DOCENTES DA UENF DECIDEM POR PARALISAÇÃO DE 24 HORAS E DECRETAÇÃO DE ESTADO DE GREVE



Reunidos em assembléia nesta 2a. feira (18/06) os professores da UENF decidiram pela decretação do " Estado de Greve", bem como por uma paralisação de 24 horas para esta 3a. feira  (19.06) quando uma delegação representando a comunidade universitária da UENF deverá estar presente numa Audiência Pública que será realizada pela Comissão de Educação da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro a partir das 10:00 horas. 

É importante lembrar que esta audiência foi originalmente convocada para discutir a situação crítica em que se encontra a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde docentes e servidores já se encontram em greve.

A participação das comunidades da UENF e da Universidade Estadual da Zona Oeste (UEZO) ocorre de forma a também possibilitar a que os membros da Comissão de Educação da Alerj e dos secretários de Planejamento e  Gestão, Sérgio Ruy Pereira, e Ciência e Tecnologia, Luiz Edmundo Horta, possam ouvir também os problemas que ameaçam colocar também estas duas universidades em greve por  tempo indeterminado.

É bom lembrar que no caso dos docentes da UENF, a pauta é bastante similar a que levou os da UERJ a entrarem em greve:

1. Retirada da Ação Direta de Inconstitucionalidade que visa extinguir o pagamento dos triênios.
2. Reposição das Perdas Salariais
3. Remuneração do Regime de Dedicação Exclusiva

Uma coisa é certa. Os docentes da UENF decidiram pelo caminho da luta pelos seus direitos. Se o governo Sérgio Cabral quiser evitar mais uma greve na instituição, é bom começar a negociar logo e de boa fé.



Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro