Em assembléia, professores decidem de forma unânime pela manutenção da greve e aprovam medidas para ampliar a unidade dentro do campus da UENF

Os professores acabam de encerrar uma assembleia na tarde desta quinta-feira (27/03) onde decidiram de forma unânime pela manutenção da greve iniciada em 13/03. Além disso, os professores aprovaram uma série de medidas para aumentar a articulação com estudantes e servidores, incluindo ainda o pessoal da FENORTE que se encontra em greve.  No caso específico da FENORTE, os professores aprovaram também por unanimidade uma moção de solidariedade aos servidores que estão sob ameaça de corte de ponto por estarem lutando por uma reposição salarial que não ocorre para este grupo desde 2006.
 
Um ponto pacífico nas diferentes falas que ocorreram durante a assembleia é que a atual greve está sendo a mais forte desde aquela que ocorreu em 2000 para assegurar a autonomia universitária da UENF. Além disso, o Comando de Greve ressaltou a boa receptividade que a população está dando aos professores nos diferentes eventos de panfletagem, tanto em Campos dos Goytacazes como na cidade do Rio de Janeiro.
 
Outro aspecto que foi ressaltado é a boa interlocução com as comissão de Educação e Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ) que são presididas, respectivamente, pelos deputados Comte Bittencourt (PPS) e Jânio Mendes (PDT). Além disso, as repetidas visitas à ALERJ já tornaram mais do que conhecidas as duas pautas básicas dos professores que são a reposição de 86,7% das perdas salariais e a remuneração de 65% do regime de Dedicação Exclusiva que é cumprida por todos os docentes da UENF.
 
Agora caberá ao governo do Rio de Janeiro sair da posição de intransigência em que se encontra e abrir imediatamente um mecanismo de negociação com o Comando de Greve da ADUENF.
 


 
 

Postagens mais visitadas deste blog

Professores da UENF decretam greve por tempo indeterminado

Presidente da Assembleia de Deus Central de Campos dos Goytacazes faz apelo em defesa da UENF

Servidores, aposentados e pensionistas sem salários realizam protesto no Fórum do Rio de Janeiro