Site URURAU faz ampla matéria sobre manifestação da greve da UENF e da FENORTE

Grevistas da Fenorte, Aduenf e Sintuperj realizam passeata em Campos


Carlos Grevi

Antes do ato, eles fecharam os acessos da Universidade, por volta das 7h30

Em busca de soluções para as reivindicações, servidores da Fundação Estadual do Norte Fluminense (Fenorte) e integrantes da Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) e do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades (Sintuperj) realizam na manhã desta quarta-feira (09/04) uma passeata pela Avenida Alberto Lamego até a Praça do Santíssimo Salvador, no Centro de Campos.

Para chamar a atenção da população, os grevistas usaram um carro de som, onde um representante explicava o motivo do ato, além de faixas, apitos e distribuição de panfletos. Antes de saírem em passeata, por volta das 7h30, os manifestantes fecharam o acesso aos portões da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

Segundo um dos integrantes do comando de greve da Fenorte, Jaber Brito, o ato foi criado como uma forma de chamar ainda mais a atenção do Estado para atender as exigências da categoria.



“A Fundação foi criada para ser mantenedora da Uenf, mas com o tempo a universidade não precisou mais e ficamos sem função. Hoje temos 100 concursados que estão parados. Nós queremos isso, que a Fenorte seja direcionada para uma função”, explicou Jaber.

Outras reivindicações dos servidores que entraram em greve no dia
 17 de março são: reposição salarial de 63,3% pelas perdas inflacionárias dos últimos oito anos; redefinição do estatuto da Fenorte, concedendo a mesma uma missão e visão concreta, alcançando as necessidades da sociedade e o caráter continuativo de suas ações; reajuste do auxílio-creche e auxílio-alimentação dos servidores da instituição revitalização da Fenorte.

Os docentes da Aduenf paralisaram os trabalhos por tempo indeterminado no dia 12 de março
. Eles pedem reposição de 86,7% das perdas salariais relativas ao período entre 1999 e 2013 e pagamento de 64% pelo regime de dedicação exclusiva.


 
Estudantes também participam do ato pedindo o início do funcionamento do restaurante universitário (bandejão), aumento das bolsas de assistência estudantil, que atualmente é de R$ 300 mensal, auxílio moradia ou a construção de um alojamento na instituição para abrigar alunos que vêm de outras cidades.

Na manhã dessa terça-feira (08/04) eles
fecharam o acesso à reitoria da instituição com o objetivo de chamar a atenção para que as reivindicações feitas por ele fossem atendidas.


 
De acordo com o diretor da Associação de Técnicos de Nível Superior (ATNS) da Uenf, Rogério Castro, os integrantes do Sintuperj reivindicam rejuste salarial de 86,7% e melhorias de trabalho e da estrutura do prédio da instituição.

“Nós também estamos apoiando os estudantes. Estamos juntos buscando o funcionamento do bandejão e o aumento da bolsa estudantil”, ressaltou o diretor.


 
 

-- 

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro