segunda-feira, 18 de junho de 2012

DOCENTES DA UENF DECIDEM POR PARALISAÇÃO DE 24 HORAS E DECRETAÇÃO DE ESTADO DE GREVE



Reunidos em assembléia nesta 2a. feira (18/06) os professores da UENF decidiram pela decretação do " Estado de Greve", bem como por uma paralisação de 24 horas para esta 3a. feira  (19.06) quando uma delegação representando a comunidade universitária da UENF deverá estar presente numa Audiência Pública que será realizada pela Comissão de Educação da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro a partir das 10:00 horas. 

É importante lembrar que esta audiência foi originalmente convocada para discutir a situação crítica em que se encontra a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde docentes e servidores já se encontram em greve.

A participação das comunidades da UENF e da Universidade Estadual da Zona Oeste (UEZO) ocorre de forma a também possibilitar a que os membros da Comissão de Educação da Alerj e dos secretários de Planejamento e  Gestão, Sérgio Ruy Pereira, e Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo Horta, possam ouvir também os problemas que ameaçam colocar também estas duas universidades em greve por  tempo indeterminado.

É bom lembrar que no caso dos docentes da UENF, a pauta é bastante similar a que levou os da UERJ a entrarem em greve:

1. Retirada da Ação Direta de Inconstitucionalidade que visa extinguir o pagamento dos triênios.
2. Reposição das Perdas Salariais
3. Remuneração do Regime de Dedicação Exclusiva

Uma coisa é certa. Os docentes da UENF decidiram pelo caminho da luta pelos seus direitos. Se o governo Sérgio Cabral quiser evitar mais uma greve na instituição, é bom começar a negociar logo e de boa fé.