quarta-feira, 30 de abril de 2014

Ururau informa: manifestação de estudantes e professores da UENF fecha a BR-101

Alunos e docentes da Uenf fecham BR 101 e realizam panfletagem
 
Vagner Basilio/Arquivo/ Trânsito está seguindo no sistema pare e siga. Há engarrafamento no local

Alunos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) Darcy Ribeiro, com apoio dos docentes da instituição, estão realizando uma manifestação neste momento na BR 101, na altura do Km 62, em Campos, nas proximidades do Instituto Federal Fluminense (IFF/Guarus).

Com apitos, faixas e cartazes, os estudantes fecharam a rodovia e também a rua paralela a BR para entrega de panfletos.
Embora os manifestantes estejam realizando o movimento de forma que o trânsito flua no sistema pare e siga, há engarrafamento no local devido ao grande fluxo de caminhões que se encontram na rodovia.

Mais informações em instantes.


FONTE: http://www.ururau.com.br/cidades44098_Alunos-e-docentes-da-Uenf-fecham-BR-101-e-realizam-panfletagem

ADUENF leva a greve até a Casa de Cultura Villa Maria

Fruto de uma doação da senhora Maria Tinoco Queiroz (mais conhecida como Finazinha Queiróz), a Casa de Cultura Villa Maria é um importante elemento da constituição da Universidade Estadual do Norte Fluminense. Apesar disso, nos últimos anos a Casa de Cultura Villa Maria perdeu espaço e se encontra hoje pouco visível para a comunidade universitária.

Aproveitando a sua localização privilegiada no centro histórico da cidade de Campos dos Goytacazes, o Comando de Greve esteve hoje na Villa Maria para estender faixas que informam à população sobre o movimento de greve que paralisa a UENF com que sonhou Finazinha Queiróz.

A greve geral da UENF é, com certeza, uma continuidade do sonho de uma universidade pública e de qualidade que ensejou a doação do imóvel que hoje serve como a Casa de Cultura Villa Maria!





Presidente da ADUENF explica os motivos da greve dos professores da UENF

O Prof. Luís Passoni, presidente da Associação de Docentes da UENF (ADUENF) gravou hoje uma mensagem para explicar o motivo da greve dos professores que se iniciou em 12 de março de 2014, e continua sem nenhuma resposta formal por parte do governo do Rio de Janeiro.

Como informa o prof. Passoni no vídeo, a pauta de reivindicações dos professores contem dois pontos básicos: reposição das perdas salariais de 86,7% e remuneração do regime de Dedicação Exclusiva de 65%.










terça-feira, 29 de abril de 2014

Panfletagem unificada UENF/FENORTE mobiliza novamente o centro de Campos dos Goytacazes

Em mais uma atividade de panfletagem no centro da cidade de Campos dos Goytacazes, grevistas da UENF e da FENORTE puderam dialogar novamente com a população que transita em grandes números por aquela parte da cidade. As falas centradas na denúncia do descaso do governo estadual e seus impactos negativos no funcionamento das duas instituições receberam uma acolhida positiva, e muitas pessoas paravam para externar seu apoio à luta dos servidores e estudantes.

Essa recepção mostra que quanto mais o governo estadual que agora é liderado por Luiz Fernando Pezão demorar a resolver que causam as greves na UENF e na FENORTE, maior será o custo político.

Abaixo algumas imagens da atividade realizada nesta tarde.








Comunicado Número 7 do Comando de Greve da ADUENF


Nossa Greve segue firme e forte. Precisamos apenas manter o nível de atividades e entusiasmo que temos demonstrado desde o inicio. 


Vamos HOJE (29/04) fazer uma panfletagem na praça São Salvador, às 15:00h. 

Pedimos à quem puder, que ofereça carona aos colegas desmotorizados e estudantes. Vamos nos concentrar às 14:30h no estacionamento em frente à sede da ADUENF.

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Professores da UENF comemoram o Primeiro de Maio em Greve!

Em mais de 20 anos de existência esse será a primeira vez em que os professores da UENF estarão celebrando o Primeiro de Maio em greve.

Para marcar este momento que combina a luta histórica dos trabalhadores de todo o mundo com a luta da comunidade da UENF por melhores salariais e condições adequadas de assistência estudantil, o Comando de Greve decidiu lançar o chamado "PEZÃO, DEIXE A GENTE TRABALHAR!!!"


