Estado de Greve na Uerj: A vitória das cadeiras

Em assembléia realizada ontem (30/05), os professores da UERJ entraram em estado de greve. 

Cerca de três horas da tarde, a concentração da assembléia docente descobriu com grande surpresa que as cadeiras reservadas pela Associação Docente para a reunião haviam sido barradas pela prefeitura do campus. Depois de exaustiva negociação com trabalhadores da Associação, o presidente Guilherme Mota comunicou aos presentes o problema e todos foram até a entrada de trás da universidade “ajudar” o motorista da Kombi a entrar no campus. Depois de um leve bate-boca e ao som de palavras de ordem como “A UERJ somos nós, nossa força, nossa voz” empurrada pela comunidade acadêmica presente, a Kombi entrou e pôde entregar as cadeiras. 
Em que pese essa tentativa desastrada da prefeitura em impedir a reunião dos professores, a assembléia transcorreu de forma pacífica e democrática, apesar de ter começado num clima de extrema indignação dos presentes contra o ocorrido, fato sem precedentes na história da universidade. De acordo com afirmação do diretor da ASDUERJ, Bruno Deusdará, um funcionário da prefeitura chegou a ameaçar chamar a segurança da universidade para impedir a entrada das cadeiras. 

Dois assuntos mobilizaram as falas e foram pauta principal da assembléia: o indicativo de greve para o início de agosto proposto pela ASDUERJ e a ameaça de fim do triênio pelo (des) governador Sergio Cabral. Pontuou-se que no momento em que o estado do Rio de Janeiro vive (copa do mundo e olimpíadas), a Dedicação Exclusiva para os professores da UERJ só sairia do papel com muita luta e greve e, que o ataque contra os triênios dos servidores do estado seria apenas o começo de uma série de mudanças para impor aos trabalhadores do Rio de Janeiro a lógica da produtividade às custas dos salários, direitos e serviços à população. Sobre essa perspectiva, os professores decidiram entrar em estado de greve até a terça próxima (05/06) quando uma nova assembléia decidirá o início imediato da greve.

A presença massiva da comunidade foi um marco na assembléia que contou com o apoio de muitos Centros Acadêmicos, dos DCEs da UERJ e da UFRJ, de Associações de docentes de outras universidades, do SINTUPERJ, do Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais do Rio de Janeiro, além de estudantes e funcionários da universidade. A assembléia demonstrou o potencial de unidade do movimento da UERJ e refletiu também o momento de luta que as universidades federais estão vivendo. O sentimento de que a greve é inevitável estava presente em todos que deixaram a reunião. A vontade de vencer vinha da certeza de que a vitória das cadeiras foi apenas o início.

Mira Caetano
Pesquisadora OTB

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro