Funcionários da USP iniciam greve mesmo após reitoria ameaçar cortar salários

Os funcionários da USP (Universidade de São Paulo) iniciaram nesta quarta-feira greve por tempo indeterminado para reivindicar reajuste salarial. Por volta das 9h40, os serviços de restaurantes e ônibus circulares estavam interrompidos devido à paralisação da categoria.

O início da greve acontece mesmo após a reitoria da universidade anunciar que vai impor multa de R$ 1.000 por dia, caso o movimento grevista dos trabalhadores cause transtornos, como colocação de piquetes e bloqueios de acesso, de acordo com uma liminar adquirida na Justiça. A reitoria também afirmou que não vai pagar os dias não trabalhados.

O diretor de base do Sintusp (Sindicato dos Trabalhadores da USP), Magno de Carvalho, voltou a afirmar nesta quarta, que "as ameaças não intimidarão os funcionários". A categoria deve realizar ainda na manhã de hoje uma assembleia no prédio da faculdade de História, onde discutirão a paralisação. Apesar disso, Carvalho destaca que "não há possibilidade de a greve ser interrompida devido a essas ameaças".

Ontem, o diretor já havia afirmado que poderá haver "cerco do prédio da reitoria e o fechamento dos outros prédios". Segundo ele, a colocação de piquetes é feita para não distinguir os funcionários que entraram em greve e os que não entraram e para evitar perseguições.

"Com o prédio fechado, não é possível descontar do salário pelo ponto e evitamos que os funcionários sejam ameaçados e perseguidos. Essas ameaças nunca intimidaram os trabalhadores e vários prédios têm permanecidos fechados durante greves", disse o diretor.

Os servidores reivindicam aumento salarial de 16% mais R$ 200 e o repasse de 6% dado pela reitoria aos professores em fevereiro deste ano. A USP informou que as reivindicações ainda não foram avaliadas. Uma reunião de negociação com o Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas) foi marcada para o dia 11 de maio.

Por volta das 9h40 desta quarta, nem o sindicato nem a reitoria da universidade tinham um balanço de adesão a greve. Apesar disso, a USP informou que os serviços de ônibus circulares, restaurantes, assim como o antigo prédio da reitoria e a antiga prefeitura do campus estavam comprometidos.

Ano passado

No ano passado, uma greve iniciada por funcionários da USP também em 5 de maio ganhou a adesão de professores e estudantes um mês depois, após a Polícia Militar ter sido chamada pela então reitora Suely Vilela para impedir piquetes dos servidores em prédios como a reitoria.

A greve durou 57 dias e foi marcada por um conflito entre a Força Tática, de um lado, e estudantes e funcionários, do outro, que deixou ao menos dez feridos. A paralisação terminou em 22 de junho sem que as principais reivindicações da categoria fossem atendidas.

Fonte: www.uol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Diretoria da ADUENF envia carta a Sérgio Cabral defendendo a manutenção do modelo de Darcy Ribeiro

Diretoria da ADUENF lança comunicado sobre ações tomadas para defender direitos ameaçados pelo governo Pezão

ADUENF envia carta ao reitor da UENF solicitando respeito ao direito dos estudantes