                             

Este 1o. de Maio definitivamente não será igual ao que passou! Afinal, ao adotar o caminho da luta organizada, os professores da UENF estarão se juntando à histórica luta que trabalhadores de todo o mundo celebram nesse dia!


sexta-feira, 25 de abril de 2014

Grevistas fecham entradas da UENF para exigir posicionamento do governo estadual

A continuidade da greve geral na Universidade Estadual do Norte Fluminense foi marcada pelo fechamento de todas as entradas do campus Leonel Brizola em Campos dos Goytacazes. Numa manifestação convocada pelo SINTUPERJ/UENF e engrossada pela ADUENF e DCE/UENF, os portões foram lacrados como mostra da disposição de luta em defesa de melhores salários e melhoria nas ações de assistência estudantil.

A greve iniciada em 12 de março por professores e engrossada posteriormente por estudantes e servidores técnicos-administrativos continua sem nenhuma proposta formal por parte do governo do Rio de Janeiro. Esta falta de propostas por parte do governo agora comandado por Luiz Fernando Pezão é vista como uma forma de desacreditar e ignorar as justas e legítimas reivindicações da comunidade universitária da UENF.

Pela disposição de luta unificada que está sendo mostrada nesta manhã fica patente que  desgaste que a inércia mostrada pelo governo do Rio de Janeiro que já era grande na UENF, não para de aumentar.

Abaixo algumas imagens da mobilização unificada de professores, técnicos e estudantes da UENF.





quinta-feira, 24 de abril de 2014

Informe Número 6 do Comando de Greve da ADUENF


O Comando de Greve da ADUENF informa que nesta sexta-feira (25/04), haverá atividades para fortalecer a greve unificada de professores, servidores e estudantes na entrada principal do campus Leonel Brizola a partir das 08:00 horas.

Todos estão convidados a fortalecer essa atividade que é mais um marco na luta da comunidade universitária em prol de soluções para questões salariais e de assistência estudantil que estão na base de nosso histórico movimento de greve.

Quando direitos são negados, lutar passa a ser uma obrigação!

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Grevistas da UENF fecham BR-101 em Campos dos Goytacazes para exigir soluções do governo do Rio de Janeiro

Professores, estudantes e servidores da UENF fecham neste momento a BR-101 nas proximidades do trevo de acesso à cidade de Campos dos Goytacazes como forma de protesto contra demora do governo do Rio de Janeiro em resolver a crise salarial e de financiamento da instituição.

A greve iniciada pelos professores em 12 de Março continua ainda sem nenhum tipo de resposta formal por parte do governo de Luiz Fernando Pezão, o que motivou o protesto que está sendo realizado neste momento.

Também estão presentes na manifestação servidores da Fundação Estadual d Nrte Fluminense (FENORTE) que também se encontram em greve exigindo reposição de perdas salariais e transferência para a UENF.

Abaixo imagens da manifestação que ocorre neste momento.













terça-feira, 15 de abril de 2014

Comando de Greve mantem reuniões na ALERJ e consegue avançar o processo de negociação


Membros do Comando de Greve da ADUENF, acompanhados de um diretor da Associação dos Técnicos de Nível Superior (ATNS), estiveram hoje na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ)onde mantiveram contato com diversos parlamentares, com os presidentes das comissões de Educação e de Ciência e Tecnologia, bem como com a banca do Partido dos Trabalhadores (PT). Entre os parlamentares contactados está incluído o deputado Gustavo Tutuca, ex-secretário de Ciência e Tecnologia.

A partir desses contatos ficou estabelecido que assim que a proposta do governo do Rio de Janeiro chegar na ALERJ, a mesma será enviada para análise do Comando de Greve da ADUENF.  Essa posição foi colocada tanto pela bancada do PT, como pelo deputado Gustavo Tutuca. Esse desdobramento deixa sem validade prática, a posição explicitada pelo governo do Rio de Janeiro de que a proposta só seria analisada 30 dias após o encerramento da greve. Além disso, o envio prévio da proposta também permitirá que o Comando de Greve prepare emendas que possam eventualmente melhorar os índices colocados pelo governo do Rio de Janeiro.

É importante ressaltar que todos os parlamentares contactados, muitos deles da base de apoio do governo dentro da ALERJ, se comprometeram a cobrar o envio urgente da proposta. No entanto, uma informação obtida junto à Comissão de Educação indica que o governo do Rio de Janeiro não deverá enviar a proposta ainda no mês de Abril, deixando a resolução do problema para Maio. É importante lembrar que tal posição é de inteira responsabilidade do governo do Rio de Janeiro, e esta demora apenas dificultará o retorno à normalidade dentro da UENF.

