarja de luto em protesto contra o governo Sérgio Cabral.


Os professores da UENF que possuem os menos salários pagos a docentes com Dedicação Exclusiva entre as universidades estaduais brasileiras estão em campanha salarial exigindo a remuneração por trabalharem neste tipo de regime que os impede de ter outras fontes de rendimento.


Ainda nesta 4a. feira (04/07) os professores da UENF estarão envolvidos em duas atividades públicas. A primeira é a passeata que ocorrerá a partir das 10:00 horas na cidade do Rio de Janeiro sob a liderença do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais para protestar contra a tentativa do governo Cabral de acabar com o pagamento dos triênios. Já na parte da tarde, a comunidade da UENF estará participando de uma atividade unificada com os servidores das instituições federais de ensino no centro de Campos a partir das 14:30 na Praça São Salvador.


Contra o descaso dos governos, a unidade dos servidores da educação é a única solução!







DIRETORIA DA ADUENF PARTICIPA DA REUNIÃO DO COMANDO DE GREVE DO IFF E CONCLAMA A LUTA PELA UNIFICAÇÃO DA LUTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO


A diretoria da ADUENF esteve presente hoje (3a. feira) na primeira reunião do Comando Unificado de Greve do Instituto Federal Fluminense em Campos dos Goytacazes. Apesar desta reunião ter como o objetivo a análise da situação da greve nos sete campi que compôem o IFF, o Prof. Raúl Palácio, presidente da ADUENF, se manifestou no sentido de defender a realização de atividades unificadas entre as comunidades da UENF, da UFF-Campos e do IFF. 

Segundo o que disse o presidente da ADUENF aos presentes na reunião do Comando de Greve do IFF, apesar de estarmos nos defrontando com diferentes níveis de governo, a política de destruição do ensino público é exatamente a mesma. Por isto, disse o Prof. Raúl Palácio, é que faz total sentido que construamos a unidade em defesa da educação, inclusive com colegas que atuam na educação municipal.

Após estas explanações ficou decidido que os grevistas do IFF participarão da atividade que será realizada pela ADUENF na Praça São Salvador a partir das 14:30h desta quarta-feirta (04/07) para divulgar as causas do processo de "Estado de Greve" em que a UENF se encontta neste momento.