Secretário não comparece à reunião e entidades afirmam estado de greve

Ao final nada avançou, apenas o horário do superintendente que saiu às pressas para outro compromisso

Depois de adiar a reunião, o secretário de Planejamento e Gestão, Sérgio Ruy, não compareceu ao encontro com as entidades sindicais na manhã desta sexta-feira, dia 28. Representantes da Aduenf, Asduerj e Sintuperj – em campanha salarial unificada – levaram as reivindicações dos trabalhadores e pressionaram pela abertura de negociação com o governo do Estado. Os dirigentes foram recebidos pelo superintendente de Carreira, Remuneração e Treinamento, Ivan Diniz, e seu assessor, Pedro Brás. Ambos justificaram a ausência de Sérgio Ruy devido a uma viagem.

Unificação da pauta

Luís Passoni, representante da Aduenf, abriu a reunião reforçando o objetivo da mesma: a abertura de um canal de diálogo com o governador Sérgio Cabral. Para além das questões específicas da Aduenf, como aumento de vale alimentação e auxílio creche, Passoni levantou as questões gerais: “A diferença salarial das nossas universidades estaduais em relação às federais é absurda e a evasão de professores é a nossa realidade, infelizmente”. O dirigente ainda lembrou o índice de defasagem salarial de 82%.

O representante e coordenador geral do Sintuperj, José Arnaldo Gama, afirmou que a unificação da campanha salarial entre as entidades representa um grande salto político. “Esta campanha é histórica entre as universidades e, a cada dia, nossa luta se fortalece. E, em nossos estudos, o que temos acompanhado é que as contas do governo estão super positivas enquanto nossos salários estão precários. Sabemos também que existe margem de negociação, já que o governo gasta apenas 36% da receita com pessoal”, explicou Arnaldo que reivindicou o repasse dessa verba para as universidades estaduais.

Recomposição Já

De acordo com a pauta específica da Asduerj, a presidente da entidade, Cleier Marconsin, questionou a falta da dedicação exclusiva do docente na Uerj. “A Uerj é a única universidade do Brasil que não tem dedicação exclusiva e este fato vai na contramão do que o Ministério da Educação (MEC) e outros órgãos respaldam”, ela declarou pedindo antecipação da dedicação da Uerj que está prevista para 2012. “A unificação de nossa campanha salarial representa a nossa disposição política de somar forças para que cada setor e cada categoria consigam o melhor, superando as diferenças salariais”, afirmou.

Guilherme Mota, diretor da Asduerj reforçou a questão da evasão de quadros da universidade. “A evasão de recursos humanos da Uerj é enorme e isto não é algo que vamos recuperar com facilidade. Estamos perdendo professores no meio da carreira, além da redução de jornada que se tornou comum aqui e a antecipação da aposentadoria. A recomposição salarial é fundamental para evitar uma situação ainda pior na Uerj”, acrescentou.

E o nosso PCC?

O coordenador geral do Sintuperj, Jorge “Gaúcho” lembrou que existe uma minuta emperrada na Secretaria de Planejamento e Gestão. “Esta minuta está empacada na Seplag há dois anos e garante melhorias ao nosso Plano de Cargos e Carreiras e até hoje nada”, disse. O dirigente solicitou uma cópia do documento, no entanto, continua na burocracia do protocolo da Seplag. “Se tivermos que chegar a uma greve, chegaremos! Estamos em estado de greve e precisamos de uma solução imediata”, alertou “Gaúcho”. Segundo o coordenador jurídico do Sintuperj, Antonio Vírginio Fernandes, os servidores precisam ser tratados com mais dignidade. “Estamos com 82% de defasagem salarial e este número não é inventado, ele advém de uma série de índices de inflação e, por isso, tão necessária nossa recomposição salarial”, pontuou.

Mais Mentiras

Ao contrário do que os dirigentes afirmaram e provaram sobre as contas do governo, o superintendente, Ivan Diniz, afirmou que o Estado está passando por uma situação muito difícil. Vergonhosamente, Diniz ainda citou o caso dos royalties do pré-sal. “Depois que a Câmara Federal aprovou a retirada dos royalties e a divisão dos mesmos, o Estado se encontra em uma situação muito difícil. Vocês precisam esperar”, ele sugeriu. Nesse momento, Jorge “Gaúcho” respondeu: “Até quando vamos esperar? Já são nove anos! Queremos saber prazo”.

Nova Reunião

Diante da pressão, o superintendente declarou que não pode adiantar nada, pois a Secretaria retomou os estudos sobre este caso e, então, propôs uma próxima reunião para segunda-feira, dia 14/6, para tratar questões específicas da Uenf. Embora o superintendente tenha a intenção de fragmentar a unidade entre as entidades sindicais, Arnaldo e Cleier enfatizaram: “Estamos em campanha salarial UNIFICADA e, portanto, as três entidades virão, nesse dia, acompanhar a conversa”.

Avaliação

Ao final nada avançou, apenas o horário do superintendente que saiu às pressas para outro compromisso. A hora é agora e temos que mostrar nossa força para o governo. Teremos assembléia unificada em Campos no próximo dia 8/6 e já lotamos dois ônibus para a atividade. Garanta já o seu lugar e a sua força nessa luta! As inscrições podem ser feitas no Sintuperj e na delegacia sindical do Hupe. Compareça e traga o seu colega junto! Vamos fazer um ato público nas ruas de Campos após a assembléia.

Juntos Somos Fortes!

Fomte: www.sintuperj.org.br

Postagens mais visitadas deste blog

Diretoria da ADUENF envia carta a Sérgio Cabral defendendo a manutenção do modelo de Darcy Ribeiro

Diretoria da ADUENF lança comunicado sobre ações tomadas para defender direitos ameaçados pelo governo Pezão

ADUENF envia carta ao reitor da UENF solicitando respeito ao direito dos estudantes