Folha da Manhã publica matéria sobre greve geral na UENF

Universitários vão fechar BR 101

Dulcides Netto
Foto: Rodrigo Silveira
A greve em todos os setores da Universidade Estadual Fluminense do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) prossegue sem prazo para acabar. Na tarde de segunda-feira (14), membros do Diretório Central dos Estudantes (DCE), que estão de braços cruzados desde o dia 17 de março, decidiram, em assembleia, por uma manifestação na rodovia BR 101, paralisando a pista na altura do Shopping Estrada na quarta-feira (16), a partir das 9h. Também segunda, alunos voltaram a bloquear a reitoria da universidade. Os professores, que estão há cerca de um mês em greve e sem proposta do governo, também estarão no ato dos alunos, fazendo panfletagem.
Técnicos administrativos e funcionários da Fundação Estadual do Norte Fluminense (Fenorte) também seguem 28 e 30 dias, respectivamente, parados, sem sinal do governo estadual. Já no próximo dia 21 serão os técnicos administrativos e professores do Instituto Federal Fluminense (IFF) — Reitoria, campus-Centro e Macaé — que também vão cruzar os braços, tendo como reivindicação principal a data-base para maio.
De acordo com o estudante de Ciências Sociais Manolo de Araújo, 20 anos, os discentes da Uenf estão reivindicando funcionamento do restaurante universitário, aumento da bolsa (cota e apoio) para 75%, construção da Moradia Estudantil e/ou auxílio moradia. Segundo ele, a água ofertada pela universidade também seria de péssima qualidade, o que poderia ser prejudicial à saúde de alunos e funcionários.
A assessoria de comunicação da Uenf informou, em nota, que a Reitoria da Uenf já deu início a um estudo de viabilidade orçamentária para saber se é possível arcar com os custos do auxílio moradia. E que, caso isso não seja possível dentro do atual orçamento da Uenf, a Reitoria se empenhará para obter, junto ao governo os recursos necessários. Também informou que o processo de licitação para a compra dos equipamentos e utensílios do Restaurante Universitário já havia sido iniciado antes da greve dos estudantes (pouco antes da visita do secretário de estado de Ciência e Tecnologia, Gustavo Tutuca, à Universidade, no mês passado). Informou ainda que o reajuste das bolsas será efetivamente pago a partir do retorno às aulas. “Com relação à água amarelada, a Prefeitura da Uenf já está tomando as providências necessárias para sanar o problema. Como não são todos os bebedouros que estão apresentando água com este problema, a Reitoria acredita que se trate de um problema pontual. Além disso, a Reitoria informa que já foram comprados bebedouros e filtros novos que deverão ser instalados em breve”, disse a nota.
Enquanto isso, professores seguem em greve e reivindicam reposição de 86,7% das perdas salariais relativas ao período entre 1999 e 2013 e pagamento de 64% pelo regime de Dedicação Exclusiva. Técnicos administrativos já estão de braços cruzados há 28 dias. Os 406 servidores pedem a revisão da tabela salarial e reajuste de 86,7% sobre os vencimentos. Assim como funcionários da Fenorte, que reivindicam reposição salarial de 63,3% pelas perdas inflacionárias dos últimos 8 anos, redefinição do estatuto da Fenorte, reajuste do auxílio-creche e auxílio-alimentação dos servidores da Fundação.
A equipe de reportagem entrou em contato com a secretaria estadual de Ciência e Tecnologia, mas não teve êxito até o fechamento desta matéria.
 

Comando de Greve da ADUENF se reúne com presidente da FAPERJ em visita à UENF

O Comando de Greve da ADUENF aproveitou uma visita do presidente da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (FAPERJ), Prof. Ruy Garcia Marques, realizava ao campus Leonel Brizola nesta 3a. feira (15/04) para expor a  ele a situação da greve que paralisa as atividades dos dois campi da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) em Campos dos Goytacazes e Macaé.
 
Após ouvir atentamente as explicações oferecidas por membros do Comando de Greve, o presidente da FAPERJ se dispôs a servir como interlocutor junto às secretarias de Ciência e Tecnologia (SECT) e de Planejamento e Gestão (SEPLAG) visando facilitar a resolução dos problemas que estão causando o atual movimento de greve na UENF.
 
Abaixo algumas imagens do encontro do Comando de Greve com o Prof. Ruy Garcia Marques.



