sexta-feira, 28 de março de 2014

Greve na UENF foi noticiada hoje no Jornal O GLOBO

Greve de professores evidencia crise na Uenf, em Campos

Docentes usam laranja em referência à recente paralisação dos garis. Instituição é a melhor universidade do Estado do Rio, segundo MEC

O GLOBO



Em assembleia da greve, professores se vestem de laranja, em homenagem aos garis da Comlurb Reprodução


RIO - Cerca de 120 professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), que estão em greve desde o último dia 13 de março, decidiram manter a paralisação. Os servidores da instituição, em Campos, também aderiram ao movimento. Com algo em torno de 5 mil estudantes, a Uenf é a universidade com a melhor pontuação no Índice Geral de Cursos (IGC), usado pelo Ministério da Educação para avaliar faculdades do Brasil. A instituição é a 12ª melhor do país.

Dentre as reivindicações dos docentes, estão a reposição de 86,7% das perdas salariais, relativas ao período entre 1999 e 2013, e o pagamento de 65% pelo regime de Dedicação Exclusiva (DE). Na semana passada, a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia apresentou proposta de reajuste de 35% para todos os professores. O aumento seria pago em duas parcelas, uma neste ano e outra em 2015. No entanto, a oferta foi rejeitada pelos grevistas. Os professores também pressionam pela abertura do restaurante universitário. Essa demanda já foi parcialmente atendida pelo governo estadual, que repassou R$ 700 mil para compra de materiais e equipamentos.

No site da Associação de Docentes da Uenf (Aduenf), a categoria afirma que esta é a maior paralisação desde o ano 2000. De acordo com os professores, a pauta de reivindicações já é de conhecimento do governo estadual há pelo menos três anos.

Dias depois da greve dos professores, os servidores e técnicos-administrativos da Fenorte também aderiram à paralisação. Eles reivindicam reposição salarial de 63,3%, que seriam devido a perdas inflacionárias dos últimos oito anos. A pauta também inclui redefinição do estatuto e reajuste do Auxílio-creche e Auxílio-alimentação.

Em todos os atos, os docentes se vestem com um pano laranja, o que segundo eles, em homenagem aos garis da Comlurb, que conquistaram grande parte de suas demandas após uma greve deflagrada no Carnaval.


FONTE:
http://oglobo.globo.com/educacao/greve-de-professores-evidencia-crise-na-uenf-em-campos-12014029#ixzz2xHZ7gxzf