 

 


Jornal O DIÁRIO faz matéria sobre a greve unificada na UENF

Alunos encerram greve de fome, mas continuam na reitoria da Uenf

 


Phillipe Moacyr
Clique na foto para ampliá-la
Em greve: estudantes estão acampados em frente ao prédio da reitoria e de lá sairão para o Shopping Estrada em protesto
 
Estudantes da Universidade Estadual no Norte Fluminense (Uenf) pretendem fechar a BR-101 amanhã. A decisão foi tomada em uma assembleia realizada na tarde de ontem pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE/Uenf). Desde a última terça-feira (8), estudantes estão acampados na entrada do prédio da reitoria. Na semana passada, dois estudantes fizeram greve de fome. Eles reivindicam o funcionamento do Restaurante Universitário, auxílio-moradia e aumento no valor das bolsas universitárias.

Na última quinta-feira, a greve de fome foi suspensa após a reitoria ter apresentado um ofício se comprometendo a atender as reivindicações dos estudantes: abertura do bandejão no segundo semestre do ano letivo, reajuste de R$ 100,00 nas bolsas, que passariam para R$ 400,00, valor praticado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro e liberação de recursos para auxílio-moradia. No entanto, segundo o estudante de Ciências Sociais, Manolo de Araújo, 20 anos, a ocupação continuará até que as promessas sejam cumpridas.

O estudante informou que uma reunião com a reitoria estava marcada para hoje, porém o reitor não esteve na universidade. Manolo contou que os professores estão ajudando com alimentação e mostrou que a água dos bebedouros não está própria para consumo. Segundo ele, os estudantes sairão da universidade em passeata com destino ao Shopping Estrada. Os alunos aderiram à greve iniciada pelos professores em 12 de março.

Fazem parte do movimento unificado de greve a Associação dos Docentes da Uenf (Aduenf), a Associação dos Servidores da Fenorte/Tecnorte (Asfetec) e o Sindicato dos Trabalhadores das Universidades (Sintuperj). As categorias têm pautas distintas, sendo que a principal reivindicação é reajuste salarial.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Site Ururau faz extensa matéria sobre greve geral na UENF

Mesmo com proposta, alunos da Uenf decidem pela manutenção da greve

Gerson Gonçalo / Carlos Grevi
Classe quer garantias de que ações apresentadas serão cumpridas pela reitoria

Em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (14/04), alunos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) decidiram pela manutenção do acampamento e da greve. Eles não rejeitaram a proposta apresentada pela reitoria de reajuste da bolsa estudantil e funcionamento emergencial do bandejão, mas querem uma garantia da efetivação da mesma.

Na última quinta-feira (10/04) a Uenf apresentou um ofício ao Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade se comprometido com o funcionamento emergencial do Restaurante Universitário a partir do início do 2º semestre letivo, bem como a equiparação do auxílio-cota e da bolsa de apoio acadêmico aos valores praticados na Uerj a partir do retorno das atividades letivas do 1º semestre letivo de 2014.



“A proposta atende as nossas reivindicações, mas queremos garantia de que realmente vai sair do papel. Também estamos reivindicando um auxílio-moradia de R$ 250, que não foi discutido nesta proposta que nos foi apresentada”, disse um dos integrantes do Diretório Central dos Estudantes, Bráulio Fontes.

Durante a assembleia, os estudantes decidiram pela manutenção do acampamento no prédio da reitoria, que teve início com a greve de fome do estudante de agronomia Luiz Alberto Araújo da Silva, no dia 07 deste mês, e mais tarde aderida por Gustavo Frare do Valle, estudante de ciências biológicas. A greve de fome foi encerrada na última quinta-feira, mediante a apresentação da proposta pela reitoria.


“A greve de fome de Luiz e Gustavo acabou, mas o acampamento vai permanecer até que uma das reivindicações seja realmente efetivada”, disse Bráulio. Pelo menos 12 alunos de graduação estão acampados no prédio da reitoria.

A equipe de reportagem doSite Ururau entrou em contato com a assessoria da Uenf para saber o posicionamento da universidade sobre a decisão dos estudantes pela manutenção do acampamento e quanto a reivindicação auxílio-moradia, que por meio de nota respondeu que a Reitoria mantém o compromisso firmado com os estudantes no Ofício divulgado sexta-feira (11/04) e esclarece o que segue:

A Reitoria da Uenf já deu início a um estudo de viabilidade orçamentária para saber se é possível arcar com os custos do auxílio-moradia. Caso isso não seja possível dentro do atual orçamento da Uenf, a Reitoria se empenhará para obter junto ao Governo os recursos necessários, pois reconhece que a demanda é justa e necessária para a manutenção dos alunos carentes na instituição.

O processo de licitação para a compra dos equipamentos e utensílios do Restaurante Universitário já havia sido iniciado antes da greve dos estudantes (pouco antes da visita do secretário de estado de Ciência e Tecnologia, Gustavo Tutuca, à Universidade, no mês passado).

O reajuste das bolsas será efetivamente pago a partir do retorno às aulas.

Com relação à água amarelada, a Prefeitura da UENF já está tomando as providências necessárias para sanar o problema. Como não são todos os bebedouros que estão apresentando água com este problema, a Reitoria acredita que se trate de um problema pontual. Além disso, a Reitoria informa que já foram comprados bebedouros e filtros novos que deverão ser instalados em breve.

SEM ACORDO 

Também em greve servidores da Fundação Estadual do Norte Fluminense (Fenorte) e integrantes da Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) e do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades (Sintuperj) não avançaram nas negociações. Hoje um ato unificado, a paralisação teve início com a greve dos professores no dia 13 de março deste ano.

Na pauta de reivindicação dos docentes estão dois pontos básicos: reposição de 86,7% das perdas salariais relativas ao período entre 1999 e 2013 e pagamento de 65% pelo regime de Dedicação Exclusiva.



“Não recebemos nenhuma proposta do governo, a não ser o reajuste salarial de 35%, mas não foi aceita pela categoria”, disse o professor doutor e pesquisador do Laboratório de Ciências Ambientais (LCA) da Uenf, Marcos Pedlowski.



Já as principais reivindicações dos profissionais da Fenorte(em greve desde o dia 17de março) são: reposição salarial de 63,3% pelas perdas inflacionárias dos últimos oito anos; redefinição do estatuto da Fenorte, concedendo a mesma uma missão e visão concreta, alcançando as necessidades da sociedade e o caráter continuativo de suas ações; revitalização da Fenorte e reajuste do auxílio-creche e auxílio-alimentação dos servidores da instituição (esse último foi concedido num valor inferior ao requerido).

Os integrantes do Sintuperj reivindicam reajuste salarial de 86,7% e melhorias de trabalho e da estrutura do prédio da instituição.

O comando de greve da Aduenf anunciou as atividades desta semana: nesta terça-feira (15/04), às 05h, saída de delegação da ADUENF à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), já as 08h45, visita do presidente da FAPERJ, Ruy Marques ao CCT. Na quarta-feira (16/04) às 08h, concentração na Uenf. E às 09h, panfletagem no Shopping Estrada.

Publicidade

FONTE: http://ururau.com.br/cidades43550_Mesmo-com-proposta,-alunos-da-Uenf-decidem-pela-manuten%C3%A7%C3%A3o-da-greve

Comando de Greve da ADUENF divulga atividades da semana


 
 
 
  • 3a. feira , 15/04, 8:45h, visita do presidente da FAPERJ, Ruy Marques ao CCT, vamos acompanhar a vista devidamente paramentados.
  • 3a, feira, 15/04, 5:00h, saída de delegação da ADUENF à ALERJ.
  • 4a. feira, 16/04, 8:00h, concentração na UENF. 9:00h, panfletagem no Shopping Estrada.
Participe das ações e vá para o feriado com o dever cumprido.
 
COMANDO DE GREVE

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Recepção da população na Rodoviária Roberto Silveira mostra que apoio é muito alto

No final da tarde de ontem (10/04) uma atividade de panfletagem realizada pelo Comando de Greve da ADUENF teve uma excelente recepção por parte de milhares de pessoas que ali estavam embarcando após um dia de trabalho.  A atividade foi tão bem sucedida que a distribuição de milhares de panfletos se deu em clima de confraternização com a população e com gestos espontâneos de apoio à defesa da UENF e das demandas salariais dos professores.

Muitos populares se mostraram particularmente revoltados com o tratamento que está sendo dispensado à UENF pelo governo do PMDB, pois muitos lembraram que não esqueciam que a UENF foi construída por Leonel Brizola e Darcy Ribeiro.

Abaixo algumas imagens da panfletagem que literalmente agitou a já normalmente movimentada rodoviária que fica localizada na região central da cidade de Campos Goytacazes, onde fica localizado o campus principal da UENF.